652: Há vacinas portuguesas contra a covid-19, mas entraves limitam o seu desenvolvimento

 

 

SAÚDE/COVID-19/VACINAS MADE IN PORTUGAL

asiandevelopmentbank / Flickr

Há duas vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento no nosso país. No entanto, há entraves que limitam o seu desenvolvimento.

Em Março, a investigadora Teresa Summavielle estimou que o desenvolvimento de uma vacina portuguesa contra a covid-19 custaria cerca de 45 milhões de euros, sendo necessário investir mais 100 milhões numa infra-estrutura para passar à fase de produção.

“Precisaríamos de cerca de 45 milhões de euros para termos uma vacina que passasse os ensaios clínicos e fosse aprovada. Para uma fase de produção em massa, precisamos de infra-estruturas dedicadas”, adiantou a bioquímica do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3s), num debate promovido pelos eurodeputados do Bloco de Esquerda.

De momento, há pelo menos duas vacinas em desenvolvimento no nosso país, escreve o jornal ECO. A da Immunethep e a da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, em conjunto com a Universidade de Telavive, em Israel. A primeira destaca-se das outras por ser de administração intra-nasal, como alguns medicamentos para a asma.

Os dois fármacos teriam um preço semelhante ao praticado no mercado, isto é, cerca de 10 euros.

A vacina da Immunethep está a acabar a fase pré-clínica, enquanto a vacina da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa terminou agora os estudos pré-clínicos.

Para avançar para a próxima fase, Bruno Santos, CEO da Immunethep, diz que são precisos cerca de 20 milhões de euros. A investigadora da Faculdade de Farmácia, Helena Florindo, diz que para a primeira das três fases dos ensaios clínicos estima precisar de aproximadamente 3 milhões de euros, mas o valor aumenta para as dezenas de milhões nas fases seguintes.

Além disso, há um outro entrave. “Neste momento não existe qualquer capacidade para a produção da vacina em Portugal”, atira Bruno Santos, argumentando que este deve ser um esforço feito.

A Immunethep está em contacto com parceiros estrangeiros para conseguir avançar. A Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa também já iniciou contactos com empresas na Europa e nos Estados Unidos.

Por Daniel Costa
5 Abril, 2021

– Engraçado! Para a banca falida existe disponibilidade de MILHÕE$ de €uros! Para a vacina portuguesa… Portugal pode ser um país pequenino em área (existem outros ainda menores), mas a sua pequenez não se mede pela sua superfície territorial mas pela pequenez das mentalidades que o têm gerido.

 

 

 

651: Escolas, esplanadas, comércio. Saiba tudo o que muda nesta 2.ª feira

 

 

SAÚDE/DESCONFINAMENTO

Desde esta segunda-feira (5), o país entra numa nova etapa do desconfinamento, com destaque para o regresso das aulas do 2.º e 3.º ciclos, abertura de esplanadas e algum comércio mediante regras.

Esta segunda-feira Portugal entra numa nova fase de desconfinamento, que se vai prolongar até ao dia 15 de Abril, com destaque para a abertura das escolas com ensino presencial para o 2.º e 3.º ciclos, que se juntam aos alunos do 1.º ciclo e às crianças em creches e pré-escolar, que já tinham regressado à escola a 15 de Março. Mas a partir da meia-noite desta segunda-feira abrem também os estabelecimentos de restauração e similares para serviço em esplanadas, com um limite de quatro pessoas por grupo.

Em relação à livre circulação entre concelhos no continente português só será possível após as 0.00 horas de terça-feira. A proibição de circulação entre os 278 municípios do continente foi já aplicada por várias vezes no âmbito do combate à pandemia de covid-19. A medida está actualmente em vigor, neste período de Páscoa, desde a sexta-feira passada e até às 23:59 de segunda-feira.

O que muda esta segunda-feira

– Levantamento da suspensão das actividades lectivas dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, em regime presencial, nos estabelecimentos de ensino públicos, particulares e cooperativos e do sector social e solidário;

– Levantamento da suspensão das actividades, em regime presencial, de apoio à família e de enriquecimento curricular, bem como actividades prestadas em centros de actividades de tempos livres e centros de estudo e similares, para os alunos que retomam as actividades lectivas nos termos da alínea anterior;

– Levantamento da suspensão das actividades de equipamentos sociais na área da deficiência, designadamente nos centros de actividades e capacitação para a inclusão;

– Levantamento da suspensão das actividades de apoio social desenvolvidas em centros de dia, sem prejuízo do disposto no n.º 2 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de Março, na sua redacção actual;

– Levantamento da suspensão de actividades dos estabelecimentos de comércio a retalho e de prestação de serviços em estabelecimentos abertos ao público que disponham de uma área de venda ou prestação de serviços inferior a 200 metros quadrados que tenham entrada autónoma e independente pelo exterior;

– Permissão do funcionamento dos ginásios e academias, desde que sem aulas de grupo;

– Abertura de museus, monumentos, palácios e sítios arqueológicos ou similares, nacionais, regionais e municipais, públicos ou privados, bem como galerias de arte e salas de exposições;

– Abertura de estabelecimentos de restauração e similares para serviço em esplanadas abertas, com um limite de quatro pessoas por grupo. Os estabelecimentos de restauração e similares podem funcionar até às 22.30 nos dias úteis. Mas aos sábados, domingos e feriados têm de encerrar às 13.00;

– Permissão do funcionamento de feiras e mercados, para além de produtos alimentares, mediante autorização do presidente da câmara municipal territorialmente competente, de acordo com as regras fixadas;

– Permissão de actividade física e desportiva de baixo risco, nos termos das orientações específicas da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

O decreto-lei que regulamenta a renovação do estado de emergência até 15 de Abril foi publicado no sábado à noite em Diário da República e entra em vigor às 00:00 horas desta segunda-feira.

O 14.º estado de emergência foi decretado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a 25 de Março, após a autorização do parlamento, com votos a favor de PS, PSD, CDS-PP e PAN e a abstenção do BE.

“Apesar da avaliação epidemiológica identificar 19 municípios em que a incidência é superior a 120 casos por 100 mil habitantes, a estratégia de levantamento de medidas de confinamento ocorrerá em todo o território continental, incrementando o acompanhamento das medidas de saúde pública naqueles municípios”, refere o texto.

Na apresentação do plano deste novo confinamento, António Costa salientou a necessidade de “assegurar que os casos que existem são identificados e isolados, e as cadeias de transmissão isoladas para que daqui a 15 dias não estejam nesta situação e possam avançar com o resto do País”. «Para já, neste momento, o avanço será igual em todos os concelhos do País, acrescentou o primeiro-ministro.

O que está previsto a partir de 19 Abril

– Ensino secundário
– Ensino superior
– Cinemas, teatros, auditórios, salas de espectáculos
– Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação todas as lojas e centros comerciais, restaurantes, cafés e pastelarias (máximo 4 pessoas ou 6, por mesa, em esplanadas) até às 22.00 ou 13.00 ao fim-de-semana e feriados
– Modalidades desportivas de médio risco
– Actividade física ao ar livre até 6 pessoas e ginásios sem aulas de grupo
– Eventos exteriores com diminuição de lotação
– Casamentos e baptizados com 25% de lotação

O que está previsto a partir de 3 Maio

– Restaurantes, cafés e pastelarias (máximo 6 pessoas ou 10, por mesa, em esplanadas) sem limite de horários
– Todas as modalidades desportivas
– Actividade física ao ar livre e ginásios
– Grandes eventos exteriores e eventos interiores com diminuição de lotação
– Casamentos e baptizados com 50% de lotação

Diário de Notícias
Nuno Fernandes
04 Abril 2021 — 20:09