556: Nova variante do SARS-Cov-2 pode exigir novas medidas nas escolas

 

 

SAÚDE/COVID-19-ESCOLAS

Tiago Petinga / Lusa

Graça Freitas argumenta que só pela quantidade de infectados, esta nova variante “pode constituir um risco acrescido”. Novas medidas nas escolas podem ser necessárias.

A nova variante do SARS-CoV-2 foi identificada em Portugal Continental e confirmada pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), este domingo. Inicialmente identificada no Reino Unido, a nova variante será 70% mais contagiosa do que o normal e está a preocupar os especialistas de saúde.

Na habitual conferência de imprensa desta terça-feira, a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu a possibilidade de o Governo ter de introduzir novas medidas de restrição nas escolas devido a esta nova variante.

Graças Freitas salientou que só pela quantidade de infectados, esta nova variante “pode constituir um risco acrescido”. Além disso, há indicações de que a nova variante pode ter uma maior capacidade de circular entre as crianças e os mais jovens, escreve o Observador. No entanto, Graças Freitas realça que essa hipótese “carece de confirmação”, acrescentando que “não há indícios de que seja mais grave ou mais violenta”.

Neil Ferguson, especialista em doenças infecciosas do Imperial College de Londres e membro do Grupo de Aconselhamento sobre Ameaças de Vírus Respiratórios Novos e Emergentes (NERVTAG), defende que embora não se tenha estabelecido uma relação de causalidade, é possível ver nos dados que o vírus “tem uma maior propensão para infectar as crianças”.

Por Daniel Costa
5 Janeiro, 2021

 

 

 

553: COVID-19: Há 16 casos em Portugal Continental da nova variante do vírus

 

 

SAÚDE/COVID-19-NOVAS VARIANTES

Tendo em conta o nível de contágio, era apenas uma questão de tempo até que a nova variante do SARS-COV-2 chegasse a Portugal Continental. A nova variante da doença COVID-19, que já circula na Madeira, oriunda do Reino Unido, tem agora 16 casos registados em Portugal Continental.

A informação consta de uma carta do Instituto Ricardo Jorge que já foi enviada ao Governo.

Nova variante do vírus da COVID-19 já circular em Portugal Continental…

A informação foi avançada pela RTP e confirmada pela TVI24. Segundo revelações dos especialistas, a nova estirpe da COVID-19 é 70% mais contagiosa. De acordo com um comunicado a que a TVI teve acesso na altura em que foi detectada no Reino Unido, o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge afirmava que a nova variante tinha sido detectada em viajantes que chegaram à Madeira provenientes do Reino Unido.

Esta identificação só foi possível graças ao trabalho desenvolvido pelo Centro de Rastreio do Aeroporto Internacional da Madeira o qual permite rastrear, identificar e encaminhar para isolamento casos positivos, quando detectados


O comunicado referia ainda que a região iria continuar a vigiar a chegada dos passageiros, cumprindo as orientações da Direcção-Geral da Saúde, “diminuindo assim o risco de contágio pelo novo coronavírus na região”.

Relativamente aos 16 casos em Portugal Continental da nova variante do vírus pouco mais se sabe.

Pplware
Autor: Pedro Pinto
03 Jan 2021

 

 

 

Centro Europeu alerta que novas variantes de “alto” risco do vírus vão causar mais mortes

 

 

SAÚDE/COVID-19/VARIANTES

Já foram registados mais de 3 mil casos da nova variante do vírus responsável pela covid-19, identificada no Reino Unido.

© EPA/ANDY RAIN

O Centro Europeu para Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) disse esta terça-feira que há um “alto” risco de que as variantes do covid-19 recém descobertas possam pressionar ainda mais os cuidados médicos e causar mais mortes devido ao “aumento da transmissibilidade”.

O ECDC, com sede em Estocolmo, referiu num relatório que “embora não haja informações de que as infecções por essas variantes sejam mais graves”, o fato de se propagarem mais facilmente significa que o impacto sobre “hospitalizações e mortes é avaliado como alto”.

Como as variantes de vírus que circulavam anteriormente, o risco é particularmente maior para “aqueles em grupos de idade avançada ou com comorbidades”, acrescentou a agência.

O relatório abordou especificamente as duas novas variantes descobertas no Reino Unido e na África do Sul, ambas apresentam sinais de “maior transmissibilidade”.

Mais de 3000 casos da variante do Reino Unido já foram registados em dezenas de países da Europa e em todo o mundo, de acordo com o ECDC.

Na África do Sul, mais de 300 casos de outra variante foram registados e três casos da mesma variante foram confirmados na Europa, dois no Reino Unido e um na Finlândia, mas todos os três foram associados a pessoas que regressaram da África do Sul.

O Centro Europeu recomendou aos países que continuem a aconselhar os cidadãos “sobre a necessidade de intervenções não farmacêuticas de acordo com sua situação epidemiológica local”, com foco particular nas “viagens não essenciais e actividades sociais”.

O ECDC também recomendou uma série de opções para “atrasar a introdução e disseminação de uma nova variante de preocupação”, incluindo o sequenciamento direccionado de casos da comunidade para “detectar precocemente e monitorizar a incidência da variante”.

Além disso, sugere um maior “acompanhamento” e número de testes às pessoas associadas a áreas com maior número de casos da nova variante.

O Centro Europeu também lembrou a todos aqueles que viajam a partir das zonas com maior registo de casos da nova variante a necessidade de se “cumprir a quarentena” e fazer o teste de despiste à covid-19.

Diário de Notícias
DN/AFP
29 Dezembro 2020 — 17:38

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...