1030: Estudo sugere que beber água pode ajudar a prevenir risco de insuficiência cardíaca

SAÚDE PÚBLICA/ÁGUA/INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

Quantidade recomendada de líquidos para homens é de cerca de 3,7 litros, enquanto para mulheres é de 2,7 litros

Beber oito copos de água por dia ao longo da vida pode ser o segredo para reduzir o risco de insuficiência cardíaca 25 anos depois, de acordo com uma nova investigação.

As descobertas, apresentadas a 24 de Agosto no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia de 2021, sugerem que manter uma boa hidratação pode desacelerar ou até mesmo evitar alterações no coração que levam à insuficiência cardíaca, disse a autora do estudo, Natalia Dmitrieva, investigadora do National Heart, Lung, and Blood Institute, que pertence ao National Institutes of Health (NIH) de Bethesda, Maryland, nos Estados Unidos.

“As descobertas indicam que precisamos prestar atenção à quantidade de líquido que consumimos todos os dias e agir se acharmos que bebemos muito pouco”, afirmou, em comunicado.

De acordo com as Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina norte-americanas, a quantidade recomendada de líquidos para homens é de cerca de 3,7 litros, enquanto para mulheres é de 2,7 litros, o que é válido para todas as bebida e até mesmo alimentos – 20 por cento da ingestão de líquidos surge a partir de alimentos sólidos – e não apenas água.

Uma forma de medir a hidratação é por meio do sódio sérico. Quanto menos líquidos alguém beber, maior será a concentração de sódio sérico. O sódio sérico acima da “faixa normal” de 135-145 mmol/l indica desidratação.

“No entanto, a concentração sérica de sódio permanece dentro de uma determinada faixa durante um longo período, o que provavelmente está relacionado com o consumo habitual de líquidos”, frisou Dmitrieva.

A insuficiência cardíaca ocorre geralmente quando o coração fica muito fraco ou rígido e causa falta de ar, fadiga e pernas e inchaços nos tornozelos.

Para este estudo, os investigadores realizaram análises a 15.792 adultos com idades entre 44 e 66 anos. Os participantes foram divididos inicialmente em quatro grupos, mediante a concentração média de sódio sérico de cada indivíduo. Para cada grupo, a equipa analisou a proporção de participantes que desenvolveram insuficiência cardíaca nos 25 anos seguintes.

Diário de Notícias
DN
01 Setembro 2021 — 23:25

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

376: Cientistas querem adicionar lítio à água potável para prevenir suicídios

CIÊNCIA/SAÚDE MENTAL

Daria Shevtsova / Pexels

Cientistas britânicos encontraram uma relação entre áreas geográficas com água potável pública com altos níveis de lítio e menores taxas de suicídios.

Uma equipa de cientistas britânicos propôs uma ideia inovadora para prevenir suicídios: adicionar lítio à água potável da população. A conclusão deriva de um novo estudo publicado recentemente na revista científica British Journal of Psychiatry, que encontrou uma forte relação entre áreas geográficas com altos níveis de lítio na água potável pública e menores taxas de suicídio.

“É promissor que níveis mais elevados de vestígios de lítio na água potável possam exercer um efeito anti-suicida e ter o potencial de melhorar a saúde mental da comunidade”, diz o autor principal do estudo, Anjum Memon, num comunicado de imprensa citado pela VICE.

O isolamento e o stress económico causados pela covid-19 podem levar a um aumento de suicídios nesta altura de pandemia.

“Nestes tempos sem precedentes da pandemia de covid-19 e o consequente aumento da incidência de problemas da saúde mental, descobrir maneiras de melhorar a saúde mental da comunidade e reduzir a incidência de ansiedade, depressão e suicídio é cada vez mais importante”, acrescentou Memon, coordenador de epidemiologia na Brighton and Sussex Medical School.

O estudo é resultado de uma meta-análise de três décadas de investigação em vários países. Os cientistas sugerem que as capacidades de “protecção” do lítio podem ser testadas no abastecimento de água em comunidades com alta prevalência de condições de saúde mental e risco de suicídio.

“Lítio na água potável pode ter o potencial de reduzir o risco de suicídio e pode possivelmente ajudar na estabilização do humor, particularmente em populações com taxas de suicídio relativamente altas e áreas geográficas com uma faixa maior de concentração de lítio na água potável”, escrevem os investigadores.

Os cientistas ainda não percebem ainda como é que o lítio pode alterar o humor, mas suspeitam que estimule o crescimento de células nervosas.

Ainda assim, a quantidade de lítio ingerida através da chamada água da torneira é muito menor do que aquela consumida em alimentos e água mineral. Nos Estados Unidos, a ingestão média diária de lítio proveniente de alimentos varia entre 650 e 3.100 microgramas.

Devido às suas propriedades electro-condutoras, o lítio tem sido usado como componente em baterias e telemóveis.

ZAP //

Por ZAP
12 Agosto, 2020

 

184: Beba água às refeições

O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detetados sinais claros do estado de desidratação, especialmente em populações idosas e crianças.
O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detectados sinais claros do estado de desidratação, especialmente em populações idosas e crianças.

Sabia que está comprovado que as pessoas bebem mais água quando esta tem algum sabor? E que o envelhecimento tende a dissociar a sensação de sede do nível de líquidos no organismo, facto que leva adultos mais velhos a desidratar sem darem conta?

O RITUAL: Por regra, acompanhe as suas refeições principais com água, incluindo os vários tipos de água com sabores disponíveis, em vez de bebidas alcoólicas ou refrigerantes, que reserva apenas para as ocasiões especiais.

O papel fundamental que a água desempenha nos mais diversos sistemas do nosso organismo e na manutenção de funções vitais é do senso comum. Contudo, não é raro serem detectados sinais claros do estado de desidratação, mesmo que a níveis sub clínicos – especialmente em populações idosas e crianças. Isto pode e deve ser evitado pois é causa de pior qualidade de vida, traduzida em cansaço prematuro, dores de cabeça, pele seca e cieiro, entre outros sintomas que às vezes se atribuem a outros factores.

Nem sempre a implementação de estratégias para a ingestão de vários copos de água ao longo do dia resulta. Ora porque o transporte de água para o trabalho é esquecido, ora porque os muitos afazeres desviam a atenção da necessidade de ingestão de água, ora porque…, a realidade é que muitas pessoas têm episódios frequentes de sede, um dos sintomas a evitar. As refeições são por isso uma oportunidade ideal para se hidratar, mas não às custas da ingestão excessiva de álcool ou açúcar.

Assim, o ritual que lhe propomos é adoptar a ingestão habitual de água à refeição. Pense que ao ingerir dois copos de água a cada uma das principais refeições, bem como um copo de água ao acordar e outro ao deitar, terá obtido uma parte significativa das recomendações diários de líquidos, que rondam entre 1,5-2 litros por dia.

A CONSIDERAR:

  • Se não aprecia beber água natural às refeições, experimente adicionar-lhe algumas gotas de limão, chá, ou beber águas com sabor! Conseguirá bebidas saborosas com poucas ou nenhumas calorias.
  • Varie o tipo de águas e varie entre água da torneira e águas minerais naturais engarrafadas, não só pela variedade de minerais mas também pela variedade de sabores – todas sabem diferente.
  • Experimente filtros de água disponíveis no mercado, desde as versões portáteis (em recipientes próprios) até às que se instalam nas torneiras da cozinha – vai surpreender-se com a melhoria no sabor e evitar alguns poluentes correntes na água canalizada.
  • Se não deseja abdicar dos refrigerantes, aprecie-os mas escolha versões sem calorias (com edulcorantes, também conhecidos por adoçantes).
  • Ou, para as versões calóricas de refrigerantes ou sumos (que muitas vezes são demasiado doces) opte por diluí-los em água, fazendo “render” uma bebida para duas pessoas!

In Rituais

[vasaioqrcode]

118: Levantada interdição de banhos nas praias de Lisboa

Irritação cutânea

Fotografia © Carlos Santos/Global Imagens
Fotografia © Carlos Santos/Global Imagens

A Agência Portuguesa de Ambiente (APA) levantou hoje a interdição de banhos nas praias de Santo Amaro de Oeiras, Carcavelos, Torre e São João da Caparica, que tinha sido decidida depois de relatos de casos de irritação cutânea.

O levantamento da interdição foi decidido por não ter sido detectada uma relação causal entre a presença de micro-algas e as situações de irritação cutânea que foram registadas em várias praias.

Em conferência de imprensa, o presidente da APA, Nuno Lacasta, garantiu que não há contaminação das águas da Grande Lisboa e adiantou que estão a ser recolhidas amostras em várias praias, como Carcavelos, Santo Amaro, Torre, São João e CDS/São João da Caparica.

A prática de banhos pode assim ser retomada ainda que ao abrigo de medidas de protecção, recomendando a lavagem com água doce para as populações mais vulneráveis, como crianças e pessoas com alergias.

In Diário de Notícias online
15/07/2013
por Lusa, texto publicado por Sofia Fonseca

117: Banhos desaconselhados em 4 praias da área de Lisboa

Agência do Ambiente

A Agência Portuguesa do Ambiente desaconselhou a prática de banhos nas praias de Santo Amaro de Oeiras, Carcavelos, Torre e São João da Caparica durante o dia de hoje, principalmente por parte de crianças e pessoas com mais sensibilidade.

Numa nota enviada às redacções, a APA explica que a medida preventiva tem como alvo aquelas quatro praias da Área Metropolitana de Lisboa e surge depois de “relatos pontuais de comichão na pele, por parte de banhistas, após contacto com a água do mar” nas praias de Santo Amaro de Oeiras e São João da Caparica.

“Relatos (…) que indicam podermos estar perante casos semelhantes aos registados nas praias de Carcavelos e da Torre”, o que faz a APA manter para segunda-feira, dia 15, “as medidas preventivas adoptadas para as praias da área Metropolitana de Lisboa”.

“Assim, é desaconselhada a prática de banhos nas quatro praias mencionadas, especialmente por parte de crianças e pessoas com maior sensibilidade, devendo ser consultados os nadadores salvadores, nas restantes praias, em particular para comunicação de eventuais ocorrências”, diz a APA.

A Agência Portuguesa do Ambiente adianta que se trata de medidas preventivas, “prevendo-se para breve a normalização da situação”, já que está a ser feita uma monitorização “de forma permanente” e articulada com as respectivas autarquias e a Autoridade Marítima.

Acrescenta ainda que durante o dia de segunda-feira poderão ser conhecidos os resultados das análises laboratoriais que irão permitam identificar a origem destas ocorrências.

Fonte da Capitania de Lisboa disse hoje à Lusa que tinham surgido dois novos casos de alergias nas praias de São João e do CDS, na Costa de Caparica.

Assim que foram conhecidos os dois casos, foram içadas as bandeiras amarelas e os nadadores-salvadores foram informados de que deveriam avisar as pessoas que pretendessem entrar na água.

A mesma fonte disse ainda que em relação aos casos registados na semana passada nas praias da linha de Cascais, os resultados laboratoriais mostraram que havia “uma concentração de micro-algas que aumentou mas estavam mortas”.

In Diário de Notícias online
15/07/2013
por Agência Lusa, publicado por Susana Salvador

Praia de Santo Amaro de Oeiras
Praia de Santo Amaro de Oeiras
Praia da Torre - Oeiras
Praia da Torre – Oeiras
Praia de Carcavelos
Praia de Carcavelos
Praia de São João da Caparica
Praia de São João da Caparica

Mais resultados de análises à água de Carcavelos previstos para hoje

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) conta ter hoje ao final do dia mais resultados das análises feitas à água da praia de Carcavelos, Cascais, onde os banhos estão desaconselhados desde quarta-feira, disse à Lusa fonte da instituição.

dd03052012_02

A praia de Carcavelos foi interditada a banhos na quarta-feira à tarde, depois de vários banhistas terem apresentado «queixas de prurido» após saírem do mar.

No mesmo dia, a Polícia Marítima levantou a interdição a banhos na praia naquela praia do concelho de Cascais. No entanto, desde então desaconselhou a entrada no mar a pessoas «mais sensíveis».

In Diário Digital online
12/07/2013 | 12:18
Diário Digital / Lusa