457: Constipações sazonais podem ajudar a prevenir a covid-19

 

 

SAÚDE/COVID-19/CONSTIPAÇÕES

tinafranklindg / Flickr

Uma nova investigação sugere que as constipações sazonais passadas podem fornecer alguma protecção contra a covid-19 e até aumentar a duração da imunidade ao vírus que provoca a doença respiratória.

O novo estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista mBio, é o primeiro a demonstrar que o vírus que causa a covid-19, o SARS-CoV-2, induz células B de memória no organismo do doente. Estas são células imunes de longa vida que detectam patogénicos, criam anticorpos para destruí-los e têm capacidade de os recordar no futuro.

Da próxima vez que o mesmo patogénico tentar entrar no corpo da pessoa, estas células podem entrar em acção de forma ainda mais rápida, visando eliminar a infecções ainda antes de esta proliferar, explica o portal Futurity.

Como este tipo de células pode sobreviver por décadas, estas podem proteger os sobreviventes da covid-19 de infecções posteriores por um longo período, mas são ainda necessárias mais investigações para comprová-lo.

Mas os cientistas descobriram mais: o estudo é também o primeiro a demonstrar que a reactividade cruzada das células células B – isto é, as células que antes atacaram outros coronavírus causadores de constipações, pareciam também reconhecer o SARS-CoV-2.

Esta descoberta leva os cientistas a acreditar que qualquer pessoa que tenha sido causada por um coronavírus comum pode ter algum tipo de imunidade pré-existente contra o vírus que causa a covid-19, que já matou mais de 2.000 pessoas em Portugal.

“Quando analisamos as amostras de sangue de pessoas que estavam a recuperar-se da covid-19, pareciam que muitas delas tinham um pool de células B de memória pré-existente que poderia reconhecer o SARS-CoV-2 e produzir rapidamente anticorpos que poderiam atacá-lo”, disse o autor principal do estudo, Mark Sangster, professor de microbiologia e imunologia na Universidade Médica de Rochester, nos Estados Unidos.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas compararam amostras de sangue de 26 pessoas que estavam a recuperar da covid-19 com manifestações da doença leves e moderadas com 21 doadores saudáveis cujas amostras foram recolhidas há seis ou dez anos – muito antes de serem expostas ao SARS-CoV-2.

O que a investigação não mostra é o nível de protecção dado pelas células B de memória, nem como é que estas afectam os resultados dos pacientes. “Esse é o próximo passo”, disse David Topham, professor de microbiologia e imunologia que dirige o laboratório que conduziu os procedimentos experimentais deste estudo.

E acrescenta: “Agora precisamos de ver se este pool de células B de memória pré-existentes se correlaciona com sintomas mais leves e com uma duração mais curta da doença – ou se ajuda a aumentar a eficácia das vacinas contra a covid-19″.

ZAP //

Por ZAP
9 Outubro, 2020

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...