204: Guia para enfrentar a gripe

 

Quando meio País está a fungar e o pico da epidemia prestes a ser atingido, saiba o que fazer para passar pela doença sem traumas. A VISÃO dá-lhe as respostas para as perguntas mais frequentes

visao30012015COMO SABER SE TENHO GRIPE?

No adulto, a gripe manifesta-se por início súbito de mal-estar, febre alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça e tosse seca. Pode também ocorrer inflamação dos olhos. Nos bebés, a febre e prostração são as manifestações mais comuns. Os sintomas gastrintestinais (náuseas, vómitos, diarreia) e respiratórios (laringite, bronquiolite) são frequentes. A otite média pode ser uma complicação frequente no grupo etário até aos 3 anos. Na criança maior os sintomas são semelhantes aos do adulto.

A GRIPE É MAIS SEVERA ESTE ANO?

Até agora, o vírus que predomina, nas amostras analisadas pelo Instituto Nacional de Saúde, tem sido do tipo B, que causa infecções mais suaves. No entanto, em 32% dos casos a infecção foi causada pelo subtipo A (H3), um vírus associado a taxas de internamento mais elevadas e a maior mortalidade em idosos e crianças com patologias crónicas. Além disso, a maior parte das estirpes A em circulação não estão contempladas na vacina da gripe. O Influenza sofreu mutações e ‘fintou’ as previsões dos especialistas, feitas no final do inverno passado. De qualquer modo, uma pessoa vacinada tem sempre alguma protecção.

QUANDO SERÁ ATINGIDO O PICO?

A epidemia de gripe foi declarada, em Portugal, há três semanas. O pico deverá ser atingido no início de Fevereiro. No último boletim, divulgado pelo Instituto Nacional de Saúde, a incidência era de 122,4 casos por cem mil habitantes e havia 29 pessoas internadas nos cuidados intensivos por infecção pelo Influenza.

COMO EVITÁ-LA?

De Novembro a Março, no hemisfério norte, é sempre época de gripe. A melhor forma de escapar é: vacinar-se, evitar o contacto com pessoas contaminadas e lavar as mãos com frequência.

QUAL O PERÍODO DE CONTÁGIO?

Um dia antes de surgirem os sintomas e até sete dias depois de terem começado, há risco de contágio. Os vírus espalham-se pela tosse, espirros e material usado pelos engripados, como os lenços de papel, ou superfícies com que tenham estado em contacto.

A VACINA DA GRIPE PROVOCA SINTOMAS DA DOENÇA?

Não. A vacina contém vírus inactivados, que não podem causar a doença. Algumas pessoas manifestam, no entanto, dores musculares e febre ligeira.

POR QUE RAZÃO A VACINA DEVE SER TOMADA TODOS OS ANOS?

No final de Fevereiro, a Organização Mundial de Saúde, em colaboração com especialistas de todo o mundo, estima quais as estirpes que serão dominantes na época de gripe seguinte. A vacina inclui normalmente dois vírus de tipo A e um de tipo B. Todos os anos, as estirpes circulantes mudam. Além disso, a imunidade conferida pela vacina não dura a vida toda, ao contrário da imunidade natural, adquirida quando se tem a doença. Devem ser vacinadas as pessoas com mais de 65 anos e os doentes crónicos, com asma ou diabetes.

DEPOIS DE TER TIDO GRIPE, JÁ NÃO VOLTO A TER ESTE ANO?

Pode voltar a ter. Todos os anos, há várias dezenas de estirpes do vírus em circulação. Só fica protegido contra aquela que lhe causou a doença. Ou seja, pode ser infectado por uma estirpe diferente.

VALE A PENA TOMAR VITAMINA C?

Um estudo feito em 2010 veio clarificar a crença antiga de que a vitamina C ajuda a tratar gripes e constipações. O antioxidante não evita as constipações, no entanto, diminui num dia ou dois a duração das mesmas. De qualquer modo, isto só acontece preventivamente. Começar a tomar vitamina C depois dos primeiros sintomas não faz diferença nenhuma. Só quem pratica desporto muito intenso, como os maratonistas, é que apresenta um benefício claro na toma.

TER FEBRE É MAU?

A subida da temperatura corporal é sinal de que o sistema imunitário está a trabalhar para eliminar a infecção. Havia a ideia de que a febre impede os micróbios de se desenvolverem. Um estudo recente, feito no Instituto americano Roswell Park Cancer, veio clarificar o assunto: A temperatura elevada ajuda o nosso sistema imunitário a trabalhar mais e melhor, aumentando a produção e actividade de um tipo de linfócitos, capaz de destruir células infectadas por vírus e até células tumorais. De qualquer modo, a recomendação continua a ser tomar antipiréticos caso haja um grande desconforto.

A GRIPE TRATA-SE COM ANTIBIÓTICOS?

A gripe é uma infecção viral, causada pelo vírus Influeza, e cabe ao sistema imunitário combatê-lo. Em alguns casos, de pessoas com sistema imunitário mais frágil ou com patologias crónicas, pode ser necessário tratar a gripe com um dos dois anti-virais disponíveis no mercado. Os antibióticos servem exclusivamente para tratar infecções causadas por bactérias. O que acontece, por vezes, é a gripe baixar as defesas do organismo, abrindo a porta à entrada de bactérias que causam otites ou pneumonias – que exigem, de facto, antibiótico.

COMO A DISTINGUIR DE UMA CONSTIPAÇÃO?

Os vírus que causam uma a outra são diferentes. As constipações vão-se instalando aos poucos, com nariz entupido, espirros, olhos húmidos, irritação da garganta e dor de cabeça. Raramente ocorre febre alta ou dores no corpo. A gripe surge de forma repentina e normalmente obriga a ‘ir à cama’ durante dois a três dias. As complicações da gripe podem levar ao internamento hospitalar. O diagnóstico é feito a partir dos sintomas. No entanto, em alguns casos, por questões de saúde pública, para se conhecer as estirpes circulantes, ou em pacientes com complicações, pode ser colhido material biológico, na orofaringe, por exemplo, que permite identificar o vírus mediante testes de laboratório.

COMO ENFRENTAR GRIPES E CONSTIPAÇÕES?

A regra básica é reduzir o desconforto. Fique em repouso, em casa, para limitar o contágio e ajudar o corpo a combater a infecção. Mantenha-se hidratado, bebendo muita água e sumos de fruta. Isto ajuda o sistema imunitário a combater a infecção e a repor os fluidos perdidos pelo nariz e tosse. Evite café, bebidas gaseificadas ou energéticas. O álcool também deve ser evitado já que causa desidratação. Use soluções salinas, como soro fisiológico, não fume e evite locais com fumo. Tome paracetamol e ibuprofeno para reduzir o mal estar, a febre e as dores do corpo. Lave as mãos com frequência e reduza os contactos sociais. Em caso de dúvida, ligue para a Saúde 24 (808 24 24 24). Se os sintomas não melhorarem ao fim de cinco a sete dias, consulte o médico.

QUANTO É QUE SE GASTA EM PORTUGAL PARA TRATAR ESTAS INFECÇÕES?

De acordo com os dados da consultora IMS Health, os portugueses gastaram quase três milhões de euros só no mês de Dezembro em paracetamol -o medicamento mais vendido no segmento designado como produtos para constipações. Logo a seguir vêm os anti-histamínicos, com dois milhões de euros.

QUAL TEM SIDO O IMPACTO DA GRIPE NA LINHA DE SAÚDE 24?

A linha de saúde pública foi reforçada, tendo sido criado um centro de atendimento para síndrome gripal, em Coimbra, a 26 de Janeiro. Em 2015, as queixas mais comuns têm sido: cefaleia, diarreia, dor abdominal, dor torácica, problema nasal, problema no ouvido, problemas da orofaringe, problemas urinários, tosse e vómito. A média diária de chamadas atendidas, em 2014, foi de 1 800. Agora está nos 2 200, e com tendência a subir.

O INFLUENZA PODE MATAR?

Nas primeiras semanas do ano, ocorreram mil mortes acima do esperado, o que a Direcção Geral da Saúde atribui ao frio e à epidemia de gripe. Estes factores levam a que os doentes crónicos, cardíacos ou diabéticos, bem como os idosos, entrem em descompensação. Todos os anos, morrem à volta de 1 500 pessoas por causa da gripe.

Jornal Visão online
14:36 Quinta feira, 29 de Janeiro de 2015
Sara Sá (artigo publicado na VISÃO 1143 de 29 de Janeiro)

203: Turno da noite pode ter consequências bem mais graves do que os sonos trocados

 

Bastam cinco anos em turnos nocturnos rotativos para se verificar uma redução da esperança média de vida e um aumento do risco de morrer de acidente cardiovascular. E as mulheres são as mais afectadas

visao16012015Um estudo recente publicado na revista científica American Journal of Preventive Medicine, chegou à conclusão que as mulheres que trabalham em turnos nocturnos rotativos durante cinco anos ou mais experienciam não só uma redução da média de vida, como também aumentam o risco de morrer de acidente cardiovascular. O estudo salienta ainda que aquelas que trabalham 15 anos ou mais na mesma situação estão mais propensos a morrer de cancro de pulmão.

Os cientistas definiram como turno rotativo “trabalhar pelo menos três noites por mês, para além dos dias ou fins de tarde desse mesmo mês”.

Para a realização desta investigação a equipa monitorizou cerca de 75 mil mulheres enfermeiras nos Estados Unidos, a quem interrogaram sobre o número de anos que trabalharam nesse regime.

Das observações retiradas do estudo feito entre 1988 e 2010, a primeira nota é a de que cerca de 14.200 mulheres enfermeiras morreram nesses 22 anos analisados, o que representa 11% na redução do tempo médio de vida. O risco de morte por acidente cardiovascular era de 19% nas mulheres que fizeram esse turno entre seis a 14 anos; e a percentagem dos que trabalharam nesse regime durante 15 ou mais anos subiu para 23%. As mulheres que trabalharam em turno rotativo da madrugada durante mais de 15 anos tinham, por outro lado,  um risco em morrer por cancro de pulmão 25% superior.

Investigações anteriores já haviam feito a ligação entre os turnos da noite e o decréscimo na qualidade da saúde. A Organização Mundial de Saúde comparou em 2007 os turnos da noite aos riscos cancerígenos presentes no tabaco. Esta relação foi explicada pela associação deste trabalho ao aumento de problemas cerebrais e de coração.

In Visão online
16:45 Sexta feira, 16 de Janeiro de 2015

202: Utentes do SNS com acesso facilitado a dados clínicos, exames ou receitas

 

Cidadãos vão ter chave digital para entrar na plataforma de dados da saúde e poder aceder ao processo clínico, consultar o boletim de saúde dos filhos ou até pedir a isenção de taxas moderadoras. Protocolo é assinado esta quinta-feira.

"O utente vai poder combinar uma conversa por videoconferência com o médico ou o enfermeiro ou mostrar exames, por exemplo, e tudo de forma gratuita", antecipa o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde /  Tiago Miranda

“O utente vai poder combinar uma conversa por videoconferência com o médico ou o enfermeiro ou mostrar exames, por exemplo, e tudo de forma gratuita”, antecipa o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde / Tiago Miranda

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai facilitar a entrada dos utentes na plataforma de dados da saúde, permitindo-lhes consultar os seus dados clínicos, aceder ao receituário, ver exames, consultar o boletim de saúde dos filhos ou até pedir a isenção de taxas moderadoras. O acesso será feito a partir de uma chave móvel digital, que vai poder ser pedida gratuitamente em centros de saúde e hospitais públicos.

Para ter a porta aberta no SNS virtual, a funcionar no Portal do Utente e onde já é possível marcar consultas para o médico de família, o utilizador apenas terá de ser titular de um cartão do cidadão válido, possuir um telemóvel e fazer um registo presencial, único, numa unidade de saúde aderente. O protocolo, entre a Saúde e a Modernização Administrativa, é assinado esta tarde e é o ponto de partida para que os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) inicie a distribuição dos equipamentos, no caso leitores do cartão do cidadão, aos centros de saúde e hospitais.

A chave digital vem facilitar um processo que já havia dado os primeiros passos, incluindo em outros serviços da administração pública a funcionar na Internet, mas sem grande sucesso. Para aceder às funcionalidades disponíveis era necessário ter um leitor de cartões do cidadão, equipamento que tem estado sobretudo limitado às empresas.

Ao Expresso, os responsáveis da SPMS adiantaram que o Portal do Utente já é utilizado diariamente para solicitar seis mil pedidos de consultas nos cuidados primários, um serviço possível de requerer sem necessidade de autenticação do utente. Um dos passos seguintes será o da videoconferência. “O utente vai poder combinar uma conversa por videoconferência com o médico ou o enfermeiro ou mostrar exames, por exemplo, e tudo de forma gratuita”, antecipa o presidente da SPMS, Henrique Martins.

“Para o SNS, o interesse em ter um acesso facilitado à plataforma de dados da saúde é poder educar a população e promover a saúde”, salienta o responsável. “E no caso dos centros de saúde, por exemplo, aumentar a adesão dos utentes a esta ferramentas e até ao médico de família”, acrescenta.

In Expresso online
Vera Lúcia Arreigoso
12:50 Quinta feira, 15 de Janeiro de 2015

201: Alheira de Mirandela pode ser um bom alimento para os doentes renais

 

Um médico prescrever uma alheira para a dieta de um doente renal pode parecer estranho, mas numa clínica de hemodiálise de Mirandela é isso que vai acontecer. A clínica pegou na receita e adaptou o enchido às necessidades de quem padece da doença.

tsf13012015O alimento foi apresentado hoje e resulta de um desafio lançado pela empresa Tecsam, responsável pela unidade de Mirandela, à Faculdade de Ciências de Nutrição do Porto, que encontrou o que procurava na receita original da alheira à base de aves criada pelos judeus e que ao longo dos tempos foi sendo adaptada à tradições transmontanas da carne de porco.

Os promotores prometem, a partir da terra da famosa alheira de Mirandela, criar um alimento que pode também ajudar a atenuar o problema de subnutrição de proteínas de que padecem alguns doentes renais em hemodiálise, por não comerem carne e peixe.

A responsável pelo estudo para o projecto produtos alimentares adaptados a doentes em hemodiálise, Olívia Pinho, confessou que quando foi confrontada com o desafio hesitou por lhe parecer um contra-senso dar alheira, um enchido gordo e salgado, a estes doentes. As desconfianças desapareceram depois de a empresa de Mirandela lhe ter apresentado a ideia que surgiu da dificuldade em alimentar os hemodialisados, que ficam com um baixo teor de proteína, com perda de músculo e por vezes desnutrição.

A investigadora analisou várias alheiras produzidas nesta região de Trás-os-Montes e encontrou aquela que tem o ponto certo para estes doentes: um enchido à base de carne de aves, com azeite, pão e ervas aromáticas, em vez da carne de porco, banha e alho. É uma alheira que tem menos potássio e sódio, que estes doentes não podem ingerir. A investigadora alerta, contudo que «tem de se ter muito cuidado e alguma vigilância sobre os restaurantes que vão aderir» e «atenção à quantidade» que os doentes vão ingerir.

Os produtores vão poder comercializar este enchido com um rótulo adaptado a chamar a atenção de que pode ser consumido por estes doentes.

O administrador da empresa responsável pelo centro de hemodiálise, Nunes Azevedo, explicou como surgiu esta ideia e que o novo produto já foi experimentado entre os cerca de 100 doentes que fazem tratamento nesta unidade.

As conclusões deste trabalho serão apresentadas no congresso português de nefrologia e na Associação europeia de diálise e transplante.

In TSF online
Publicado em 13/01/2015 às 22:32

Falhas de memória? “Investigação sem precedentes” aponta dedo a molécula

 

Descoberta é determinante para o Alzheimer, doença incurável caracterizada pela perda de memória, nomeadamente “para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento da demência mais comum”.

rr13012015Uma equipa de duas dezenas de investigadores de Portugal, Holanda, Estados Unidos e China acaba de identificar o “possível responsável pelo surgimento de problemas de memória”.

A equipa descobriu que “os receptores A2A para a adenosina” têm “um papel crucial no surgimento de problemas de memória”, anunciou a Universidade de Coimbra, esta terça-feira.

A adenosina é a “molécula que funciona como sinal de stress no funcionamento de vários sistemas do organismo, especialmente no cérebro”.

Esta é uma “investigação sem precedentes”, sublinha a universidade, adiantando que o estudo, envolvendo especialistas da Faculdade de Medicina e do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC, vai ser publicado no Molecular Psychiatry, “o mais importante jornal internacional da área da psiquiatria”.

A investigação, desenvolvida com “modelos animais (ratinhos) saudáveis”, permitiu verificar, pela primeira vez, que o funcionamento em excesso dos receptores A2A (“localizados na membrana dos neurónios”) é “suficiente para causar distúrbios na memória”, salienta a mesma nota.

Para conseguir a máxima precisão na informação sobre o comportamento dos ratinhos durante as experiências, os especialistas de Coimbra envolvidos no estudo criaram “um dispositivo inovador para, através da utilização de uma técnica de optogenética (técnica que não existe na natureza e que utiliza a luz para actuar e controlar ocorrências específicas em sistemas biológicos), activar este receptor de adenosina e controlar de forma única o comportamento dos circuitos neuronais”.

Assim, “no exacto momento em que os modelos animais desempenhavam as tarefas de memória, foi possível verificar, inequivocamente, que uma simples activação intensa do receptor A2A era suficiente para provocar danos no circuito e gerar problemas de memória”, explica Rodrigo Cunha, coordenador da equipa portuguesa.

Esta descoberta é determinante para o Alzheimer, doença incurável caracterizada pela perda de memória, nomeadamente “para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento da demência mais comum”, sustenta o mesmo responsável.

“Os investigadores já sabem o caminho a seguir”, conclui Rodrigo Cunha, recordando que “seis anteriores estudos epidemiológicos (alguns europeus) distintos” já tinham confirmado que “o consumo de cafeína diminui a probabilidade de desenvolver Alzheimer e que age sobre os receptores A2A (a cafeína liga-se aos receptores e impede o perigo)”.

In Rádio Renascença online
13-01-2015 10:04

199: Enquanto dorme, o seu smartphone pode ajudar a encontrar a cura para o Alzheimer

 

Com a aplicação Folding@home, os smartphones aproveitam o tempo em que estão inactivos para ajudar a perceber melhor as causas do Alzheimer e do cancro da mama.

Agora, o seu smartphone já não precisa de ficar parado enquanto carrega ou durante a noite: pode contribuir para encontrar curas e tratamentos para doenças desde o cancro da mama ao Alzheimer. A solução é da Universidade de Princeton, em colaboração com a Sony, que trazem o projecto Folding@home para os smartphones Android.

Compreender a forma como as proteínas se dobram é essencial para perceber o desenvolvimento de doenças como o Alzheimer, a fibrose cística, e mesmo vários cancros. Mas é um processo que ainda requer muito poder de computação: um computador sozinho demoraria cerca de 60 anos a simular a dobragem de apenas uma proteína, que acontece em curtas fracções de segundo. No entanto, com 10 mil smartphones a trabalhar em conjunto oito horas por dia, o mesmo processo poderia ser simulado em três meses.

Foi o que pensou Vijay Pande, químico da Universidade de Stanford que começou o projecto Folding@home (Dobragem em casa) para recrutar computadores por todo o mundo para colaborar na compreensão da dobragem, ou enovelamento, das proteínas. Quando um computador com o software instalado não está a ser usado, junta-se em rede a milhares de outros para colaborar no projecto de simulação de dobragem. Em parceria com a Sony, em 2007 este projecto chegou mesmo à Playstation 3.

Agora, com os smartphones cada vez mais poderosos, o passo seguinte era claro para Pande: levar o Folding@home para os telemóveis. “Há imensas pessoas com telefones mesmo poderosos, e se os conseguirmos usar eficientemente abrimos lugar para algo incrível”, disse Pande, em comunicado.

Para colaborar, basta instalar a aplicação Folding@home, que para já está apenas disponível para telefones Sony Xperia, mas que deverá chegar a todos os utilizadores de Android ainda no princípio deste ano. A aplicação faz com que o telefone trabalhe no projecto de simulação quando está inactivo.

O primeiro projecto do Folding@home para telemóveis tem a ver com o cancro da mama, e procura-se simular a forma como diferentes estruturas proteicas reagem a diferentes medicamentos para combater o cancro, o poderá ajudar a encontrar tratamentos mais adequados e eficazes. Quando esse projecto estiver concluído, vai ser lançado um dedicado ao Alzheimer.

O enovelamento de proteínas e as doenças

As proteínas cumprem muitas funções diferentes no corpo humano: compõem os ossos e os vasos sanguíneos, ajudam o sistema imunitário a identificar ameaças, fazem mover os músculos, e interpretam sinais sensoriais. Mas, para desempenharem estes papéis, primeiro têm que se dobrar, para adquirirem a estrutura adequada à função que vão desempenhar.

Este processo de dobragem é muito rápido. Em pequenas fracções de segundo, entre um milésimo e um milionésimo de segundo, a proteína adquire uma forma diferente. Quando este processo corre mal, crê-se que pode dar origem a doenças, desde Alzheimer à fibrose cística, do enfisema pulmonar ao cancro.

Perceber a dobragem não é fácil, porém, porque os computadores demoram muito tempo a simular o processo. É por isso que a computação distribuída é útil: juntando milhares de computadores, já foi possível simular a dobragem de várias proteínas nos últimos anos, mesmo daquelas que demoram mais tempo a dobrar-se, como a ACBP, que demora 10 milisegundos.

In Diário de Notícias online
por DN.pt
13/01/2015

O meu contributo para este processo a nível global:

0-seti-proteina

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Visit Us On TwitterVisit Us On Pinterest