853: Internamentos disparam. Incidência sobe e R(t) está a 1,20 no continente

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES/INTERNAMENTOS/R(t)

Verificam-se mais 1.483 casos de covid-19 e cinco mortes, indica relatório da DGS. Há mais 46 pessoas hospitalizadas, elevando para 613 o número de internados, dos quais 136 doentes estão em unidades de cuidados intensivos.

Campanha de vacinação em Viana do Castelo
© Rui Manuel Fonseca/Global Imagens

Registaram-se, nas últimas 24 horas, 1.483 novos casos de covid-19 em Portugal, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS). O relatório desta segunda-feira (5 de Julho) indica que morreram mais cinco pessoas devido à infecção pelo novo coronavírus.

Os dados da autoridade nacional de saúde mostram que há um aumento significativo de hospitalizações. Verificam-se mais 46 doentes internados, elevando para 613 o número total. Nas unidades de cuidados intensivos, estão agora 136 pessoas (mais oito face a domingo).

Esta é a maior subida no número de internamentos desde 8 de Fevereiro, dia em que a DGS indicou que tinham sido hospitalizadas mais 93 pessoas.

No relatório foi também actualizado o índice de transmissibilidade, o denominado R(t), que regista uma subida. Passa de 1,16 para 1,19 a nível nacional e de 1,17 para 1,20 no continente.

A tendência crescente na incidência a 14 dias mantém-se, sendo que o valor deste indicador está agora nos 224,6 casos de infecção por SARS-CoV-2 por 100 mil habitantes a nível nacional e 231,0 casos se tivermos só em conta o território continental.

Na sexta-feira, a incidência da infecção em Portugal continental estava nos 194,2 casos por 100 mil habitantes, enquanto o valor para a totalidade do território se situava nos 189,4.

O índice de transmissibilidade e a incidência da infecção são os indicadores da matriz de risco, a partir da qual o Governo gere o processo de desconfinamento.

Portugal está na zona vermelha, no limite da matriz de risco.

© DGS

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com o maior número de novos casos (802), o que representa 54,08% do total nacional de novas infecções.

Portugal com 38.820 casos activos da doença

Verificaram-se mais 314 casos no Norte, 203 no Algarve, 93 no Centro e 24 no Alentejo. Os Açores registaram mais 32 diagnósticos e foram reportados 15 novos casos na Madeira.

Dos cinco óbitos registados em 24 horas, três ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo e os restantes no Norte e Algarve.

Três das vítimas mortais tinham mais de 80 anos e as restantes tinham entre os 60 e os 79 anos.

© DGS

Desde o início da pandemia, foram reportados em Portugal 890.571 casos de infecção, 17.117 mortes e 834.625 recuperados, dos quais 773 registados entre ontem e hoje.

A DGS indica também que há mais 1.142 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, são, no total, 59.442.

Actualmente, o país soma 38.829 casos activos da doença (mais 705 face ao dia anterior), indica ainda o relatório da DGS no dia em que o primeiro-ministro, António Costa, terminou o isolamento profilático, após contacto com um membro do gabinete que testou positivo à covid-19.

Também esta segunda-feira o Serviço Nacional de Saúde (SNS) informou que foram administradas mais de nove milhões de doses de vacinas contra a cocid-19 em Portugal continental.

O processo de inoculação está a acelerar no país, sendo que, desde domingo, as pessoas entre os 18 e os 29 anos começaram a ser vacinadas contra a covid-19 por ordem decrescente de idade, segundo a task force que coordena o plano de vacinação.

A convocação desta faixa etária é feita através do agendamento central, com os utentes a receberem uma mensagem SMS ou um telefonema dos serviços de saúde, mas o auto agendamento ficará, gradualmente, disponível até aos 18 anos.

Autorizado uso de exames da segunda fase para a primeira do concurso ao ensino superior

A Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior decidiu que os alunos impedidos de realizar exames nacionais, devido à covid-19 ou por doenças graves, vão poder usar os exames da 2.º fase como prova de ingresso na primeira fase dos concursos de acesso ao ensino superior.

Devido à pandemia de covid-19 que, entre outras situações, pode obrigar ao isolamento profilático de alunos que já estão em época de exames, a Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior decidiu criar esta medida excepcional para tentar minimizar “eventuais impactes discriminatórios”.

“Os exames finais nacionais do ensino secundário realizados na 2.ª fase de exames do ano lectivo 2020-2021 podem, a título excepcional, ser utilizados como provas de ingresso na 1.ª fase dos concursos de acesso e ingresso ao ensino superior de 2021-2022”, refere a deliberação publicada esta segunda-feira em Diário da República.

EUA estão perto de declarar a independência do “vírus mortal”, anuncia Biden

No plano internacional, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou, no domingo, que o país está “mais perto do que nunca” de declarar a sua independência do “vírus mortal”, referindo-se à pandemia do coronavírus.

“Hoje celebramos a América, a nossa liberdade, a nossa independência. O 4 de Julho é um dia sagrado no nosso país”, disse Biden no seu discurso por ocasião desta data patriótica, o Dia da Independência.

“Estamos a sair da escuridão de um ano de pandemia e isolamento”, acrescentou, que intitulou esta celebração como o “Dia da Independência e a independência da covid-19”.

Contudo, advertiu que a batalha contra a covid-19 ainda não terminou. “Temos muito trabalho a fazer”, disse Biden, que insistiu que o vírus “não foi derrotado”, recordando que surgiram variantes “poderosas” como o Delta, inicialmente detectado na Índia.

“Se ainda não foram vacinados, vacinem-se agora”, disse Biden, acrescentando: “Não queremos voltar ao ponto em que estávamos há um ano”.

Pandemia é responsável por 3,98 milhões de mortes

No que se refere aos dados mundiais da pandemia, a infecção por SARS-CoV-2 é responsável por, pelo menos, 3,98 milhões de mortes, desde que foram detectados os primeiros casos de covid-19 na cidade chinesa de Wuhan, em Dezembro de 2019, indica o balanço da agência de notícias AFP.

Os dados mostram que nas últimas 24 horas foram registados 6 466 mortos e 331 101 casos em todo o mundo. Os países com maior número de mortos foram o Brasil, com 830 óbitos, a Índia (723) e a Rússia (654).

No total, mais de 183 741 570 casos de infecção foram diagnosticados desde o início da pandemia. A grande maioria dos doentes recupera, mas uma parte ainda mal avaliada continua com sintomas durante semanas ou até meses.

Diário de Notícias
DN
05 Julho 2021 — 15:08

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

766: Há mais de três meses que Portugal não tinha tantos novos casos. Registadas 973 infecções num dia

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Registaram-se mais 973 casos de infecção e duas mortes devido à covid-19, indica o boletim epidemiológico da DGS. Número de internados sobe para 346, mais seis doentes em relação ao dia anterior.

Centro de vacinação de Matosinhos
© André Rolo / Global Imagens

Confirmados mais 973 casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS). O relatório desta terça-feira, 15 de Junho, refere que morreram mais duas pessoas devido à infecção por SARS-CoV-2.

Desde 6 de Março, quando se registaram 1007 contágios, que o número de novos casos de infecção não era tão alto.

Regista-se também um aumento no número de internamentos, sendo que há agora 346 pessoas com covid-19 hospitalizadas (mais seis em relação ao dia anterior), das quais 79 estão em unidades de cuidados intensivos (mais duas).

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com o maior número de novos casos. Num dia, foram reportados 629 diagnósticos de covid-19, o que representa mais de metade do total nacional de novas infecções (64,65%).

Logo a seguir surge o Norte com 147 casos de covid-19 reportados no relatório diário desta terça-feira.

Verificaram-se ainda mais 89 infecções no Centro, 36 no Algarve e 32 no Alentejo. Já na Madeira foram reportados mais 12 casos e nos Açores confirmaram-se 28 contágios em 24 horas.

As duas mortes ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo e na região Norte.

© DGS

No total, desde o início da pandemia, Portugal registou 859.045 diagnósticos de infecção pelo novo coronavírus, 17.049 óbitos e 816.503 recuperados da doença, dos quais 881 foram reportados entre ontem e esta terça-feira.

Há, portanto, 25.493 casos activos de covid-19, mais 90 em relação ao dia anterior.

Relatório da DGS indica ainda que há mais 1.830 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Há 241 surtos activos em Portugal continental

Também esta terça-feira, a DGS revelou que Portugal registava, na segunda-feira, 241 surtos activos em território continental, 81 dos quais em estabelecimentos de educação e ensinos, dados que contrastam com o máximo atingido em Fevereiro deste ano (921).

Mais de metade dos surtos activos registavam-se na segunda-feira na Região de Lisboa e Vale do Tejo, com 168, enquanto a Região Norte tinha 30 surtos, o Algarve 23, o Alentejo 13 e a região Centro sete, precisa a DGS numa resposta enviada à Lusa.

O coordenador do Governo para a covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo, Duarte Cordeiro, em declarações à RTP3, disse que “Lisboa já está acima do limite que permite recuar” no desconfinamento, ou seja, está acima dos 240 casos por 100 mil habitantes, no entanto “será a primeira semana” em que ultrapassou esta barreira.

Duarte Cordeiro disse que se o cenário em Lisboa se mantiver, o concelho pode recuar no desconfinamento já na próxima semana.

Quem tem 40 ou mais anos já pode agendar vacinação

A vacinação tem sido a principal estratégia no combate à pandemia e esta terça-feira já se tornou possível a quem tem 40 ou mais anos fazer o auto agendamento da toma da vacina contra a covid-19.

Para fazer a marcação basta aceder aqui, à plataforma de auto agendamento da Direcção-Geral da Saúde.

A task force que coordena o plano de vacinação em Portugal tinha anunciado que esta possibilidade estaria disponível na segunda-feira, mas apenas esta terça-feira o portal permite esse agendamento.

De referir que Portugal já ultrapassou os 6,5 milhões de vacinas administradas, das 4 330 244 primeiras doses e 2 242 562 segundas doses.

Apesar dos níveis de vacinação no país, a pandemia não terminou, alertou hoje o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes. “A batalha não está ganha”.

Esta batalha obviamente ainda não está ganha, eu vou ouvindo por aí muitas ideias de que parece que já passou e acho que essa ideia tem, muito sinceramente, que ser combatida de forma veemente”, defendeu na conferência TSF/DN sobre sustentabilidade em saúde.

“Mesmo com os níveis de vacinação que temos no país e a vacinação tem corrido francamente bem”, o secretário de Estado da Saúde reforça que “não quer dizer que tenha terminado”. “Muito menos quer dizer que já saibamos tudo o que temos para saber sobre esta pandemia”, refere.

UE ultrapassa meta de 300 milhões de doses de vacinas

Ainda no plano da vacinação, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou que a União Europeia (UE) ultrapassou esta terça-feira as 300 milhões de doses de vacinas da covid-19 administradas.

“Ultrapassámos os 300 milhões de vacinações na UE”, escreveu Von der Leyen, na sua conta na rede social Twitter, acrescentando: “a cada dia, aproximamo-nos do nosso objectivo de termos distribuído doses suficientes para vacinar 70% dos adultos no próximo mês”.

Segundo os dados mais recentes, 53,3% da população adulta na UE já recebeu pelo menos uma dose de vacina para a covid-19, tendo sido distribuídas 353 milhões de doses e administradas 299 milhões.

Diário de Notícias
DN
15 Junho 2021 — 14:31

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

688: Regresso à (quase) normalidade. Saiba tudo o que vai mudar

 

SAÚDE/COVID-19/SITUAÇÃO DE CALAMIDADE

Às 00.00 deste sábado o país passa de “estado de emergência” para “situação de calamidade”. A semântica indica um nível de risco mais grave. Mas não, é ao contrário – o nível de risco é mais leve. Saiba tudo o que pode mudar.

A vida em Portugal vai-se aproximando do que era normal antes da pandemia. Na foto, rua pedonal no centro de Braga
© HUGO DELGADO/LUSA

Antes de tudo: o uso de máscara permanece obrigatório?

Sim! Mas não se siga apenas pelo que lhe é imposto por lei. Faça disso um ato voluntário de bom senso. O uso de máscara limita, de facto, a propagação da pandemia.

Posso ir jantar fora no sábado ou no domingo?

Não é obrigatório – mas pode. Até agora os restaurantes só podiam abrir até às 13.00 aos fins de semana (e 22.00 durante a semana). Mas a partir deste sábado poderão funcionar todos os dias até às 22.30. No interior dos restaurantes (e similares) a lotação máxima passa a ser de seis pessoas por mesa; e nas esplanadas, dez.

Isto é assim no país todo?

Não. Há concelhos que, por causa da sua incidência pandémica alta, não avançam para esta quarta fase do plano de desconfinamento. São eles Miranda do Douro, Paredes, Valongo, Alzejur, Resende, Carregal do Sal e Portimão. E ainda há o caso de duas freguesias de Odemira (São Teotónio e Longueira/Almograve) que ficam sujeitas a cerca sanitária. A reavaliação destas situações passa a ser semanal (até agora era quinzenal).

Como vai ficar a obrigatoriedade do teletrabalho?

Até ao próximo dia 16 o teletrabalho será obrigatório em todos os concelhos do continente. A partir daí a situação irá variar consoante a incidência pandémica em cada concelho.

Tenho umas saudades infernais de dançar loucamente pela noite fora. Posso ir à discoteca?

Não. Os bares e discotecas continuam encerrados e não se sabe quando poderão reabrir.

Mas apetece-me tanto dançar…

Não é a mesma coisa, mas a verdade é que as actividades de grupo nos ginásios podem ser retomadas. Entre a zumba, as danças latinas ou o forró, é só escolher dentro do menu disponível no seu ginásio.

Também tenho muitas saudades de praticar luta greco-romana. Posso regressar ao ginásio?

Pode. Todos as práticas desportivas são de novo autorizadas e isso inclui as consideradas de “alto risco” (como é a luta greco-romana, por implicar contacto corpo a corpo).

Portanto, se me apetecer organizar uma futebolada com os amigos posso fazê-lo. Certo?

Certo.

E regressar ao estádio para ver o meu clube jogar?

Isso não. Os jogos vão continuar a realizar-se sem público e o primeiro-ministro já disse que esse deverá ser o cenário até ao final da época.

Gosto muito de várias igrejas portuguesas. Mas é na catedral de Santiago de Compostela que me sinto mais perto de Deus. Posso ir lá?

Pode. As fronteiras com Espanha serão reabertas este sábado às 00.00.

E se me apetecer ir a seguir a uma discoteca nas redondezas da catedral?

Não pode. Lá, como cá, as discotecas estão encerradas.

E ir petiscar polbo á feira [polvo à galega]?

Isso pode. Os restaurantes estão abertos. Há vários muito razoáveis nas ruas à volta da catedral.

Voltando a Portugal. Posso ir ao teatro?

Pode e deve. Os espectáculos culturais em geral – teatros, concertos, etc – também reabrem (com hora de encerramento igual à dos restaurantes, às 22.30). Faça isso já este sábado, se puder. A cultura foi dos sectores mais afectados pela pandemia, precisa urgentemente de espectadores. Os museus, palácios e monumentos também regressam aos horários habituais, com limite de encerramento às 22.30.

Além dos restaurantes e dos espectáculos culturais, como vai ser a situação no restante comércio?

Todas as lojas e centros comerciais poderão estar abertos até às 21.00 durante a semana e 19.00 aos fins de semana e feriados. Mas nunca se esqueça: o uso de máscara mantém-se obrigatório. Preserva também as distâncias.

Podem-se comprar bebidas alcoólicas num supermercado depois das 20.00?

Sim. A venda só era permitida até às 20.00 mas agora passa a ser até às 21.00. É possível consumir bebidas alcoólicas nos restaurantes (e similares) mas só acompanhando refeições.

Vamos voltar a ter nas praias as regras do ano passado?

Sem tirar nem pôr. Haverá “semáforos” a indicar os níveis de ocupação. Os utentes devem assegurar um distanciamento físico de 1,5 metros entre diferentes grupos e afastamento de três metros entre chapéus de sol, toldos ou colmos.

Apetece-me casar. Posso?

Tendo com quem, claro. Aliás, sempre pôde. Só que agora já lhe é permitido celebrar com amigos e família a seguir, no tradicional copo de água, desde que a lotação ocupada não seja superior a 50% da lotação máxima possível. O mesmo se aplica a baptizados e comunhões, por exemplo.

Diário de Notícias
João Pedro Henriques
30 Abril 2021 — 23:26

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]