527: Verme minúsculo está a ajudar a encontrar a cura para uma forma extremamente rara de cancro

 

 

SAÚDE/CANCRO

University of Dundee

Um pequeno verme com cerca de um milímetro de comprimento está a ser usado para ajudar a encontrar a cura para uma forma extremamente rara de cancro.

Quando a família Williamson, de Dundee, Escócia, perdeu a sua mãe Sue para um raro cancro chamado feocromocitoma, em 2003, eles não perceberam que mais devastação estava por vir.

Dos seus quatro filhos, os gémeos Jennie e James descobriram que também têm o gene defeituoso que pôs um ponto final à vida da sua mãe. Ambos os gémeos são afectados por tumores inoperáveis envolvidos em vasos sanguíneos vitais e nervos no seu pescoço.

O padre Jo decidiu aparecer num vídeo da Cancer Research em memória da sua esposa para aumentar a consciencialização sobre o importante trabalho que os investigadores fazem por pessoas como os seus filhos.

Os cientistas têm trabalhado em estreita colaboração com a família para entender mais sobre a mutação do gene que causa este cancro. Juntamente com um consórcio de investigadores de universidades da Hungria e da Índia, os cientistas conseguiram, pela primeira vez, recriar o defeito de Williamson num minúsculo verme, de apenas um milímetro de comprimento. Este progresso é vital para entender melhor a mutação e ajuda a apontar possíveis tratamentos para o cancro.

Este cancro liberta hormonas semelhantes à adrenalina em excesso em circulação. O feocromocitoma é difícil de diagnosticar porque imita condições como hipertensão e pode matar pacientes que recebem anestesia de rotina.

O verme de Williamson

O gene defeituoso da família Williamson alterou a estrutura de uma proteína chamada SDHB. Em biologia, a SDHB divide o açúcar que comemos no seu hidrogénio constituinte e electricidade.

Assim, nos Williamsons, o quebra-cabeças consistia em descobrir como é que um pequeno defeito numa instrução de ADN (SDHB mutante) poderia causar cancro recorrente na família. No passado, as tentativas dos investigadores de fazer um modelo de feocromocitoma em ratos falharam em fornecer informações uma vez que os animais pareciam saudáveis.

Uma nova abordagem era necessária. Por manipulação genética de ADN, uma equipa de investigadores criou um modelo de verme de SDHB defeituoso que rendeu alguns novos dados.

Os resultados são reveladores porque ficou imediatamente óbvio que os vermes mutantes de Williamson são doentes, estéreis, pequenos e em forma de foice. É importante realçar que a mudança de aparência pode ser investigada posteriormente, cruzando-os com outros vermes mutantes com outros defeitos genéticos cancerígenos. Isso está em andamento.

Primeiro, a mutação da família Williamson não exclui todo o gene SDHB do ADN afectado. Esta família tem uma estrutura de “origami” tridimensional dobrada de maneira diferente para a sua proteína SDHB, impulsionada pelas instruções erradas do seu gene mutante. A proteína Williamson SDHB está deformada.

Estes vermes também produzem muito menos dessa proteína SDHB mutante deformada. Assim, os vermes de Williamson contribuíram com algo novo para a natureza.

Em segundo lugar, a mitocôndria do verme de Williamson usa uma mistura de ‘combustível’ muito diferente. O SDHB normal funciona como um carro que pode alternar perfeitamente as fontes de combustível quando um combustível está a acabar. Os vermes de Williamson não podem fazer isso e só podem queimar parcialmente os combustíveis para libertar o ácido láctico como um produto final.

Em terceiro lugar, é possível matar os vermes de Williamson com medicamentos que deixam os vermes normais ilesos. É aí que surge uma nova esperança, porque de momento não há cura para o cancro de Williamson. A pesquisa está focada em medicamentos úteis para testar em animais, e os resultados desta investigação significam que eles poderiam agora ser desenvolvidos.

Por ZAP
10 Dezembro, 2020

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...