572: Há 15 dias que aumenta o número de internados: já são quase 5.000

 

 

SAÚDE/COVID-19

Registaram-se 152 óbitos nas últimas 24 horas e há mais 10.385 infectados em Portugal com o novo coronavírus. Estão internadas 4.889 pessoas, mais 236 que ontem.

© AFP

O boletim epidemiológico da Direcção Geral da Saúde (DGS) deste domingo regista mais 152 óbitos por covid-10 e 10 385 novos infectados. Ontem o país bateu o recorde de mortes (166) e de novos casos.

É o 10º dia seguido com mais de 100 mortes diárias. O total de óbitos pelo novo coronavírus em Portugal é agora de 8 861.

Portugal totaliza até agora 549 801 casos de infectados desde o início da pandemia (Março de 2020).

Os internamentos sobem há quase 15 dias consecutivos. De acordo com o boletim deste domingo, há agora quase 5000 pessoas (4 889 pessoas) internadas em enfermaria com covid-19, mais 236 do que na véspera.

Portugal passou assim a barreira dos 4 500 internados e nunca houve tantas pessoas internadas em unidades de cuidados intensivos. Portugal tem este domingo 647 doentes em UCI, mais 9 do que o dia anterior.

A maior parte dos novos casos de infeção está na faixa etária dos 40 aos 49 anos, sendo que as três faixas etárias mais jovens concentram um terço das novas infecções.

Há mais mulheres infectadas (302 185 contra 247 437) , mas a mortalidade é superior nos homens (4 608 contra 4253). A esmagadora maior das mortes regista-se nas faixas etárias acima os 80 anos.

Continua a ser a Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLSVT) com o maior número de aumento de mortes (mais 59 nas últimas 24 horas), seguida da Região Norte, com mais 33, em relação a sábado.

No entanto, é a Região Norte a ter, desde início da pandemia, a ter o número mais elevado de infectados (256 208 contra 184 063 na RLVT) e de mortos (3 718, contra 3 174 na RLVT).

Na região Centro já morreram 1 402 pessoas com o novo coronavírus, no Alentejo 400 e no Algarve 119.

Nas últimas 24 horas recuperaram desta doença mais 4 387 pessoas, com um total de 406 929 desde o início da pandemia.

Neste domingo, está sob vigilância um total de 161 120 pessoas, mais 5 719.

Os dados recolhidos entre 2 e 6 de Janeiro dizem que o valor médio do R(t) em Portugal se fixou nos 1,22, o que significa que cada doente covid-19 estava a infectar em média mais do que uma pessoa. Porém, quando esse valor for actualizado deve ser bem superior uma vez que os casos diários têm subido vertiginosamente, passando a barreira das 10 mil infecções diárias.

Médicos alertam para situação “insustentável”

“É absolutamente insustentável o que se está a passar na prestação de cuidados, é uma situação dramática. Acho que é essa a descrição possível”, afirmou o presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, lembrando que, “infelizmente os alertas dos hospitais e de todos os envolvidos não são de agora, [já vêm] até [de] antes do Natal”.

Neste sábado, o Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, apresentava um total de 169 doentes com covid-19 internados, dos quais 18 em cuidados intensivos, com a unidade hospitalar a admitir um “cenário de pré-catástrofe”, caso a situação se mantenha.

O director do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), Daniel Ferro, disse que o hospital de Santa Maria está em “sobre esforço” e que a adaptação aos picos de atendimento “tem limites”, estando a trabalhar além da capacidade instalada.

Para o presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, “não é surpreendente que haja de facto pressão”.

“O que acontece é que estamos a atingir um nível insustentável e isso tem muito que ver com aquilo que foi acontecendo”, afirmou.

Embora o país esteja no início de um novo confinamento, “a realidade é que na prática, olhando para a rua e vendo o que se vai passando, há de facto uma grande mobilização das pessoas na rua, etc.” e “acaba por ser difícil combater a pandemia com esta situação”, considerou.

2ª dose da vacina para profissionais de saúde

Entretanto, o Ministério da Saúde anunciou que começam este domingo a ser administradas as segundas doses das vacinas contra a covid-19 aos quase 30 mil profissionais de saúde de contextos prioritários de hospitais e cuidados de saúde primários.

A 27 de Dezembro iniciou-se a primeira fase da vacinação contra o vírus SARS-CoV-2, abrangendo os profissionais dos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central, que receberam a vacina desenvolvida pela Pfizer-BioNTech.

Desde então e até sexta-feira, cerca de 106 mil pessoas já foram vacinadas em Portugal continental, incluindo também utentes e funcionários de lares de idosos.

A primeira fase do plano, até final de Março, abrange também profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos. Nesta fase, serão igualmente vacinadas, a partir de Fevereiro, pessoas de idade igual ou superior a 50 anos com pelo menos uma das seguintes patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório e/ou oxigeno-terapia de longa duração.

A segunda fase arranca a partir de Abril e inclui pessoas de idade igual ou superior a 65 anos e pessoas entre os 50 e os 64 anos, inclusive, com pelo menos uma das seguintes patologias: diabetes, neoplasia maligna activa, doença renal crónica, insuficiência hepática, hipertensão arterial, obesidade e outras doenças com menor prevalência que poderão ser definidas posteriormente, em função do conhecimento científico.

Na terceira fase, será vacinada a restante população, em data a determinar. As pessoas a vacinar ao longo do ano serão contactadas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Diário de Notícias
DN
17 Janeiro 2021 — 14:17