641: Cientistas alertam: A difteria pode tornar-se uma “ameaça global à saúde” novamente

 

SAÚDE/DIFTERIA

Internet Archive Book Images / Wikimedia

Uma equipa internacional de investigadores do Reino Unido e da Índia alertou que a difteria – uma infecção de prevenção relativamente fácil – está a evoluir para se tornar resistente a uma série de classes de antibióticos e, no futuro, pode conseguir escapar à vacina.

A equipa de cientistas, liderada por investigadores da Universidade de Cambridge, defende que o impacto da covid-19 nos esquemas de vacinação contra a difteria, juntamente com um aumento no número de infecções, está a colocar a doença em risco de se tornar novamente uma grande ameaça global.

A difteria é uma infecção altamente contagiosa que pode afectar o nariz e a garganta e, às vezes, a pele. Se não for tratada, pode ser fatal.

Causada principalmente pela bactéria Corynebacterium diphtheriae, é transmitida principalmente por tosse e espirros ou pelo contacto próximo com alguém infectado.

Na maioria dos casos, a bactéria causa infecções agudas, impulsionadas pela toxina da difteria – o principal alvo da vacina. No entanto, a C. diphtheria não toxigénica também pode causar doenças, geralmente na forma de infecções sistémicas.

Os sintomas começam a manifestar-se de forma gradual, começando com inflamação da garganta e febre. Em casos graves, desenvolve-se na garganta uma membrana característica branca ou cinzenta, que está na origem da tosse e que pode impedir a passagem de ar. O pescoço também pode ficar inchado devido ao aumento de volume dos gânglios linfáticos.

No Reino Unido e noutros países com altos rendimentos, os bebés são vacinados contra a infecção. No entanto, em países mais pobres, a doença ainda pode causar infecções esporádicas ou surtos em comunidades não vacinadas ou parcialmente vacinadas.

O número de casos de difteria notificados globalmente tem aumentado gradualmente. Em 2018, havia 16.651 casos notificados, mais do dobro da média anual para 1996-2017 (8.105 casos).

A equipa internacional de cientistas usou o genoma para mapear infecções, incluindo um subconjunto da Índia, onde ocorreram mais da metade dos casos relatados em 2018.

Ao analisar os genomas de 61 bactérias isoladas de pacientes e ao combiná-los com 441 genomas disponíveis publicamente, os investigadores construiram uma árvore filo-genética – uma “árvore genealógica” genética – para ver como as infecções estão relacionadas e entender como se espalham.

Além disso, usaram as informações para avaliar a presença de genes de resistência anti-microbiana (AMR) e avaliar a variação da toxina. 

Os cientistas encontraram, então, aglomerados de bactérias geneticamente semelhantes isoladas de vários continentes, geralmente na Ásia e na Europa. Isso indica que C. diphtheriae foi estabelecido na população humana durante, pelo menos, mais de um século, espalhando-se por todo o mundo à medida que as populações migraram.

O principal componente causador de doenças de C. diphtheriae é a toxina da difteria, que é codificada pelo gene TOX. É esse componente o alvo das vacinas. No total, os investigadores encontraram 18 variantes diferentes do gene TOX, das quais várias tinham o potencial de alterar a estrutura da toxina.

Microrao
Corynebacterium diphtheriae

“A vacina contra a difteria é projectada para neutralizar a toxina, portanto, quaisquer variantes genéticas que alterem a estrutura da toxina podem ter um impacto sobre a eficácia da vacina. Embora os nossos dados não sugiram que a vacina usada actualmente será ineficaz, o facto de estarmos a ver uma diversidade cada vez maior de variantes de toxidade sugere que a vacina e os tratamentos que visam a toxina precisam de ser avaliados regularmente”, alertou Gordon Dougan, do Instituto de Imunologia Terapêutica e Doenças Infecciosas de Cambridge (CITIID), em comunicado.

As infecções por difteria podem ser tratadas com várias classes de antibióticos, embora já tenha sido relatada C. diphtheriae resistente a antibióticos. A extensão dessa resistência permanece amplamente desconhecida.

Quando a equipa procurou genes que pudessem conferir algum grau de resistência aos antibióticos, descobriu que o número médio de genes AMR (resistência antibiótica) por genoma aumentava a cada década.

Os genomas de bactérias isoladas de infecções na década mais recente (2010-19) mostraram o maior número médio de genes AMR por genoma, quase quatro vezes mais em média do que na década anterior (1990).

“O genoma de C. diphtheriae é complexo e incrivelmente diverso. Está a adquirir resistência a antibióticos que nem são usados ​​clinicamente no tratamento da difteria. Deve haver outros factores em jogo, como infecção assintomática e exposição a uma infinidade de antibióticos destinados ao tratamento de outras doenças”, explicou Robert Will, estudante de doutoramento no CITIID.

Eritromicina e penicilina são os antibióticos tradicionalmente recomendados para o tratamento de casos confirmados de difteria em estágio inicial, embora existam várias classes diferentes de antibióticos disponíveis para tratar a infecção.

A equipa identificou variantes resistentes a seis dessas classes na década de 2010, maior do que em qualquer outra década.

Cientistas encontraram 70 mil vírus nunca antes vistos no intestino humano

Cientistas identificaram mais de 70 mil vírus, até então desconhecidos, que vivem no nosso intestino e infectam as bactérias que…

Ler mais

Os cientistas consideram que a covid-19 teve um impacto negativo nos calendários de vacinação infantil em todo o mundo e chegou num momento em que o número de casos relatados está a aumentar, sendo 2018 o ano que apresentou a maior incidência nos últimos 22 anos.

“É mais importante do que nunca que entendamos como a difteria está a evoluir e a espalhar-se. O sequenciamento do genoma dá-nos uma ferramenta poderosa para observar isto em tempo real, permitindo que as agências de saúde pública ajam antes que seja tarde demais”, disse Ankur Mutreja, do CITIID.

“Corremos o risco de [a difteria] se tornar uma grande ameaça global novamente, potencialmente numa forma modificada e melhor adaptada”, acrescentou.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Nature Communications.

Por Maria Campos
16 Março, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]