373: Covid-19: Cigarros electrónicos aumentam riscos de infecção em cinco a sete vezes para jovens

 

CIÊNCIA/SAÚDE/COVID-19

licsiren / Canva

O risco de contrair covid-19 entre adolescentes e jovens adultos que fumam cigarros electrónicos é cinco a sete vezes superior, segundo um estudo liderado pela faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

O estudo é esta terça-feira publicado na revista científica Journal of Adolescent Health e é o primeiro a debruçar-se sobre as ligações entre jovens que fumam cigarros electrónicos e a covid-19, tendo usado como base a população residente nos Estados Unidos e informação recolhida durante a pandemia.

O risco de contrair a doença entre os jovens que fumam cigarros electrónicos é cinco a sete vezes superior do que para os que não usam esse tipo de cigarros.

“Adolescentes e jovens adultos precisam de saber que se usam cigarros electrónicos são mais propensos a um risco imediato de covid-19, porque estão a danificar os pulmões”, disse um dos autores principais do estudo, Bonnie Halpern-Felsher, investigador e professor na área de pediatria.

O investigador que liderou o estudo, Shivani Mathur Gaiha, sublinhou que os dados demonstram que, apesar de os mais novos acreditarem que pela idade estão mais protegidos do vírus que provoca a covid-19 e dos seus efeitos e sintomas, isso “não é verdade para os jovens que fumam cigarros electrónicos”.

“O estudo mostra claramente que os jovens que fumam cigarros electrónicos ou cigarros electrónicos e cigarros tradicionais têm um risco elevado, e não é apenas um ligeiro aumento no risco, é um grande aumento”, disse Gaiha, citado num comunicado.

Os dados foram recolhidos através de inquéritos online que decorreram em maio, com 4.351 participantes entre os 13 e os 24 anos a viver em território norte-americano.

Os investigadores seleccionaram uma amostra de participantes dividida de forma igual entre quem fumava cigarros electrónicos e os que nunca usaram quaisquer produtos de nicotina. A amostra incluía também uma distribuição igual de participantes nos diferentes grupos etários, raças e géneros. Os participantes responderam a questões sobre o uso de cigarros e de que tipo e se tinham tido sintomas de covid-19, se tinham sido testados e se tinham tido um diagnóstico positivo para a doença.

Entre cinco a sete vezes mais probabilidade

Os jovens que nos 30 dias anteriores ao questionário tinham fumado quer cigarros quer cigarros electrónicos tinham cinco vezes mais probabilidades de ter sintomas de covid-19, como tosse, febre, fadiga e dificuldade para respirar, do que os jovens que nunca tinham fumado qualquer tipo de cigarros.

Felsher referiu que isto pode também explicar o porquê de ser mais provável que tenham feito teste à covid-19, sobretudo tendo em conta que em maio muitas regiões limitavam a realização de testes a quem apresentava sintomas.

Dependendo de que tipo de produto com nicotina usaram e de quão recente era essa uso, os jovens que fumaram cigarros electrónicos, ou cigarros tradicionais, ou ambos, apresentaram 2,6 a nove vezes maior probabilidade de ser testados para a covid-19 do que não usaram qualquer produto.

Já entre os que foram testados para a covid-19, aqueles que apenas fumaram cigarros electrónicos apresentaram cinco vezes mais de probabilidades de ser diagnosticados com covid-19 do que os não fumadores. Os que usaram quer cigarros electrónicos quer cigarros tradicionais nos 30 dias anteriores apresentaram 6,8 vezes mais probabilidades de ser diagnosticado com a doença.

Os investigadores não encontraram uma ligação entre a covid-19 e fumar apenas cigarros convencionais, talvez porque entre os mais jovens o uso combinado dos dois tipos de cigarros é o comportamento prevalente.

O estudo demonstrou também, em linha com outros estudos recentes para a covid-19, que pertencer a um estrato socioeconómico mais baixo ou ser de origem hispânica ou multirracial está ligado a um risco mais elevado de ser diagnosticado com a doença.

Os autores do estudo esperam que os resultados levem as autoridades norte-americanas a apertar a regulação relativa à venda destes produtos a adolescentes e jovens adultos.

ZAP // Lusa

Por Lusa
11 Agosto, 2020

 

94: Vacina da gripe A está sob suspeita

 

Saúde: Há 795 casos de narcolepsia na União Europeia

Adolescente adormece em qualquer lado e tem alucinações. Anda sempre acompanhada pela avó

Adolescente adormece em qualquer lado e tem alucinações. Anda sempre acompanhada pela avó

A família de uma adolescente de 16 anos reportou à Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) a sonolência diurna excessiva (narcolepsia), paralisia no sono, fraqueza muscular e alucinações, sintomas que a rapariga passou a ter depois de ser vacinada com a Pandemrix contra a gripe A, em 2009. Há mais dois casos de narcolepsia em Portugal, cuja ligação à vacina também está a ser investigada pelo Infarmed. Noutros países europeus registaram-se 795 casos, 200 dos quais na Suécia, mas há também na Finlândia, Noruega, Irlanda e França.

Esta doença, que provoca uma sonolência extrema e súbita, não tem cura. A especialista em doenças do sono, a neurologista Teresa Paiva, afirmou ao CM que acredita haver mais casos em Portugal. “Acho muito estranho que não haja mais casos da doença, porque muitas crianças e adolescentes foram vacinados. Eu própria notifiquei um caso ao Infarmed, de uma criança, em 2009”, afirmou Teresa Paiva.

A especialista sublinhou que “há uma relação entre a vacina Pandemrix e a narcolepsia e isso está actualmente provado através de vários estudos internacionais”.

Segundo Teresa Paiva, haverá uma “predisposição genética” das pessoas vacinadas para desenvolver a doença do sono, que é “muito grave” e manifesta-se pouco tempo depois da vacinação.

A adolescente, que pediu ao CM para não ser identificada, sofre com a doença. “Adormeço nas aulas, no autocarro e por isso tenho de andar acompanhada pela minha avó”, conta a rapariga.

O Infarmed afirma ao CM que recebeu três notificações de narcolepsia associada à vacina, uma das quais já em 2013, e que está a ser “investigada”. Os restantes dois casos foram reportados em 2010 e 2011. O CM contactou a direcção do laboratório GlaxoSmithKline, que comercializou a vacina Pandemrix, mas recusou prestar esclarecimentos.

ADOLESCENTE SUECA TOMA ESTIMULANTES

A sueca Emelie Olsson é uma das adolescentes que desenvolveu narcolepsia, após ter sido imunizada com a vacina Pandemrix. Contou que precisa de tomar estimulantes para controlar o problema. O especialista na doença, Emmanuel Mignot, da Universidade de Stanford, EUA, acredita que as evidências científicas mostram a relação entre a vacina e a doença. Porém, Norman Begg, médico da divisão de vacinas do laboratório diz não existirem provas suficientes.

In Correio da Manhã online
03/02/2013
Por:Cristina Serra

57: Facebook pode ser comparado a uma droga?

 

Uma equipa de investigadores da Noruega realizou um estudo em que compara a utilização frequente do Facebook com o consumo de drogas e lança uma série de perguntas que permite verificar o grau de vício na mais conhecida rede social da internet.

O grau de vício pode-se medir através de seis perguntas, entre as quais, se passa muito tempo a pensar no Facebook, se já tentou reduzir a utilização mas não conseguiu ou se fica inquieto ou nervoso se o proibirem de usar o Facebook.

A psicóloga Cecile Andreassam afirma que responder mais de quatro vezes “frequente” ou “muito frequente” a estas seis questões pode ser preocupante.

A investigação foi publicada na revista Psychological Reports e evidencia que a natureza social do Facebook afasta os jovens do contacto frente a frente.

In i online
Por André Vinagre
publicado em 10 Maio 2012 – 20:31

30: Jovens rurais mais propensos à obesidade

 

Foto: D.R.

Os jovens que habitam em meio rural têm mais probabilidade de ser obesos do que os jovens urbanos, já que são mais sedentários e passam mais horas a ver televisão, revela um estudo da Universidade de Coimbra.

O estudo, “Comportamento sedentário e dispêndio energético: influência de factores biológicos, sociais e geográficos”, procurou avaliar o gasto energético diário e o sedentarismo em 500 adolescentes com idades entre os 13 e os 16 anos de escolas da zona centro do país, em igual proporção de jovens de meio rural e urbano.

Contactado pela Agência Lusa, o investigador principal explicou que havia necessidade de estudar o estilo de vida na população pediátrica, uma vez que Portugal sofreu grandes transformações ao longo das últimas quatro décadas do ponto de vista laboral, da alimentação e do transporte, tanto de casa para a escola como de casa para o trabalho.

“A par da Espanha, Itália e Grécia, Portugal tem uma população de adolescentes com taxas elevadas de sobrepeso, apesar de a obesidade ser uma variável complexa de estudar, pela sua etiologia, mas sentimos que havia varáveis de estilo de vida que seriam pertinentes de estudar nestas franjas etárias”, adiantou Aristides Machado.

De acordo com o investigador, o estudo mostrou que os anos terminais da adolescência são problemáticos do ponto de vista do estilo de vida ativo e durante este período os adolescentes entre os 15 e os 16 anos têm maior risco de sedentarismo porque passam mais horas frente ao televisor.

Aristides Machado apontou que o nível de sedentarismo aumenta significativamente ao fim-de-semana e nos períodos pós-escolar durante a semana.

“Durante o período escolar, todos os sujeitos, tanto rapazes como raparigas, mais velhos ou mais novos, têm o mesmo padrão de envolvimento nas diferentes actividades. As diferenças foram sobretudo marcantes no final do dia e ao fim-de-semana, já que tanto no meio rural como urbano, ao fim-de-semana, há uma diminuição acentuada de actividade. Entre os rapazes do meio rural e urbano, há uma diferença também no período pós-escolar”, explicou o investigador.

No global, o estudo mostra que “os adolescentes que vivem em meio rural são mais sedentários e passam mais horas em frente ao televisor do que os adolescentes de proveniência urbana”, o que, na opinião de Aristides Machado, mostra que entre os adolescentes de meio rural “há mais probabilidade de pertencerem a grupos classificados como tendo excesso de peso e com obesidade”.

“No nosso entendimento, o meio rural é um contexto mais precário do que o meio urbano, do ponto de vista da saúde, da educação, do ponto de vista das infraestruturas, do ponto de vista dos estímulos materiais, até da família”, apontou o investigador para logo de seguida defender que “não se pode pedir só à escola que resolva um problema de organização social, familiar e de estilo de vida”.

“Tem que haver uma simbiose entre os diferentes agentes, no sentido de serem não só mais activos, mas mais saudáveis”, defendeu, referindo-se não só à escola, como à família, autarquias e demais agentes sociais.

O investigador alertou que há adolescentes que passam quatro horas frente ao televisor, muito acima das duas horas máximas recomendadas, e defendeu como possível solução o desporto nas horas pós-periodo escolar ou qualquer outra solução que “retire os adolescentes de casa de frente do televisor”.

A investigação decorreu durante cinco anos e foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Teve a colaboração de investigadores das universidades do Texas e Michigan, nos Estados Unidos, Estadual de Londrina, no Brasil, Saskatchewan, no Canadá e University of Bath, e, Inglaterra.

In i online
Por Agência Lusa
publicado em 8 Fev 2012 – 16:34

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...