1019: Mais nove mortos e 2.112 casos e sobem internamentos e cuidados intensivos

ÚLTIMA INFORMAÇÃO NESTE PORTAL APENAS SOBRE A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS SARS-CoV-2 – COVID-19

Apenas para “recordar” os números de INFECTADOS DIÁRIOS pelo coronavírus SARS-CoV-2, COVID-19, desde o passado mês de Julho até ao presente, em Portugal:

– 2.112 – 22.08.2021
– 2.676 – 21.08.2021
– 2.507 – 20.08.2021
– 2.554 – 19.08.2021
– 2.983 – 18.08.2021
– 2.118 – 17.08.2021
– 1.135 – 16.08.2021
– 2.217 – 15.08.2021
– 2.571 – 14.08.2021
– 2.598 – 13.08.2021
– 2.708 – 12.08.2021
– 2.948 – 11.08.2021
– 2.232 – 10.08.2021
– 1.094 – 09.08.2021
– 1.982 – 08.08.2021
– 2.621 – 07.08.2021
– 2.377 – 06.08.2021
– 2.581 – 05.08.2021
– 3.203 – 04.08.2021
– 2.076 – 03.08.2021
– 1.190 – 02.08.2021
– 2.306 – 01.08.2021
– 2.590 – 31.07.2021
– 2.595 – 30.07.2021
– 3.009 – 29.07.2021
– 3.452 – 28.07.2021
– 2.316 – 27.07.2021
– 1.610 – 26.07.2021
– 3.396 – 24.07.2021
– 3.794 – 23.07.2021
– 3.622 – 22.07.2021
– 4.376 – 21.07.2021
– 2.706 – 20.07.2021
– 1.855 – 19.07.2021
– 3.677 – 17.06.2021
– 3.547 – 16.06.2021
– 3.641 – 15.06.2021
– 4.153 – 14.06.2021
– 2.650 – 13.07.2021
– 2.323 – 11.07.2021
– 3.162 – 10.07.2021
– 3.194 – 09.07.2021
– 3.269 – 08.07.2021
– 3.285 – 07.07.2021
– 2.170 – 06.07.2021
– 2.041 – 04.07.2021
– 2.436 – 02.07.2021

Coisa pouca e sem importância para uma “gripezinha”…

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/INFECÇÕES/MORTES

Dados da Direcção-Geral da Saúde indicam que há mais 2.112 casos de covid-19 e que estão agora mais 27 doentes internados, dos quais mais sete em unidades de cuidados intensivos.

Está a decorrer o segundo dia de vacinação dos mais jovens e o vice-almirante Gouveia e Melo quis estar presente
© TIAGO PETINGA/LUSA

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal confirmou, nas últimas 24 horas 2.112 novos casos de covid-19 e nove mortes.

O relatório deste domingo (22 de Agosto) dá conta de que há 708 pessoas internadas com covid-19 (mais 27 doentes face ao reportado no sábado). Nas unidades de cuidados intensivos o número sobe para os 152 (mais sete).

O boletim da DGS dá também conta de mais 877 casos activos e 1 226 pessoas recuperadas da doença e menos 283 contactos em vigilância.

No que diz à distribuição geográfica dos casos, a região do norte é a mais penalizada com 802 e dois mortos. A de Lisboa e Vale do Tejo apresenta menor número de infecções, com 657, mas continua a ser aquela em que morrem mais pessoas, no caso cinco.

Na região centro houve mais 309 casos reportados e um morto, na do Alentejo mais 62 e na do Algarve 198 e um morto. Na região autónoma dos Açores houve mais 26 casos e na da Madeira 58, ambas sem registo de óbitos.

“Os que não se vacinarem, vacinem-se”

O Presidente da República quis esta tarde de domingo visitar o entro de vacinação de Alcabideche e aproveitou para fazer um apelo: “Vacinem-se os que ainda não se vacinaram”.

Ao lado do vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, Marcelo Rebelo de Sousa frisou aos jornalistas que “quanto mais nos aproximar-mos dos 80 ou 85% de vacinação melhor”. E lançou mais uma recomendação também, a de que os cidadãos mantenham os comportamentos de distanciamento social e até a máscara facial até se perceber os números de Agosto e meados de Setembro.

Ele que foi dos primeiros a usar a máscara, será “dos últimos a tirá-la”, quando questionado sobre a eventualidade de deixar de ser obrigatória. Mas remeteu essa decisão para o Parlamento, que reunirá em Setembro. “É uma boa coincidência”, disse já que no próximo mês haverá mais certezas sobre o impacto da vacinação, sobretudo nas camadas mais jovens da população”.

Segundo dia de vacinação dos jovens
entre os 12 e os 15 anos

Decorre este domingo mais um dia de vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos, depois de ontem terem sido vacinados com a primeira dose 120 mil.

“Este dia supera em muito as expectativas, uma vez que estavam agendados, para todo o fim de semana, cerca de 110 mil, e a previsão é que se ultrapasse os 120 mil no primeiro dia”, disse ontem o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo.

No sábado o vice-almirante foi recebido com aplausos no posto de vacinação de Alcabideche, em Cascais, e confessou-se emocionado. “Não estava à espera. Já visitei muitos pavilhões, mas eu julgo que os problemas recentes fizeram com que os pais também tomassem mais consciência deste processo. Acho que estes aplausos foram mais para me animar e eu agradeço imenso e fico comovido”, disse Gouveia e Melo, aos jornalistas, no final da visita.

Diário de Notícias
Paula Sá
22 Agosto 2021 — 14:41

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1018: 120 mil jovens dos 12 aos 15 anos vacinados no primeiro dia

SAÚDE PÚBLICA/JOVENS/VACINAÇÃO

Foram vacinados 118 mil jovens até às 17:00 deste sábado, o primeiro dia em que iniciaram o processo todos os que têm entre 12 e 15 anos. Estima-se que ultrapassem os 120 mil neste dia.

Primeiro dia da vacia para quem tem com idades entre os 12 e 15 anos no centro de vacinação covid de Cascais
© TIAGO PETINGA/LUSA

O último balanço da task-force do plano de vacinação indica que 118 mil jovens se vacinaram até às 17:00 deste sábado, o que significa 29% do grupo etário dos 12 aos 15 anos. As estimativas do Instituo Nacional de Estatística indicam 409.873 residentes com estas idades em Portugal.

O coordenador, o vice-almirante Gouveia de Melo, estima que se ultrapassem os 120 mil neste primeiro dia de vacinação dos mais novos.

Agendaram a vacina 110 mil jovens para este fim de semana, muitos mais apareceram através da modalidade “Casa Aberta”. Funciona segundo o horário de cada centro de vacinação e mediante uma senha (retirada via Internet ou no local).

A vacinação deste grupo etário continua este domingo, prologando-se para o próximo fim de semana.

Esta manhã, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo manifestou-se confiante de que irá ser ultrapassado em muito o número de jovens inscritos para a vacinação neste fim de semana, e que se ficou por um terço do universo elegível.

“Com esta pandemia é muito difícil fugir ao vírus”, disse, recordando a proximidade da abertura do ano lectivo. E recomendou aos pais que sigam as recomendações da DGS e vacinem os filhos.

O vice-almirante foi recebido com aplausos no posto de vacinação de Alcabideche, em Cascais, e confessou-se emocionado. “Não estava à espera. Já visitei muitos pavilhões, mas eu julgo que os problemas recentes fizeram com que os pais também tomassem mais consciência deste processo. Acho que estes aplausos foram mais para me animar e eu agradeço imenso e fico comovido”, disse Gouveia e Melo, aos jornalistas, no final da visita.

Diário de Notícias
DN
21 Agosto 2021 — 19:29

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1017: Mais 2.676 casos de covid-19 e oito mortos nas últimas 24 horas

– É com estes números que a governança decidiu (extremamente mal) a “libertação” de parte do confinamento na próxima segunda-feira? Cabecinhas pensadoras (e inteligentes), precisam-se! O que vale é que na próxima segunda-feira vou “libertar-me” e colocar um ponto final de noticiar diariamente estas tristes informações.

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/INFECÇÕES/MORTES

Dados da Direcção-Geral da Saúde indicam que há mais 2.676 casos de covid-19 e que estão agora 681 doentes internados, dos quais 145 em unidades de cuidados intensivos. Registaram-se mais 2.996 casos de pessoas que recuperaram da doença.

A vacinação dos mais jovens vai acelerar muito este fim de semana
© Rita Chantre / Global Imagens

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal confirmou, nas últimas 24 horas, 2.676 novos casos de covid-19 e oito mortes.

O relatório deste sábado (21 de Agosto) dá conta de que há 681 pessoas internadas com covid-19 (menos seis doentes face ao reportado na sexta-feira). Nas unidades de cuidados intensivos o número sobe para os 145 (mais dois).

Vacinação dos 12 aos 15 anos começou

A vacinação contra a covid-19 de crianças e jovens entre os 12 e os 15 anos começou este sábado, no primeiro de dois fins de semana dedicados a esta faixa etária. Para este primeiro fim de semana estão agendadas cerca de 110 mil pessoas, um quarto do total.

Além daqueles que tenham realizado o pedido de auto-agendamento para os dias 21 e 22 de Agosto, e aqueles que tenham sido chamados pelos serviços de saúde, a ‘task-force’ que coordena o programa de vacinação decidiu abrir também a modalidade “Casa Aberta”, à semelhança do que aconteceu no fim de semana anterior com os jovens de 16 e 17 anos.

As datas para a toma da segunda dose também já estão definidas. No fim de semana de 11 e 12 de Setembro, os jovens entre os 12 e os 15 anos estarão de regresso para completar a vacinação, mesmo antes do início do ano lectivo.

A vacinação desta faixa etária vai continuar no fim de semana de 28 e 29 de Agosto, estando aberto o auto-agendamento para essas datas até sábado, que abrange também a faixa etária dos 16 e 17 anos.

Segunda de nova “libertação”

Na próxima segunda-feira o desconfinamento dá um novo passo, com 70% da população já vacinada. Transportes sem limites de lotação, grupos maiores nos restaurantes, espectáculos culturais, casamentos e baptizados com limite de 75% da lotação.

As medidas de desconfinamento previstas para 5 de Setembro vão entrar em vigor na próxima segunda-feira, 23 de Agosto, com o país já em situação de contingência e não de calamidade, um patamar intermédio nos três graus de alerta definidos na Lei de Bases da Protecção Civil. À luz deste novo enquadramento já não podem ser determinados, por exemplo, quaisquer limites à circulação.

Com a vacinação a atingir os 70% da população antes da data prevista, o Conselho de Ministros decidiu na sexta-feira dar um passo em frente no desconfinamento. “Chegou o momento de passar à próxima fase”, afirmou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final da reunião extraordinária do Governo, que decorreu por vídeo conferência.

Com esta decisão, os restaurantes, cafés e pastelarias passam a ter um limite máximo de oito pessoas por grupo no interior e 15 pessoas por grupo em esplanadas; os transportes públicos deixam de ter limites de lotação, uma medida que abrange os táxis e os TVDE; os espectáculos culturais poderão atingir os 75% de lotação dos espaços; os eventos como casamentos e baptizados passam também a ter um limite máximo de 75% da lotação.

A ocupação máxima nos espaços comerciais vai igualmente sofrer alterações, aumentando das actuais cinco pessoas por 100 metros quadrados para oito pessoas. A obrigatoriedade de marcação prévia para atendimento nos serviços públicos também avança, mas neste caso só a partir de 1 de Setembro.

Há uma outra norma prevista para esta segunda fase, o fim da obrigação do uso de máscara ao ar livre, que não é revogada. Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva, (que assegura actualmente a chefia do Governo, durante o período de férias de António Costa) voltou a remeter essa decisão para a Assembleia da República, sublinhando que esta é uma medida com fortes implicações nos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

Diário de Notícias
Paula Sá
21 Agosto 2021 — 15:19

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

Segunda fase da “libertação” chega na segunda-feira. O que muda?

– Será mesmo “libertação” ou infernização causada por estas medidas? O tempo o dirá e espero estar completamente enganado…

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/”LIBERTAÇÃO”

Na próxima segunda-feira o desconfinamento dá um novo passo. Situação estável da pandemia, ainda que em “planalto”, e sobretudo o acelerar da vacinação abrem caminho à segunda fase da “libertação”. Próximo ano lectivo começa com “adaptações residuais”.

Mariana Vieira da Silva voltou a remeter o fim do uso da máscara ao ar livre para o Parlamento.
© Mário Cruz/Lusa

Transportes sem limites de lotação, grupos maiores nos restaurantes, espectáculos culturais, casamentos e baptizados com limite de 75% da lotação. As medidas de desconfinamento previstas para 5 de Setembro vão entrar em vigor na próxima segunda-feira, 23 de Agosto, com o país já em situação de contingência e não de calamidade, um patamar intermédio nos três graus de alerta definidos na Lei de Bases da Protecção Civil. À luz deste novo enquadramento já não podem ser determinados, por exemplo, quaisquer limites à circulação.

Com a vacinação a atingir os 70% da população antes da data prevista, o Conselho de Ministros decidiu ontem dar um passo em frente no desconfinamento. “Chegou o momento de passar à próxima fase”, afirmou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final da reunião extraordinária do Governo, que decorreu por vídeo conferência.

Com esta decisão, os restaurantes, cafés e pastelarias passam a ter um limite máximo de oito pessoas por grupo no interior e 15 pessoas por grupo em esplanadas; os transportes públicos deixam de ter limites de lotação, uma medida que abrange os táxis e os TVDE; os espectáculos culturais poderão atingir os 75% de lotação dos espaços; os eventos como casamentos e baptizados passam também a ter um limite máximo de 75% da lotação.

A ocupação máxima nos espaços comerciais vai igualmente sofrer alterações, aumentando das actuais cinco pessoas por 100 metros quadrados para oito pessoas. A obrigatoriedade de marcação prévia para atendimento nos serviços públicos também avança, mas neste caso só a partir de 1 de Setembro.

Há uma outra norma prevista para esta segunda fase, o fim da obrigação do uso de máscara ao ar livre, que não é revogada. Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva, (que assegura actualmente a chefia do Governo, durante o período de férias de António Costa) voltou a remeter essa decisão para a Assembleia da República, sublinhando que esta é uma medida com fortes implicações nos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

“Há uma razão para esta medida ter sido tomada na Assembleia, porque recomendações para uso de máscara na rua, sempre que não pudéssemos manter a distância, já existiam. A decisão de ter uma lei que a torna obrigatória cabe à Assembleia, é na Assembleia, no diálogo entre os partidos, que esta reflexão deve ser feita”, defendeu.

A obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre resulta de uma lei aprovada pelos deputados na Assembleia da República, que não pode ser revogada pelo Conselho de Ministros. A medida está em vigor até 12 de Setembro. O PSD veio já pedir uma reunião do Infarmed para ouvir os especialistas sobre esta matéria, mas Mariana Vieira da Silva retorquiu ontem que os especialistas já se pronunciaram, e que foi por por essa razão que a medida foi incluída nesta segunda fase do desconfinamento, deixando assim antever que o Executivo não vai agendar nova reunião com esse fim.

“Sendo uma medida que foi apresentada pelos peritos na última reunião do Infarmed, a expectativa é que a Assembleia possa tomar a decisão no momento que considere adequado”, referiu a primeira-ministra em exercício. Mas fez questão de acrescentar: “Não é por termos condições para deixar de ter a máscara obrigatória que não continuarão a existir situações, mesmo ao ar livre, em que a máscara deve ser utilizada”.

Já sobre a possibilidade de a terceira fase do desconfinamento vir também a ser antecipada, a ministra considerou que “é natural” que isso aconteça, e que o país venha a atingir mais cedo a meta dos 85% da população vacinada. Ontem, o vice-almirante Gouveia e Melo, responsável pela task force que coordena o processo de vacinação, disse na RTP que a meta deverá ser atingida entre a “terceira e a quarta semana de Setembro”. No plano inicial apresentado pelo Governo no final de Julho, a terceira fase do desconfinamento estava remetida para Outubro.

Sobre a actual situação da pandemia, Portugal está actualmente com uma incidência de 316,6 e um R(t) – índice de transmissibilidade – de 0,98. “Temos a incidência a decrescer desde metade de Julho e o R(t) abaixo de 1. Quando vemos a evolução, desde o início deste mês o R(t) voltou a subir, encontrando-se ainda abaixo de 1, o número abaixo do qual queremos estar, que significa uma redução da continuação dos casos”, referiu a ministra.

O que significa que o país está num “planalto” – o que “era esperado que acontecesse”, dados os “níveis de abertura significativos”. Mas que se traduz actualmente por uma “situação de conforto” face à ocupação de camas no Serviço Nacional de Saúde – “Estamos muito longe da linha vermelha”.

Ano lectivo começa com “adaptações residuais”

Sobre o início do próximo ano lectivo, em meados de Setembro, Mariana Vieira da Silva referiu que o Ministério da Educação e o da Saúde “estão a trabalhar nas normas que serão comunicadas às escolas antes do regresso dos professores”, a 1 de Setembro, mas as alterações face ao ano transacto não deverão ser significativas. As escolas deverão arrancar com “as regras gerais que eram conhecidas, com as adaptações residuais que sempre se fazem” quando se volta “a olhar para um documento”.

Da calamidade à contingência

Estabelecida na Lei de Bases da Protecção Civil, a situação de contingência em que Portugal entra agora é um patamar intermédio entre a calamidade (que esteve em vigor nos últimos meses, após a cessação do estado de emergência) e a situação de alerta. Com a descida para este patamar deixam de poder ser aplicadas medidas como a “mobilização civil de pessoas, por períodos de tempo determinados”, a imposição de “limites ou condicionamentos à circulação de pessoas e veículos”, bem como a “fixação de cercas sanitárias e de segurança”.

susete.francisco@dn.pt

Diário de Notícias
Susete Francisco
20 Agosto 2021 — 23:17

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

Portugal em “contingência”. Alívio de medidas avança segunda-feira

– … … “Esta segunda etapa das “três fases de libertação” das restrições da pandemia estava prevista apenas para 5 de Setembro, mas avança mais cedo face ao cumprimento da meta de 70% da população vacinada, alcançado na última quarta-feira”.

Com infecções diárias na ordem de mais de 2.000 pessoas, sabendo-se que as pessoas vacinadas com as duas doses PODEM INFECTAR, estarão criadas as condições para a “fase de libertação” anunciada pela governança? EU CONSIDERO QUE NÃO! E, por isso, continuarei a respeitar as regras sanitárias, a utilização de máscara, a higienização normal das mãos e finalizando com gel desinfectante, o distanciamento físico e a não participação em eventos públicos. Ou andam a enganar-nos há meses ou então está tudo doido…!!!

Apenas para “recordar” os números de INFECTADOS DIÁRIOS pelo coronavírus SARS-CoV-2, COVID-19, desde o passado mês de Julho até ao presente, em Portugal:

– 2.507 – 20.08.2021
– 2.554 – 19.08.2021
– 2.983 – 18.08.2021
– 2.118 – 17.08.2021
– 1.135 – 16.08.2021
– 2.217 – 15.08.2021
– 2.571 – 14.08.2021
– 2.598 – 13.08.2021
– 2.708 – 12.08.2021
– 2.948 – 11.08.2021
– 2.232 – 10.08.2021
– 1.094 – 09.08.2021
– 1.982 – 08.08.2021
– 2.621 – 07.08.2021
– 2.377 – 06.08.2021
– 2.581 – 05.08.2021
– 3.203 – 04.08.2021
– 2.076 – 03.08.2021
– 1.190 – 02.08.2021
– 2.306 – 01.08.2021
– 2.590 – 31.07.2021
– 2.595 – 30.07.2021
– 3.009 – 29.07.2021
– 3.452 – 28.07.2021
– 2.316 – 27.07.2021
– 1.610 – 26.07.2021
– 3.396 – 24.07.2021
– 3.794 – 23.07.2021
– 3.622 – 22.07.2021
– 4.376 – 21.07.2021
– 2.706 – 20.07.2021
– 1.855 – 19.07.2021
– 3.677 – 17.06.2021
– 3.547 – 16.06.2021
– 3.641 – 15.06.2021
– 4.153 – 14.06.2021
– 2.650 – 13.07.2021
– 2.323 – 11.07.2021
– 3.162 – 10.07.2021
– 3.194 – 09.07.2021
– 3.269 – 08.07.2021
– 3.285 – 07.07.2021
– 2.170 – 06.07.2021
– 2.041 – 04.07.2021
– 2.436 – 02.07.2021

Coisa pouca e sem importância para uma “gripezinha”…

SAÚDE PÚBLICA/PANDEMIA/CONTINGÊNCIA

Restaurantes, cafés e pastelarias passam a ter um limite máximo de oito pessoas por grupo no interior e grupos de 15 pessoas em esplanadas.
© André Luís Alves / Global Imagens

O Governo decidiu esta sexta-feira, em Conselho de Ministros extraordinário, baixar um patamar no nível de alerta do país, passando da actual situação de calamidade para a de “contingência”. Uma alteração que corre a par com a antecipação da segunda fase do desconfinamento. Esta segunda etapa das “três fases de libertação” das restrições da pandemia estava prevista apenas para 5 de Setembro, mas avança mais cedo face ao cumprimento da meta de 70% da população vacinada, alcançado na última quarta-feira. “Chegou o momento de passar à próxima fase”, afirmou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

Com esta decisão avançam desde já as seguintes medidas:

– Restaurantes, cafés e pastelarias passam ter limite máximo de oito pessoas por grupo no interior e 15 pessoas por grupo em esplanadas;

– Espectáculos culturais com 75% de lotação;

– Eventos (nomeadamente casamentos e baptizados) passam a ter um limite máximo de 75% da lotação.

– Atendimento nos serviços públicos sem marcação prévia (esta medida entra em vigor apenas a 1 de Setembro);

Há uma outra norma prevista para esta segunda fase, o fim da obrigação do uso de máscara ao ar livre, que se mantém em vigor. Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência (que assegura actualmente a chefia do Governo, durante o período de férias de António Costa) voltou a remeter essa decisão para a Assembleia da República, sublinhando que esta é uma medida com fortes implicações nos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

“Há uma razão para esta medida ter sido tomada na Assembleia, porque recomendações para uso de máscara na rua, sempre que não pudéssemos manter a distância, já existiam. A decisão de ter uma lei que a torna obrigatória cabe à Assembleia, é na Assembleia, no diálogo entre os partidos, que esta reflexão deve ser feita”, defendeu.

A obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre resulta de uma lei aprovada pelos deputados na Assembleia da República, que não pode ser revogada pelo Conselho de Ministros. A medida está em vigor até 12 de Setembro. O PSD veio pedir, esta sexta-feira, uma reunião do Infarmed para ouvir os especialistas sobre esta matéria, mas Mariana Vieira da Silva disse esta tarde que os especialistas já se pronunciaram, e que por essa razão a medida foi incluída nesta segunda fase do desconfinamento, deixando antever que o Executivo não vai agendar nova reunião com esse fim. “O que o Governo pode dizer é que esta proposta resulta do trabalho que tem sido feito no âmbito das reuniões do Infarmed, é uma proposta que foi apresentada na última reunião do Infarmed e, em conjunto com outras, é aqui apresentada na estratégia de desconfinamento”, especificou, antes de deixar um aviso: “Não é por termos condições para deixar de ter a máscara obrigatória que não continuarão a existir situações, mesmo ao ar livre, em que a máscara deve ser utilizada”.

Já sobre a possibilidade de a terceira fase do desconfinamento vir também a ser antecipada, a ministra considerou que “é natural” que isso aconteça, e que o país venha a atingir mais cedo a meta dos 85% da população vacinada – “A expectativa é que possamos acelerar”.

Sobre a actual situação da pandemia, Portugal está actualmente com uma incidência de 316,6 e um R(t) – índice de transmissibilidade – de 0,98. “Temos a incidência a decrescer desde metade de Julho e o R(t) abaixo de 1. Quando vemos a evolução, desde o início deste mês o R(t) voltou a subir, encontrando-se ainda abaixo de 1, o número abaixo do qual queremos estar, que significa uma redução da continuação dos casos”, referiu a ministra. O que significa que o país está, actualmente, num “planalto”, o que “era esperado que acontecesse”, dados os “níveis de abertura significativos”.

Segundo Vieira da Silva, estas medidas de antecipação são tomadas numa “situação de conforto” face à presente ocupação de camas no Serviço Nacional de Saúde, que está nos 55% – “Estamos muito longe da linha vermelha a nível nacional”.

Diário de Notícias
Susete Francisco
20 Agosto 2021 — 16:37

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes