Ingred – Análise de Cosméticos e Alimentos

 

 

SAÚDE/ALIMENTOS/APP

Uma dica que penso ser muito importante para quem preza uma alimentação o mais livre possível (não digo total a não ser a biológica) de componentes tóxicos, prejudiciais à saúde.

App para Android: Ingred – Análise de Cosméticos e Alimentos

Pode ser descarregada na Play Sore da Google

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.zorrosoft.android.ingred&pli=1

 

 

436: Quantos ovos pode consumir por semana sem prejudicar o coração? Os cientistas já têm um número

 

 

SAÚDE/DIETA/OVOS

moiranazzari / Flickr

Uma equipa internacional de cientistas concluiu que o consumo de quatro ovos por semana não compromete a saúde do coração da população em geral.

A investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista European Journal of Clinical Nutrition, surge depois de o consumo de ovos ter sido várias vezes associado ao aumento de colesterol, bem como ao risco de doenças cardiovasculares.

Para chegar a este número, o estudo, que contou com a participação de vários cientistas de universidades de Itália, Polónia, Dinamarca, Holanda, Suíça e Espanha, analisou todas as evidências científicas sobre o tema até agora publicadas – no total, foram tidas em conta 39 investigações e 1,8 milhões de participantes.

“Este é o estudo mais exaustivo que já foi publicado sobre o consumo de ovos e a saúde cardiovascular”, explicaram os cientistas do Centro Espanhol de Pesquisa Biomédica em Fisiopatologia da Obesidade e Nutrição (CIBEROBN), que participou na investigação, citado pela agência noticiosa espanhola Europa Press.

“O resultado final concluiu que, muito provavelmente, não há nenhuma razão científica real para desencorajar o consumo de ovos pela população em geral”, disse Estefanía Toledo, cientista da Universidade de Navarra, em Espanha, envolvida na investigação.

O mesmo estudo sugere ainda que comer, em média, um ovo por dia, não está associado  a um risco maior de vir a sofrer de uma doença cardiovascular, excepto em casos de insuficiência cardíaca e apenas em estudos realizados nos Estados Unidos ou em estudo levados a cabo previamente em diabéticos.

“Aos diabéticos deve-se recomendar que mantenham a ingestão de até quatro ovos por semana e não mais”, explicou a cientista do CIBEROBN.

“Excepto pela reacção adversa acima menciona – presente apenas em diabéticos e apenas em norte-americanos – para a insuficiência cardíaca, para todos os outros aspectos da doença cardiovascular (ataques cardíacos, derrames, mortes cardiovasculares, doença cardiovascular total), o consumo de ovos tende mais a ser protector do que prejudicial”.

Toledo frisa que quatro ovos é o número recomendável para população em geral e aponta uma possível justificação para os números dos norte-americanos.

“Especula-se que a polémica associada ao estudo realizado nos Estados Unidos pode dever-se ao facto de o ovo vir normalmente acompanhado com alimentos menos saudáveis, como é o caso do bacon, principalmente no pequeno almoço (…) Não está ainda claro se terá esses efeitos adversos quando faz parte de um padrão alimentar saudável, como o tradicional padrão alimentar mediterrâneo”, rematou.

ZAP //

Por ZAP
29 Setembro, 2020

 

 

385: Consumo de alimentos ultra-processados favorece o envelhecimento

 

 

SAÚDE/ENVELHECIMENTO

thomashawk / Flickr

O consumo frequente de alimentos industrializado ultra-processados favorece o envelhecimento biológico, sugere uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Navarra, em Espanha.

Em comunicado, citado pelo portal Eureka Alert, a Associação Europeia para o Estudo da Obesidade revela os resultados da investigação, que serão apresentado na Conferência Internacional sobre Obesidade (ECOICO 2020), entre 1 e 4 de Setembro.

De acordo com o estudo, uma dieta que inclua o consumo frequente destes produtos, que incluem refeições pré-preparadas, bolachas e refrigerantes, faz com que as células humanas envelheçam mais rápido, potenciando o envelhecimento.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas mediram um marcador de envelhecimento biológicos – os telómeros – de 886 espanhóis com mais de 55 anos, tendo em conta o seu conta o seu consumo diário de alimentos ultra-processados.

Tal como explica a agência noticiosa AFP, os telómeros são estruturas protectoras que preservam a estabilidade e integridade do património genético e, portanto, do ADN necessário para o funcionamento de cada célula do corpo.

À medida que envelhecemos, estes componentes ficam mais curtos, uma vez que cada vez que uma célula se divide, esta perde uma parte do telómero.

Este processo repete-se, culminando no envelhecimento biológico das células, que deixam, então, de se dividir e funcionar normalmente.

Partindo deste marcador, a equipa, liderada por Lucía Alonso-Pedrero, concluiu que as pessoas que consumiam mais de três porções diárias de alimentos processados ​​tinham quase o dobro do risco de ter telómero curtos, quando comparadas com pessoas que consumem estes alimentos com menos frequência.

Outra patologias associadas

Apesar de reconhecerem que são necessários mais estudos para confirmar uma correlação directa entre uma dieta rica em alimentos processados e o envelhecimento, os cientistas frisam que já existem investigações que associam doenças graves, como a hipertensão, a obesidade, depressão, dia bates ou cancro, a estes alimentos.

Os cientistas observaram ainda que os participantes que consumiam mais produtos ultra-processados ​​eram mais susceptíveis a ter histórico familiar de doenças cardiovasculares e outras patologia.

Os resultados da investigação foram esta semana publicados na revista científica especializada American Journal of Clinical Nutrition.

ZAP //

Por ZAP
6 Setembro, 2020

 

331: Ingrediente banido de muitas cozinhas pode ser a solução para uma alimentação saudável

 

CIÊNCIA/SAÚDE/ALIMENTAÇÃO

SXC

O glutamato monossódico tem uma má fama na cozinha, mas um estudo recente sugere que este ingrediente usado como tempero pode ser útil para nos ajudar a manter uma alimentação saudável.

Durante décadas, o glutamato monossódico tem sido demonizado no Ocidente, culpado por sintomas como dores de cabeça, formigueiros nas pernas e braços, crises de asma e até como desencadeador de doenças neuro-degenerativas.

Apesar de haver poucos casos de pessoas que relatam sensibilidade ao ingrediente, não há provas de que este ingrediente que realça o sabor não seja seguro para consumo. Agora, um estudo aponta justamente para o oposto, que este tempero pode ser uma ajuda valiosa para que uma pessoa mantenha uma dieta saudável.

O que é?

Este é um sal sódico do ácido glutâmico, um aminoácido não essencial bastante abundante na natureza. Está presente naturalmente em alimentos como tomates, algas marinhas, cogumelos e queijos, e tem um gosto que não é nem doce, nem salgado, nem azedo e nem amargo. Por não se enquadrar em nenhum gosto básico, foi criada uma categoria especial para ele, baptizado de umami pelo investigador japonês Kikunae Ikeda, no início do século XX.

Ikeda conseguiu isolar o ácido glutâmico como uma nova substância de gosto a partir da alga marinha Laminaria japonica, através de extracção aquosa e cristalização. Esta alga é conhecida como kombu, e é ingrediente do caldo japonês de katsoubushi.

O investigador registou patente da produção do glutamato monossódico, e em 1909 o empresário Saborosuke Suzuki iniciou a produção comercial do tempero como Aji-no-moto, que significa “a essência do sabor”, em japonês. Actualmente, é produzido a partir da fermentação bacteriana. Esta fermentação é semelhante à da produção do vinho, vinagre ou iogurte, e o sódio é adicionado através de uma etapa de neutralização.

Apesar do processo de produção desta substância, não há diferença química entre o ácido glutâmico obtido desta forma ou o encontrado no tomate ou cogumelo.

Perseguição injusta?

Até os historiadores entraram nessa polémica, defendendo que a fama de “venenoso” do tempero tem mais a ver com racismo do que com ciência. Isto porque a síntese do glutamato monossódico foi descoberta no Japão, portanto populações da Europa e América encontram a molécula com mais frequência nos restaurantes asiáticos ­– apesar dela estar presente em vários alimentos processados.

Em 1968, um médico publicou uma carta na revista New England Journal of Medicine reclamando que sentia formigueiros nos braços, fraqueza e arritmias cardíacas depois de comer em restaurantes chineses. Logo de seguida, outras pessoas relataram o mesmo, e logo apareceu o termo “Síndrome do Restaurante Chinês”.

É possível que algumas pessoas realmente tenham sensibilidade ao tempero, e isto seria verificado também quando tomate, cogumelo ou queijos são consumidos. Porém, uma experiência com voluntários que relataram sentirem estes problemas, mostrou que isso parece ser mais psicológico do que físico.

Num estudo publicado na revista Journal of Allergy and Clinical Immunology em 1997, os participantes foram divididos em dois grupos: um consumiu 5 gramas de glutamato monossódico e o outro consumiu 5 gramas de placebo (lembrando que 5 gramas é uma quantia grande, muito superior ao que normalmente é consumido numa refeição).

O resultado foi que 36,1% das pessoas do primeiro grupo relataram sintomas, enquanto 24% do grupo placebo também se queixou dessas sensações.

Remover glutamato da nossa dieta pode melhorar sintomas de dor crónica

Um novo estudo piloto provou a existência de uma ligação entre a dor crónica e o consumo de glutamato monossódico,…

Útil nas dietas

Um novo estudo publicado na Neuropsychopharmacology concluiu que o consumo de sopas com glutamato monossódico em pequenas porções ajuda as pessoas a manterem dietas mais saudáveis.

Na experiência, 30 voluntárias foram divididas num grupo que consumiu uma sopa com o ingrediente antes de se servir à vontade num bufete, enquanto outro grupo consumiu uma sopa idêntica antes de se servir no mesmo bufete.

O resultado foi que as participantes escolheram alimentos com menos gordura saturada e de forma geral mais saudáveis. Os melhores efeitos foram observados nas mulheres que relataram falta de autocontrolo na hora de comer.

As participantes que consumiram a sopa com glutamato monossódico ficaram mais focadas em alimentos que elas tinham escolhido anteriormente, sem se distrair com outras opções. O consumo do glutamato monossódico fez aumentar a actividade no córtex pré-frontal, a parte do cérebro associada ao autocontrolo quando relacionado à escolha de alimentos.

O ponto fraco deste estudo é que ele avaliou apenas uma refeição, portanto não se sabe se este efeito positivo no autocontrolo seria perdido com o consumo frequente da molécula ou não.

ZAP // HypeScience

Por ZAP
7 Janeiro, 2020

 

308: Comer ovo antes de ir dormir? Conheça todos os benefícios surpreendentes

 

© iStock Para quem pretende aumentar a massa muscular – ou, até mesmo emagrecer – comer ovo antes de dormir pode ser uma excelente recomendação.

Os ovos são uma opção eficiente, barata e fáceis de preparar para fornecer proteína suficiente ao corpo no dia a dia, de acordo com a publicação online Medical Daily.

Além disso, são bastante versáteis, podendo ser confeccionados de inúmeras formas, não parecendo assim que está a comer sempre a mesma coisa…

Em muitas dietas, comer ovo antes de dormir é uma das opções mais eficientes de garantir que o processo de catabolismo não seja iniciado enquanto dorme. Tal é especialmente importante para aquelas pessoas que querem manter ou desenvolver a massa muscular, mas sem correr o risco de engordar.

É importante lembrar que tão relevante quanto o consumo de proteína, para a manutenção do ciclo anabólico durante a noite, é a presença hidratos de carbono complexos (grãos integrais e de digestão lenta). Como tal, recomenda-se associar o consumo do ovo antes de dormir a alguma fonte de carboidrato complexo.

Entenda quais são os benefícios do consumo de ovo antes de ir para a cama:

Estímulo do ciclo anabólico

O anabolismo é o ciclo metabólico no qual as fibras musculares são construídas através do consumo de nutrientes que estão disponíveis no corpo. Neste período, há dois tipos de nutrientes que são absolutamente essenciais para o ciclo metabólico: proteínas e hidratos de carbono.

Sem eles, o organismo passa a consumir os nutrientes disponíveis nos próprios tecidos – inclusive na musculatura. Isso significa que o seu esforço durante o dia enquanto pratica exercícios de força e musculação não terá resultados, pois as próprias fibras serão utilizadas no anabolismo.

Com a presença das proteínas do ovo, o corpo é capaz de desenvolver mais volume de massa magra sem sacrificar aquilo que já obteve através de seu esforço.

Aumento da sensação da saciedade

O ovo é um alimento especialmente conhecido por saciar o organismo, afastando assim a sensação de fome por mais tempo, ou seja trata-se de um aliado fundamental para quem pretende emagrecer. Comer ovo antes de ir dormir pode assim ajudar a prevenir aqueles ataques de fome nocturnos e ‘assaltos’ ao frigorífico…

Qual o momento ideal para o seu consumo?

A ingestão de qualquer alimento é recomendada pelo menos duas horas antes do momento em que pretende ir para a cama.

Apesar de comer e deitar-se de seguida não ser prejudicial para o desenvolvimento da musculatura, é possível que isso gere desconfortos ou azia, reduzindo a qualidade do sono e a capacidade de descanso e recuperação.

Embora pareça algo banal, uma boa recuperação é absolutamente essencial para o desenvolvimento da musculatura, especialmente após um dia de treino intenso. Uma boa noite de sono garante que as fibras sejam correctamente desenvolvidas.

msn lifestyle
Liliana Lopes Monteiro
04/07/2019

[vasaioqrcode]

 

 

304: Há uma planta sempre presente na nossa cozinha que previne a perda de memória

 

(CC0/PD) TheVirtualDenise / Pixabay

Ingerir alho pode prevenir o esquecimento, sobretudo em pacientes com Alzheimer ou Parkinson. O benefício vem do sulfeto alílico.

O consumo de alho ajuda a neutralizar as mudanças relacionadas à idade nas bactérias intestinais associadas a problemas de memória, segundo um estudo recente, realizado em cobaias. O benefício vem do sulfeto alílico, um composto presente no alho e conhecido pelos seus benefícios para a saúde.

“A nossa descoberta sugere que a administração dietética de alho, contendo sulfeto alílico, pode ajudar a manter microrganismos intestinais saudáveis e melhorar a saúde cognitiva em idosos”, afirmou Jyotirmaya Behera, líder da equipa de cientistas da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos.

Na prática, este composto restaura triliões de microrganismos, também conhecidos como microbiota, no intestino. Pesquisas anteriores já haviam sublinhado a importância da microbiota intestinal para a saúde humana, mas poucos estudos haviam explorado o bem-estar do intestino e as doenças neurológicas normalmente associadas ao envelhecimento.

“A diversidade da microbiota intestinal é diminuída em pessoas idosas, um estágio da vida em que as doenças neuro-degenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson, se desenvolvem, e as habilidades cognitivas e de memória podem diminuir”, disse Neetu Tyagi, cientista que fez parte da equipa responsável e co-autora deste estudo.

“Quisemos entender melhor como as alterações na microbiota intestinal estão relacionadas ao declínio cognitivo associado ao envelhecimento”, acrescentou, citada pelo Science Daily.

Behera adiantou que os dados sugerem que o consumo dietético de alho “pode ajudar a manter os microrganismos do intestino saudáveis e melhorar a capacidade cognitiva e de raciocínio na população mais idosa”.

Os cientistas testaram esta teoria em ratos idosos de 24 meses, o que equivale à idade humana entre os 56 e os 69 anos. A estas cobaias foi-lhes dado sulfeto alílico e os animais foram, posteriormente, comparados a ratos mais novos e da mesma idade que não receberam aquela substância.

Os resultados desta experiência revelaram que os roedores mais velhos que consumiram o suplemento revelaram ter uma melhor memória a curto e médio prazo, assim como uma melhor saúde intestinal.

Além disso, pesquisas subsequentes concluíram que o sulfeto alílico preserva ainda uma expressão genética derivada de um factor neuronal natriurético no cérebro que é crucial para a preservação da memória. As descobertas foram anunciadas na reunião anual da American Physiological Society, em Orlando, Florida.

Ainda assim, as experiências continuam. Os cientistas têm como objectivo entender melhor a relação entre a microbiota intestinal e o declínio cognitivo como tratamento no envelhecimento da população.

ZAP //

Por ZAP
14 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...