85: Levantada interdição às praias da Costa de Caparica

 

As praias da Morena, da Sereia e da Hula-Hula, na Costa de Caparica, já não estão interditadas devido à presença de inúmeras alforrecas.

A interdição às três praias da Costa de Caparica, onde foram localizadas inúmeras caravelas portuguesas (medusas) no mar, já terminou, mas as autoridades vão manter-se alerta durante o dia de hoje, revelou a Polícia Marítima.

“Está a ser um dia até agora tranquilo e normal. As praias neste momento não estão já interditadas e é colocada a bandeira normal de acordo com a avaliação do mar”, disse à Lusa fonte da Polícia Marítima.

A mesma fonte adiantou que irão manter-se em alerta durante o dia de hoje e provavelmente durante mais alguns dias e, caso sejam novamente avistadas caravelas portuguesas, os procedimentos repetem-se e as praias poderão ser novamente encerradas.

Nessa altura, explicou a fonte, hasteia-se a bandeira vermelha e retiram-se as pessoas da água, sendo que com esta indicação, os banhistas estão proibidos de entrar no mar e podem ser autuados se o fizerem.
Polícia Marítima e nadadores em alerta

A fonte da Polícia Marítima adiantou que a avaliação foi feita por esta autoridade juntamente com os nadadores salvadores das praias através de “uma avaliação na água”.

As praias da Morena, da Sereia e da Hula-Hula foram encerradas na sexta-feira à tarde devido ao crescente número de caravelas portuguesas nas águas e depois de uma criança ter sido queimada ao tocar num destes animais.

A mesma fonte disse ainda que tanto a Polícia Marítima como os nadadores salvadores daquelas praias se vão manter em alerta durante o dia de hoje para o caso de voltarem a ser avistadas as caravelas portuguesas.

In Expresso online
10:56 Sábado, 25 de Agosto de 2012

84: Alforreca perigosa fecha praias da Costa

 

AVISO: Cuidado com estes bichos que estão a chegar à nossa costa. Neste post, anunciei a perigosidade deste tipo de “alforrecas”. Mais tarde, o jornal Expresso online, informava que a notícia do aparecimento deste tipo de medusas era falso e não davam às costas portuguesas

Email que alerta para medusas tóxicas é falso

A medusa existe… mas muito longe da costa portuguesa…

Alerta para o aparecimento nalgumas praias de uma medusa azul, potencialmente fatal, é uma mensagem sem fundamento, que regressa todos os Verões.

Se receber um email com tom alarmista, dando conta do aparecimento em algumas praias da costa portuguesa de uma estranha medusa, muito perigosa ou mesmo fatal, não vale a pena assustar-se.

Fonte do Instituto de Higiene e Medicina Tropical garantiu ao Expresso que o conteúdo deste email – com direito a fotografias em anexo – reaparece todos os Verões, mas não tem qualquer fundamento.

Ainda que, sob o ponto de vista da espécie, a informação nele constante corresponda à verdade – a medusa azul referida é extremamente tóxica, vive “a milhares de quilómetros da nossa costa”, em águas quentes, como na Austrália e Califórnia e “quando surge nas praias, estas são fechadas ao público” -, não é de todo verdade que estes seres vivos esteja a dar à costa em Portugal.

In Expresso online
17:36 Segunda feira, 6 de Agosto de 2012

Pois é… Essa cambada de estúpidos ignorantes cai por terra com esta nova notícia…

Uma criança de cinco anos foi levada para o hospital após contacto com uma caravela portuguesa, na praia Morena, na Costa da Caparica. Esta é uma espécie de alforreca com tentáculos de mais de dez metros e que em contacto com a pele provoca uma forte reacção alérgica.

A criança estava na praia Morena, perto da conhecida praia do Waikiki. Nas praias em redor foi hasteada a bandeira vermelha e os banhistas foram forçados a sair da água.

Um dos nadadores salvadores presentes na praia do Infante explicou que o aparecimento das medusas nestas águas se deve ao aumento da temperatura do mar. E muitas vezes as correntes marítimas arrastam-nas para a praia, podendo por isso haver contactos com os banhistas.

Recorde-se que na quinta-feira sete pessoas foram encaminhadas para o hospital depois de entrarem em contacto com alforrecas perigosas na Praia do Malhão, em Vila Nova de Milfontes.

Rara, mas perigosa

Em causa esteve o organismo conhecido por caravela portuguesa, que apesar do nome não costuma estar em águas lusas.

A caravela portuguesa é «uma das alforrecas mais perigosas que existem, mas raramente aparecem na costa continental portuguesa», conta ao SOL Carlos Sousa Reis, especialista em biologia marinha.

De acordo com o biólogo, esta espécie é constituída por uma estrutura emersa em forma de vela, de cor azulada e apresenta alguma transparência, à qual estão ligados tentáculos, que podem chegar aos 15 metros. Estão cobertos por milhares de células que possuem substâncias irritantes que em contacto com a pele libertam «veneno», que provoca dores intensas e imediatas.

Saiba o que fazer

Em caso de contacto físico, Carlos Reis deixa alguns conselhos. «Deve colocar-se compressas de água do mar e vinagre para alíviar a dor. Não se deve utilizar água doce ou álcool, provocam o aumento da libertação do veneno, também não convém esfregar a área atingida».

O manuseamento deste tipo de espécie marinha deve ser feito de «forma indirecta, evitando qualquer contacto directo», mesmo quando se encontrem no areal, pois «a toxina permanece activa ainda que o animal fique exposto ao sol várias horas», realça o especialista.

O Comandante do Instituto de Socorros a Náufragos, Nuno Leitão, aconselha todos os banhistas a «sempre que avistarem na praia este tipo de hidromedusas, ou que sejam picados, a dirigirem-se de imediato ao nadador salvador da respectiva praia».

In SOL online
24/08/2012
por Francisco Alves e Hugo Alegre

83: Água Antes de Dormir

 

E-mail recebido que se transcreve de seguida:

Cerca de 90% dos ataques de coração ocorre de manhã cedo e podem ser minimizados se tomarmos um ou dois copos de água (NÃO bebida alcoólica ou cerveja) antes do repouso da noite.

Eu sabia que a água é importante, mas nunca soube sobre as horas especiais para bebê-la. Bebendo água na hora correta, maximizas a sua efectividade no corpo humano:

– 1 copo de água depois de acordar – ajuda a activar os órgãos internos.
– 1 copo de água 30 minutos antes de uma refeição – ajuda a digestão.
– 1 copo de água antes de tomar um banho – ajuda a baixar a pressão sanguínea.
– 1 copo de água antes de ir para a cama – evita um derrame cerebral ou
ataque de coração.

Por favor, passa isto para as pessoas com as quais te preocupas…

Eu acabo de fazê-lo!!!…

Bobble, uma garrafa que filtra a água enquanto se bebe

 


A bobble, a garrafa que tem revolucionado os hábitos de consumo de água em todo o mundo, acaba de chegar a Portugal. Graças a um engenhoso filtro de carbono, a bobble replica a experiência de transformar a simples água da torneira em água limpa, fresca e potável, sem incorrer em custos significativos.

A bobble pode encontrar-se em três tamanhos, (385 ml, 550 ml e 1 lt), e a sua forma icónica foi desenhada por Karim Rashid, uma lenda do design industrial.

A bobble é reutilizável – cada filtro pode ser utilizado 300 vezes – e criada para que seja um acessório de uso diário.

«Todos adoramos água engarrafada. Mas os nossos hábitos de consumo de água são simplesmente insustentáveis, tanto do ponto de vista ecológico como pela perspectiva financeira», afirma Richard Smiedt, fundador da bobble.

«Dedicámo-nos a desenhar uma garrafa que melhorasse o gosto da água do serviço público a um ponto em que os consumidores pudessem abrir a torneira em vez de abrir a carteira. A nossa garrafa de filtrar patenteada, atingiu esse objectivo», acrescenta.

A bobble assume-se como um produto saudável, económico, reutilizável e ecológico.

Os preços variam entre os 9,99 euros (385ml) e os 14,99 euros (1 lt). Cada filtro custa 9 euros. A garrafa está à venda online em www.lojastation.com.

E agora, não é demais ver com muita atenção o vídeo que se segue…

Estudo associa aromatizante de pipocas a doença de Alzheimer

 

Um estudo da Universidade de Minnesota (EUA) sugere que o aromatizante que dá o sabor artificial de manteiga às pipocas de micro-ondas pode aumentar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

O composto diacetil estimula a acumulação de proteínas beta-amiloides, que ajudam a desenvolver a doença.

Os cientistas descobriram que o diacetil pode facilmente penetrar na chamada «barreira sangue-cérebro», que impede que substâncias tóxicas entrem no cérebro.

Além disso, o aromatizante também impediu uma proteína-chave (glioxalase), que protege as células nervosas, de chegar ao cérebro.

Os pesquisadores ressalvam, porém, que a pesquisa concentrou-se em operários altamente expostos ao composto e que é preciso mais estudos. Entretanto, fabricantes de pipoca de micro-ondas estão a retirar o diacetil dos produtos.

In Diário Digital online
13/08/2012 | 10:56

Estudo revela que resistência à quimioterapia é provocada pelo próprio tratamento

 

Idaho National Laboratory no Flickr

A resistência à quimioterapia, que afecta nove em cada dez pessoas com um tumor sólido metastizado, é afinal causada pelo próprio tratamento anticancerígeno, revela um estudo publicado hoje na revista científica Nature Medicine.

Cientistas do centro de investigação oncológica “Fred Hutchinson”, em Seatle, EUA, escrevem que a quimioterapia leva as células cicatrizantes que rodeiam o tumor a produzir uma proteína que acaba por ajudar o cancro a resistir ao tratamento.

O próximo passo, dizem os investigadores, será encontrar uma forma de bloquear este efeito.

Segundo o estudo, cerca de 90% dos doentes com cancros sólidos – como o da mama, da próstata, do pulmão ou do cólon – que se espalharam pelo corpo (metastizados) desenvolvem resistências à quimioterapia.

Este tratamento é normalmente dado a intervalos para que o corpo do doente não seja prejudicado pela sua toxicidade, mas estes períodos permitem que as células tumorais recuperem e desenvolvam resistências.

A investigação centrou-se na reacção que a quimioterapia provoca nos fibroblastos, células que desempenham um papel importante na cicatrização e na produção de colagénio.

Segundo os investigadores, a quimioterapia danifica o ADN e leva os fibroblastos a produzirem até 30 vezes mais do que deviam de uma proteína chamada WNT16B.

Esta proteína estimula o crescimento das células tumorais e ajuda-as a invadir os tecidos que as rodeiam e a resistir ao tratamento.

As funções desta proteína no desenvolvimento do cancro já eram conhecidas, mas é a primeira vez que os cientistas a relacionam com a resistência à quimioterapia.

Os investigadores esperam que a sua descoberta ajude a descobrir uma forma de travar esta resposta e aumentar a eficácia do tratamento.

“Os tratamentos contra o cancro estão a tornar-se cada vez mais específicos (…). A nossa descoberta indica que o microambiente que rodeia o tumor também pode influenciar o êxito ou o fracasso destas terapias”, explicou Peter Nelson, autor principal do estudo, citado pela cadeia britânica BBC.

In i online
Por Agência Lusa
Publicado em 6 Ago 2012 – 14:00

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...