992: Morreu um jovem na casa dos 20 anos. Incidência e internamentos caem. Mais 12 mortes e 2.598 casos por covid-19

SAÚDE/PANDEMIA/INFECÇÕES/MORTES

Portugal com mais 12 mortes e 2.598 casos por covid-19 nas últimas 24 horas. O país contabiliza agora um total de 998.547 casos e 17.537 óbitos desde o início da pandemia

Portugal registou mais 2.598 casos e 12 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta sexta-feira, 13 de Agosto. Entre as vítimas mortais está um homem entre os 20 e os 29 anos.

O país contabiliza agora um total de 998.547 casos e 17.537 óbitos desde o início da pandemia.

Há agora 44.455 casos activos de infecção por ​​​​​​​SARS-CoV-2, mais 48 do que na véspera, quando já se tinha registado um aumento.

Relativamente a hospitalizações, há agora 732 pessoas internadas (menos 22), 162 das quais em unidades de cuidados intensivos (menos sete do que na véspera). O número de internamentos é o mais baixo desde 12 de Julho, quando se registavam 729 hospitalizações. Em UCI é o mais reduzido desde 13 de Julho, quando estavam internadas 161 pessoas.

O boletim da DGS aponta também que há mais 2.538 recuperados da doença, num total de 936.555.

Lisboa e Vale do Tejo foi a região que registou mais novos casos (1001), seguida de Norte (862), Centro (270), Algarve (258), Alentejo (118), Açores (53) e Madeira (36).

Os óbitos foram distribuídos por Lisboa e Vale do Tejo (cinco), Norte (dois), Alentejo (dois) e Algarve (três).

A taxa de incidência baixou de 331,6 para 324,6 casos por covid-19 por 100 mil habitantes no continente e de 326,5 para 319,9 a nível nacional.

Já o R(t) subiu de 0,94 para 0,95 tanto a nível nacional como no continente.

102 mil jovens de 16 e 17 anos fizeram marcação e vão vacinar-se no fim de semana

Os centros de vacinação vão encher-se no fim de semana, numa operação para vacinar em dois dias os jovens de 16 e 17 anos, com mais de 100 mil marcações feitas e a possibilidade de recorrer à “Casa Aberta”.

No total, há cerca de 102 mil jovens com marcação para a toma da primeira dose da vacina contra a covid-19 e vão todos fazê-lo entre sábado e domingo.

Segundo a task-force responsável pelo processo, todos os centros de vacinação vão estar na sua capacidade máxima instalada durante esses dois dias, mas o objectivo é vacinar ainda mais pessoas.

Por isso, além dos 102 mil que realizaram o auto-agendamento no início do mês, e que representam cerca de metade da população desta faixa etária, vai estar também disponível a modalidade “Casa Aberta”.

No entanto, o fim de semana será dedicado à faixa etária dos 16 aos 17 anos e, por isso, a ‘task-force’ quer que mesmo aqueles sem marcação se vão vacinar.

À semelhança dos mais novos, estes jovens serão inoculados com a vacina da Pfizer, cujo intervalo entre doses, actualmente definido pela norma da DGS, é de 21 dias.

Assim, no fim de semana de 5 e 6 de Setembro voltam para receber a segunda dose, de forma a terem a vacinação completa antes do início do ano lectivo, que arranca entre 14 e 17 de Setembro.

Depois desta faixa etária, os dois fins de semana seguintes serão dedicados aos jovens entre os 12 e 15 anos, que deverão ter as duas doses até 19 de Setembro.

Centros de vacinação de Loures e de Odivelas abertos até à 01:00 para jovens e com DJ

A ideia partiu do Agrupamento de Centros de Saúde Loures e Odivelas (ACES) e, muito antes de Berlim ter dado o exemplo ao mundo. E o objectivo era tentar levar os jovens a aderir à vacinação e a serem acompanhados num ambiente em que se sentissem mais enquadrados, “num ambiente que lhes mostrasse que aceitar a vacina é ser saudável, porque o ser saudável é já para muitos jovens um estilo de vida cool”, explica ao DN António Alexandre, o director executivo do ACES.

O mesmo conta que a ideia inicial era conseguir concretizar este projecto na altura dos Santos Populares, já que era um dos momentos em que se previa que muitos jovens pudessem sair à rua para festejar, mas tal não foi possível. Praticamente não houve festejos, “e a faixa etária que estava a ser vacinada era mais velha. Por isso, decidimos aproveitar este fim de semana de vacinação na modalidade Casa Aberta para os jovens para avançar com o projecto”, argumentou.

Pois bem, os dois centros de vacinação do ACES de Loures e Odivelas vão estar abertos das 09:00 até à 01:00 de domingo. E a partir das 22:00 passarão a receber todos os jovens que queiram ser vacinados, mesmo que não se tenham auto-agendado ou tenham sido chamados pelo sistema central. Os que aparecerem terão direito a animação. Em Loures, no Pavilhão António Feliciano Bastos, estará o DJ Puto Márcio, e, em Odivelas, no Pavilhão Multiusos estará o DJ Digar Govinde.

“A Casa Aberta abre a partir das 22:00, mas a animação com os DJ começa pelas 20:00, já que a intenção é aproximar os jovens da vacinação e tentar vacinar o maior número possível deles, sem que para isso tenham de prescindir de outras actividades que possam ter já programadas”, referiu António Alexandre, salientando ainda que este projecto só é possível pelo esforço que todos os profissionais estão a desenvolver e com a ajuda das autarquias, que se disponibilizaram de imediato para fazer os contactos necessários.

O director executivo do ACES sublinhou que os profissionais se disponibilizaram de forma extraordinária para este projecto. “Em Junho, havia pessoas com férias marcadas que se disponibilizaram para não as gozar, para poderem estar presentes e tentar que se vacinasse o mais possível as camadas mais jovens”.

Como recorda António Alexandre, os concelhos de Loures e de Odivelas, que integram a região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, precisamente a que tem sido mais fustigada na terceira e quarta onda da pandemia, tem cerca de 5% da população de todo o país. “De acordo com os nossos ficheiros são entre 470 mil a 480 mil pessoas, uma boa parte jovem, e como soubemos que os jovens não tinham aderido massivamente ao auto-agendamento para a vacinação e estamos a tentar que o façam e de uma forma em que se sintam mais acompanhados”.

Diário de Notícias
DN
13 Agosto 2021 — 14:28

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

“Casa aberta” disponível para maiores de 25 anos e utentes têm que ter senha

SAÚDE/PANDEMIA/VACINAÇÃO/CASA ABERTA

A partir desta segunda-feira, os utentes têm que tirar uma senha electrónica para se vacinarem contra a covid-19 na modalidade “Casa Aberta”.

© EDUARDO COSTA/LUSA

A modalidade de vacinação “casa aberta” já está disponível para as pessoas com 25 ou mais anos e os utentes têm que, a partir desta segunda-feira, tirar uma senha electrónica para se vacinarem contra a covid-19, anunciou a ‘task-force’.

Numa nota enviada às redacções, a ‘task force’ que coordena o plano de vacinação refere que, existindo “uma maior disponibilidade de vacinas”, a modalidade “casa aberta” encontra-se a partir de hoje disponível para a vacinação com idade igual ou superior a 25 anos, deixando de existir a restrição da vacina da Janssen nesta modalidade.

Anuncia ainda que foi criado um sistema de senhas digitais, no âmbito da modalidade “casa aberta”, que passa a estar disponível, também a partir de hoje, na esmagadora maioria dos centros de vacinação existentes em Portugal Continental.

Segundo a organização, “este sistema vem permitir aos utentes evitar a espera numa fila para ser vacinado”.

“Após preencher e submeter o formulário, deverá receber a sua senha digital com o respectivo número e hora prevista”, explica a ‘task force’, lembrando que as segundas doses serão sempre no local da primeira dose.

Na modalidade “casa aberta” são vacinadas primeiras doses de utentes elegíveis que não estejam agendados e que não tenham sido infectados com covid-19 nos últimos seis meses, com o objectivo de assegurar que todas as pessoas elegíveis são chamadas ao processo de vacinação.

A ‘task force’ relembra ainda que o auto agendamento está disponível para utentes com idades iguais ou superiores a 18 anos.

A modalidade de auto agendamento permite agendar a primeira dose da vacina contra a covid-19, podendo o utente escolher o local o dia da inoculação da vacina.

O objectivo de ter 70% da população de Portugal continental vacinada contra a covid-19, com pelo menos uma dose, foi atingido na passada sexta-feira, antes da data inicialmente prevista.

Já foram administradas, em Portugal continental, cerca de 12,1 milhões de vacinas, que permitiram vacinar, com pelo menos uma dose, mais de 6,9 milhões de pessoas, das quais à volta de 6,2 milhões já têm o esquema vacinal completo, segundo os últimos dados das autoridades de saúde.

Aludindo apenas à população com 16 ou mais anos em Portugal continental, estima-se que já cerca de 82% tenha iniciado o seu esquema vacinal, sendo que, destes, 75% já terão a vacinação completa.

Diário de Notícias
Lusa
09 Agosto 2021 — 14:33

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

Suspensa modalidade “casa aberta” devido a problemas com vacinas da Janssen

SAÚDE/COVID-19/VACINA JANSSEN/SUSPENSÃO DE MODALIDADE “CASA ABERTA”

A suspensão temporária da vacinação sem agendamento devido à redução da disponibilidade de vacinas surge depois de ter sido interrompida a administração de doses de um lote da marca Janssen no Centro de Vacinação de Mafra.

© EPA/ETIENNE LAURENT

A modalidade “casa aberta” para a vacinação foi suspensa devido à redução da disponibilidade de vacinas, na sequência da interrupção de um lote da marca Janssen, anunciou esta quinta-feira a Task Force.

“Tendo em conta a suspensão de um lote de vacinas da marca Janssen, conforme divulgado por nota à imprensa do Infarmed de 14 de Julho, e a consequente redução na disponibilidade de vacinas, foi decidido suspender, de imediato, modalidade “casa aberta”, refere uma nota da Task Force da vacinação enviada às redacções.

A Task Force do plano de vacinação salienta que a modalidade “casa aberta” será retomada “logo que possível”.

A modalidade “casa aberta” estava disponível para a vacinação de primeiras doses de pessoas com 40 ou mais anos e que não tenham sido infectados com covid-19 nos últimos seis meses.

Segundo a Task Force, a ‘casa aberta’ permite assegurar que todas as pessoas elegíveis são chamadas ao processo de vacinação.

Na quarta-feira, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) anunciou a suspensão de um lote de vacinas da Janssen depois de utentes terem desmaiado após a toma da vacina no Centro de Vacinação Covid-19 de Mafra.

A Autoridade Nacional do Medicamento informou “que não foram reportadas, até à presente data, suspeitas de defeito de qualidade deste lote noutros centros de vacinação em que o mesmo está a ser utilizado”.

O Infarmed decidiu dar início a um processo de investigação da qualidade das unidades remanescentes da vacina naquele local de vacinação, assim como, suspender este lote até as devidas averiguações estarem concluídas”, pode ler-se num comunicado enviado à nossa redacção.

Os últimos números oficiais indicam que mais de 42% dos portugueses já têm a vacinação completa e 60% já tomou pelo menos uma dose.

Só esta semana foram administradas mais de um milhão de doses, o valor mais alto desde o início da campanha de vacinação contra a covid-19.

A pandemia de covid-19 já matou em Portugal 17.182 pessoas e foram registados 916.559 casos de infecção, de acordo com a Direcção-Geral da Saúde.

Actualizado às 12:25

Diário de Notícias
DN/Lusa
15 Julho 2021 — 11:47

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes