352: Tecnologia ajuda pacientes de Alzheimer a recuperar a memória

 

SAÚDE/ALZHEIMER

Vielight
Neuro RX Gamma

Uma nova tecnologia semelhante a uns headphones pode ajudar a reverter os sintomas da doença de Alzheimer. O dispositivo aponta luz directamente para as regiões responsáveis pela memória no cérebro.

Uma empresa canadiana criou uma tecnologia que se pode revelar bastante útil para pacientes com a doença de Alzheimer, já que pode ser capaz de restaurar a memória das pessoas. Os cientistas responsáveis pela inovação acreditam que o brilho da luz directamente nas áreas do cérebro danificadas pela doença pode reverter o Alzheimer.

O dispositivo, chamado Neuro RX Gamma, assemelha-se a uns headphones e aponta luzes LED para o cérebro através do nariz e do crânio. Segundo o Tech Explorist, a tecnologia é adequada a um uso doméstico, não é invasiva e foca-se na região do cérebro responsável pela memória.

A luz infravermelha é enviada através de quatro díodos posicionados sobre o couro cabeludo e um posicionado dentro da narina. Os cientistas sugerem que a luz melhora as mitocôndrias que fornecem energia às células e estimula o cérebro a activar células imunes que combatem doenças e tentam livrar-se delas.

O Neuro RX Gamma aprimorou as habilidades de escrita e leitura, recuperou a memória, melhorou o sono, ansiedade e stress, reduziu o mau humor e aumentou o desenvolvimento cognitivo.

Além disso, em experiências iniciais, a inovação mostrou reverter os sintomas de Alzheimer, livrar-se de proteínas tóxicas acumulados no cérebro e melhorar as células responsáveis pela memória. Caso isto se confirme nos ensaios clínicos, esta será a primeira tecnologia capaz de reverter a doença.

ZAP //

Por ZAP
26 Abril, 2020


 

351: Uso frequente de desinfectante de mãos pode aumentar a resistência antimicrobiana

 

 

SAÚDE/CORONAVÍRUS

agenciasenado / Flickr

Melhores práticas de higiene pessoal são fundamentais para evitar a disseminação do novo coronavírus. No entanto, o uso excessivo de desinfectante para as mãos pode trazer consequências.

Desde o início da pandemia de coronavírus, cientistas e governos têm aconselhado as pessoas sobre as melhores práticas de higiene para se protegerem. Esse conselho levou a um aumento significativo na venda e no uso de produtos de limpeza e desinfectantes para as mãos. Infelizmente, estas instruções raramente vêm com conselhos sobre como usá-los com responsabilidade ou sobre as consequências do uso indevido.

Mas, tal como no uso indevido de antibióticos, o uso excessivo de produtos de limpeza e desinfectantes para as mãos pode levar à resistência anti-microbiana das bactérias.

Há uma preocupação de que o uso repentino e excessivo destes produtos durante a pandemia possa levar a um aumento no número de espécies bacterianas resistentes que encontramos. Isto colocaria uma pressão maior nos nossos sistemas de saúde já em dificuldades, potencialmente levando a mais mortes. Além disso, o problema pode continuar muito depois de a pandemia actual terminar.

Anti-microbianos são importantes para a nossa saúde, já que nos ajudam a combater infecções. No entanto, alguns organismos podem mudar ou sofrer mutações após serem expostos a um anti-microbiano. Isto torna-os capazes de suportar os medicamentos projectados para matá-los.

Os processos que levam à resistência anti-microbiana são muitos e variados. Uma via é através da mutação. Algumas mutações ocorrem após o ADN da bactéria ter sido danificado. Isto pode acontecer naturalmente durante a replicação celular ou após a exposição a produtos químicos tóxicos, que danificam o ADN da célula. Outra via é se a bactéria adquire genes resistentes de outra bactéria.

Geralmente (e correctamente) associamos a resistência anti-microbiana ao uso indevido de medicamentos, como antibióticos. Isto pode aumentar a probabilidade das cepas de bactérias mais resistentes numa população sobreviverem e multiplicarem-se.

Mas as bactérias também podem adquirir resistência após o uso inadequado ou excessivo de certos produtos químicos, incluindo agentes de limpeza. Diluir agentes desinfectantes ou usá-los de forma intermitente e ineficiente pode oferecer uma vantagem de sobrevivência para as cepas mais resistentes. Em última análise, isto leva a uma maior resistência.

Os “especialistas” da Internet e das redes sociais oferecem conselhos sobre como fazer desinfectantes caseiros para as mãos que, segundo eles, podem matar o vírus. Para a maioria destes produtos, não há evidências de que sejam eficazes. Também não há consideração sobre possíveis efeitos adversos do seu uso.

Por ZAP
21 Abril, 2020

 

 

350: Pessoas com diabetes tipo 2 e doenças cardíacas podem beneficiar de novos tratamentos

 

SAÚDE/DIABETES

sonofabike / Flickr

A diabetes tipo 2 afecta as opções de tratamento para pacientes com doença arterial coronária e diabetes tipo 2, de acordo com uma nova declaração científica da American Heart Association, publicada esta quarta-feira na revista Circulation.

Isto oferece uma visão geral dos mais recentes avanços no tratamento de pessoas com ambos os problemas e detalha as complexidades no seu atendimento.

“Estudos científicos recentes mostraram que pessoas com diabetes tipo 2 podem precisar de tratamentos médicos e cirúrgicos mais agressivos ou diferentes em comparação com pessoas com doença arterial coronária que não têm diabetes”, disse Suzanne Arnold, presidente do grupo de redacção científica.

“O que aprendemos na última década é como controlar os níveis de glicose tem uma enorme influência no risco cardiovascular. A redução de açúcar no sangue para um determinado nível não é suficiente”, acrescenta Arnold.

Agora o paciente deve ser avaliado quanto ao risco pessoal de doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e doença renal. Estas informações combinadas e a idade do paciente devem ser usadas para determinar as terapias apropriadas para reduzir a glicose, concluem os cientistas.

Durante muitos anos, reduzir a glicose para níveis saudáveis foi considerado o objectivo mais importante do tratamento para a diabetes tipo 2.

A metformina é a medicação mais frequentemente recomendada para o tratamento inicial para reduzir a glicose em pessoas diagnosticadas com diabetes tipo 2. No entanto, a declaração científica realça que investigações mais recentes indicam que várias novas classes de medicamentos podem reduzir a glicose e reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

Para adultos mais velhos, reduzir um pouco o controlo glicémico pode ser benéfico, pois pode reduzir o risco de hipoglicemia – quando os níveis de glicose ficam muito baixos.

“A hipoglicemia é incrivelmente dura para o coração e deve ser evitada principalmente em pacientes mais velhos. Devemos garantir que estamos a avaliar todas as opções em consideração para o paciente, tendo em mente que o que pode ser apropriado para uma pessoa de 60 a 70 anos é provável que não seja para uma de 85 anos“, explicou Arnold, citado pelo EurekAlert. Com alguns medicamentos, como metformina, o risco de hipoglicemia pode ser reduzido.

Impedir que o sangue coagule também é um objectivo importante no tratamento da doença arterial coronária. “A aspirina, que é um anticoagulante, pode ser apropriada para muitas pessoas com doença arterial coronária, mas pode não funcionar tão efectivamente em pessoas com também têm diabetes tipo 2”, lê-se na declaração.

ZAP //

Por ZAP
19 Abril, 2020

 

 

349: O segredo para aumentar a sua esperança de vida pode estar escondido na cozinha

 

SAÚDE

danicuki / Flickr

O azeite na dieta mediterrânea pode ser a chave para melhorar a sua esperança de vida e mitigar doenças relacionadas com o envelhecimento.

Nos Estados Unidos, a dieta mediterrânea é um dos planos de alimentação saudável mais recomendados pelas Directrizes Dietéticas oficiais para promover saúde e prevenir doenças crónicas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) também reconhece esta dieta como um padrão alimentar saudável e sustentável.

Um recente estudo, levado a cabo por investigadores da Universidade de Minnesota e da Ionis Pharmaceuticals, nos Estados Unidos, sugere que a gordura do azeite extra-virgem aumenta a vida útil e previne doenças relacionadas com o envelhecimento.

A dieta mediterrânea é caracterizada por uma abundância de alimentos vegetais (frutas, vegetais, cereais e legumes) e o azeite é a principal fonte de gordura. Os lacticínios devem ser consumidos em quantidades baixas a moderadas, enquanto que a carne vermelha deve ser consumida apenas em pequenas quantidades.

Apesar de esta investigação concluir que o azeite aumenta a longevidade e previne doenças, Doug Mashek, principal autor do estudo publicado na Molecular Cell, alerta que consumir esta gordura “não é o suficiente para obter todos os benefícios” para a saúde.

De acordo com o Sci-News, o artigo científico sugere que os efeitos do consumo de azeite extra-virgem são potencializados quando combinados com menor ingestão calórica e exercício físico.

O próximo passo é testar estes benefícios em seres humanos, com o objectivo de desenvolver novos fármacos ou adaptar os regimes alimentares para melhorar a saúde, tanto a curto quanto a longo prazo.

“Queremos entender a biologia e depois traduzi-la para seres humanos, na esperança de mudar o paradigma da saúde, no qual alguém vai a oito médicos diferentes para tratar os oito diferentes distúrbios”, rematou Mashek.

ZAP //

Por ZAP
18 Abril, 2020

 

348: Novo tratamento mostra eficácia quase total no alívio da depressão

 

SAÚDE

fmgbain / Flickr

Um novo tratamento revelou uma eficácia de 90% no alívio dos sintomas da depressão. Os investigadores alegam que esta técnica apresenta melhores resultados em comparação com os tratamentos convencionais.

Estima-se que uma em cada quatro mulheres e um em cada dez homens possam ter crises de depressão em alguma fase da sua vida e as crianças também podem ser afectadas. Alguns dos tratamentos mais comuns são algo limitados, passando por terapia ou antidepressivos. Uma alternativa pode ser a estimulação magnética transcraniana (EMT).

Uma nova investigação mostra que esta técnica não-invasiva, que usa campos electromagnéticos para estimular células nervosas no cérebro, pode ser altamente eficaz no tratamento da depressão. Os cientistas alegam ter uma forma de EMT mais rápida e direccionada para tratar a depressão.

A equipa de investigadores baptizou-a de Stanford Accelerated Intelligent Neuromodulation Therapy (SAINT). Esta nova técnica mostrou ter uma eficácia de 90% no tratamento de 21 pacientes com depressão profunda. O estudo foi publicado esta terça-feira na revista científica American Journal of Psychiatry.

“Esta é realmente uma maneira de activar uma região do cérebro que foi desactivada pela depressão de uma maneira personalizada”, disse à Inverse a co-autora Nolan Williams, neuro-psiquiatra da Universidade de Stanford.

“Parte do meu trabalho como médico especializado em depressão é dar esperança às pessoas. Acho que é isso que mantém as pessoas vivas que sofrem de depressão crónica resistente ao tratamento. Certamente, isto deve dar a todos a esperança de que isso, ou algo parecido, esteja a chegar”, acrescentou.

Normalmente, a EMT requer seis semanas de sessões diárias. No entanto, com a SAINT, ao longo de cinco dias, os participantes foram submetidos a dez sessões de dez minutos por dia, com intervalos de 50 minutos.

Em média, três dias de tratamento eram suficientes para os participantes se sentirem aliviados da depressão. Cansaço e dores de cabeça foram efeitos colaterais sentidos pelos participantes, mas que acabavam por não durar por muito tempo.

É muito mais dramático do que qualquer coisa que vimos com antidepressivos orais ou tratamentos de depressão convencionais”, atira o autor principal, Nolan Williams.

ZAP //
Por ZAP
11 Abril, 2020

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...