601: Dieta vegana pode ser melhor para a perda de peso do que a mediterrânea

 

 

SAÚDE/ALIMENTAÇÃO

A dieta vegana é mais eficaz para a perda de peso e controlo do colesterol do que a dieta mediterrânea, sugere uma nova investigação conduzida pela Physicians Committee for Responsible Medicine, uma organização norte-americana sem fins lucrativos que promove a medicina preventiva.

A investigação, recentemente publicada na revista científica especializada Journal of the American College of Nutrition, descobriu que uma dieta alimentar vegana com baixo teor de gordura apresenta melhores resultados a nível de perda de peso, composição corporal, sensibilidade à insulina e níveis de colesterol, quando comparada à dieta mediterrânea.

Para chegar a esta conclusão, a equipa levou a cabo um estudo comparativo sobre os dois regimes alimentares, durante o qual vários participantes – acima do peso e sem histórico de diabetes – foram acompanhados durante 16 semanas enquanto seguiam um plano alimentar baseado na dieta vegana ou mediterrânea.

Os resultados mostram que na dieta sem produtos ou derivados de origem animal os participantes perderam em média seis quilogramas, enquanto que na dieta mediterrânea não foi registada qualquer mudança no peso dos voluntários.

A dieta vegana levou também a uma diminuição nos níveis de colesterol total e LDL dos participantes em 18,7 mg / dL e 15,3 mg / dL, respectivamente. Na dieta mediterrânea, não foram observadas mudanças neste parâmetro.

Ambas as dietas fizeram diminuir a pressão arterial, sendo a descida mais acentuada no regime mediterrâneo (6,0 mmHg comparativamente a 3,2 mmHg na dieta vegana).

“Estudos anteriores sugeriam que as dietas mediterrânea e vegana ajudavam a melhorar o peso corporal e os factores de risco cardio-metabólicos mas, até agora, a sua eficácia relativa não tinha sido comprovada num ensaio aleatório“, começou por explicar Hana Kahleova, autora principal do estudo, citada em comunicado.

“Decidimos testar as dietas frente-a-frente e descobrimos que a dieta vegana é mais eficaz para melhorar os marcadores de saúde e maximizar a perda de peso”.

Menos calorias, mais fibras

Os autores do novo estudo observaram ainda que a dieta vegana conduziu à perda de peso porque foi associada a uma redução na ingestão de calorias, aumento na ingestão de fibras e diminuição do consumo de gorduras, incluindo as saturadas.

“Enquanto muitas pessoas pensam na dieta mediterrânea como uma das melhores formas de perder peso, este regime, na verdade, foi ‘desfeito’ quando o colocamos à prova”, acrescentou Neal Barnard, co-autor do novo estudo.

“Num estudo aleatório e controlado, a dieta mediterrânea não causou qualquer perda de peso. O problema parece ser a inclusão de peixes gordurosos, lacticínios e óleos. Em sentido oposto, uma dieta vegana com baixo teor em gordura levou a uma perda de peso significativa e consistente”, sustentou.

Kahleova remata: “Se a sua meta é perder peso ou ficar saudável em 2021, escolher uma dieta baseada em vegetais é uma óptima forma de alcançar esse objectivo”.

Dietas ricas em gordura causam sintomas de depressão

Dietas ricas em gordura podem causar sintomas de pressão. Isto pode explicar o porquê de pessoas obesas ou com excesso…

Ler mais

ZAP ZAP //

Por ZAP
11 Fevereiro, 2021

Não concordo, em absoluto. Classificada como Património Mundial e Imaterial da Humanidade pela UNESCO, a Dieta Mediterrânica é considerada um dos padrões alimentares mais saudáveis do Mundo e conta com um conjunto de conhecimentos, práticas e tradições partilhadas por muitos países do Mediterrâneo que seguem os princípios deste estilo de vida equilibrado e convivial à mesa.

– Frugalidade e cozinha simples que tem na sua base preparados que protegem os nutrientes, como as sopas, os cozidos, os ensopados e as caldeiradas
– Elevado consumo de produtos vegetais em detrimento de alimentos de origem animal, nomeadamente de hortícolas, fruta, pão de qualidade e cereais pouco refinados, leguminosas secas e frescas, frutos secos e oleaginosas
– Consumo de vegetais produzidos localmente, frescos e da época
– Azeite como principal fonte de gordura
– Utilização de ervas aromáticas para temperar em detrimento do sal
– Consumo moderado de lacticínios
– Consumo frequente de pescado e menor de carnes vermelhas
– Água como principal bebida ao longo do dia
– Consumo baixo a moderado de vinho e apenas nas refeições principais.

Um estudo deste tipo tem de levar em consideração que as pessoas NÃO TÊM o mesmo comportamento reaccional em ordem a qualquer mudança, seja ela alimentar ou outra. Enquanto umas resistem e adaptam-se bem a um tipo de alimentação considerada “a melhor” pelos “especialistas”, outras não se adaptam e têm de a abandonar. Por experiência própria, o meu organismo adaptou-se perfeitamente quando há anos atrás optei pela dieta Macrobiótica. Depois, por razões exclusivamente profissionais, tive de regressar à alimentação “normal”. Assim que tive liberdade de escolha, optei pela dieta mediterrânica que vou adaptando às minhas necessidades e hoje faço um mix de dietas mediterrânica e macrobiótica que resultam na perfeição. Deixei as carnes vermelhas há anos e o meu blogue de culinária demonstra bem o meu tipo de dietas que pratico no dia a dia.

577: Comer menos carne leva a uma vida mais longa. O culpado é um gás tóxico fedorento

 

 

SAÚDE/ALIMENTAÇÃO

Shutterbug75 / Pixabay

Reduzir o consumo de carne força os tecidos a produzir sulfeto de hidrogénio, um gás que promove a saúde do nosso corpo e nos permite viver uma vida mais longa.

As dietas ricas em proteínas estão em alta. No entanto, há evidências de que restringir as proteínas que você ingere – particularmente cortar na carne – pode ser importante para um envelhecimento saudável. O motivo surpreendente: força os tecidos a produzirem sulfeto de hidrogénio (H2S), um gás que é venenoso se inalado e tem um cheiro fedorento, mas que promove a saúde do nosso corpo.

Este é um gás que ninguém quer. Cheira mal, é um componente da flatulência e a sua toxicidade foi associada a pelo menos uma extinção em massa.

Ainda assim, o corpo produz naturalmente pequenas quantidades dele como uma molécula de sinalização para agir como um mensageiro químico. Agora, cientistas começam a entender a associação entre dieta e produção de H2S.

Menos pode ser mais quando se trata de comida. Quando os cientistas colocam os organismos em dietas cuidadosamente equilibradas, mas restritas, esses organismos aumentam substancialmente o tempo de vida saudável.

Isto verifica-se em leveduras, moscas da fruta, vermes e macacos. Em ratos, essas dietas reduzem o risco de cancro, fortalecem o sistema imunitário e melhoram a função cognitiva.

Mas como o envelhecimento e a longevidade são processos complexos, é difícil para os investigadores identificar os mecanismos em funcionamento. Estudos recentes sugerem que é evidente que o H2S desempenha um papel crucial.

Estudos realizados desde a década de 1990 mostraram que a redução da ingestão de certos aminoácidos contendo enxofre, os blocos de construção das proteínas, pode aumentar a longevidade em ratos em cerca de 30%.

Mais recentemente, uma equipa de investigadores liderada por cientistas de Harvard realizou uma série de estudos em animais nos quais restringiram a ingestão de dois aminoácidos sulfurados – cisteína e metionina – para estudar quais os efeitos disso.

Isto fez com que os animais aumentassem a produção de H2S nos seus tecidos, o que desencadeou uma cascata de efeitos benéficos. Estes incluíam o aumento da geração de novos vasos sanguíneos, que promove a saúde cardiovascular, e melhor resistência ao stresse oxidativo no fígado, que está relacionado com a doença hepática.

No entanto, ainda não se sabe se efeitos semelhantes ocorreriam em humanos. No início deste ano, um estudo norte-americano, com dados de 11.576 adultos, apresentou evidências de que sim. Os cientistas descobriram que a redução da ingestão desses aminoácidos sulfurados está associada a factores de risco cardio-metabólico mais baixos, incluindo níveis mais baixos de colesterol e glicose no sangue. Os factores de risco cardio-metabólico são aqueles ligados a doenças cardíacas, AVC e diabetes.

Comer menos carne = vida mais longa?

O resultado deste estudo é que há boas evidências de que limitar a ingestão de alimentos contendo altos níveis de aminoácidos de enxofre pode reduzir o risco de doenças crónicas, como diabetes e doenças cardíacas, e promover o envelhecimento saudável.

Como estes aminoácidos sulfurados são abundantes em carnes, lacticínios e ovos, que ocupam um lugar de destaque nos nossos carrinhos de compras, comemos em média 2,5 vezes o que precisamos diariamente.

A carne vermelha é particularmente rica em aminoácidos de enxofre, mas carne branca e peixe também contêm muito. Mudar para proteínas vegetais ajudaria a reduzir esse consumo.

Feijões, lentilhas e leguminosas são boas fontes de proteína, que também são pobres em aminoácidos de enxofre. Mas cuidado: a proteína de soja, que é a base de alimentos como o tofu, é surpreendentemente rica em aminoácidos de enxofre. Enquanto isso, vegetais como os brócolos contêm muito enxofre, mas não na forma de aminoácidos.

Um aviso importante é que os aminoácidos sulfurados desempenham papéis vitais no crescimento, por isso, as crianças não devem adoptar dietas com baixo teor de enxofre.

Por ZAP
26 Janeiro, 2021

 

 

 

543: Comer um abacate por dia melhora a saúde intestinal

 

 

SAÚDE/ALIMENTAÇÃO

Tom Eversley / Canva

Comer um abacate por dia pode ajudar a melhorar a saúde intestinal, concluiu um estudo levado a cabo por cientistas da Universidade de Illinois, nos EUA.

O abacate (Persea americana) é um alimento saudável, rico em fibras dietéticas e gordura mono-insaturada. Agora, uma equipa de cientistas da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, descobriu como é que este alimento afecta os micróbios no sistema gastro-intestinal.

Em comunicado, a investigadora Sharon Thompson explicou que os cientistas já sabiam que o abacate ajuda “as pessoas a sentirem-se saciadas e a reduzir a concentração de colesterol no sangue, mas não sabíamos de que forma é que isso influencia os micróbios intestinais e os metabólitos que os microrganismos produzem”.

A equipa analisou 163 adultos saudáveis, com idades compreendidas entre os 25 e os 45 anos e com sobrepeso ou obesidade. Durante 12 semanas, cada participante teve de substituir uma das refeições por um prato preparado pelos especialistas: uns receberam refeições com um abacate, enquanto outros tiveram de comer um prato semelhante, mas sem a fruta.

Durante o período de 12 semanas, os participantes do estudo tiveram de informar a equipa sobre a sua dieta e disponibilizar amostras de sangue, urina e fezes.

Segundo o Sci-News, os resultados do estudo indicaram que quem consumiu abacates também ingeriu mais calorias. Além disso, as fezes dos participantes que ingeriram a fruta uma vez por dia apresentava mais gordura.

“Uma maior excreção de gordura significa que os participantes estavam a absorver menos energia dos alimentos que comiam. Provavelmente, tal ocorreu devido às reduções nos ácidos biliares, moléculas que nos permitem absorver gordura”, explicou Hannah Holscher, co-autora do artigo científico, publicado no Journal of Nutrition.

“Descobrimos que a quantidade de ácidos biliares nas fezes foi menor e a quantidade de gordura nas fezes foi maior no grupo que ingeriu abacate”, resumiu.

A equipa descobriu, assim, que o grupo que ingeriu abacate todos os dias tinha uma maior abundância de micróbios intestinais que quebram as fibras e produzem metabólitos que ajudam na saúde intestinal. Além disso, tinham também uma maior diversidade microbiana.

A equipa realçou ainda que o conteúdo de fibra solúvel é muito importante, já que um abacate médio fornece cerca de 12 gramas de fibra, o que ajuda a atingir a quantidade recomendada de 28 a 34 gramas de fibra por dia.

“Quando consumimos fibra, é uma vitória para os micróbios intestinais e para nós. Assim como pensamos em refeições saudáveis ​​para o coração, também precisamos de pensar em refeições saudáveis ​​para o intestino e como alimentar a microbiota”, rematou Holscher.

Por Liliana Malainho
27 Dezembro, 2020

 

 

 

532: Vinho e queijo podem ajudar a prevenir a demência (e a lutar contra a covid-19)

 

 

CIÊNCIA/SAÚDE/ALZHEIMER

vanessa lollipop / Flickr

As pessoas que comem mais queijo e consumem mais vinho, ainda que de forma moderada, podem apresentar uma maior protecção contra doenças cognitivas, como é o caso da demência ou do Alzheimer, mas também contra a covid-19.

A conclusão é de uma nova investigação da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, que analisou dados de 1.787 adultos britânicos, todos com idades compreendidas entre os 46 e os 77 anos em 2016, precisa o portal IFL Science.

Todos os participantes realizaram um Teste de Inteligência de Fluidos (FIT), que avalia as habilidades de aprendizagem e memória, entre 2006 e 2010.

Os testes de acompanhamento foram realizados de 2012 a 2013 e novamente entre 2015 e 2016, permitindo aos cientistas rastrear as mudanças nas capacidades cognitivas dos participantes ao longo de um período de dez anos.

Ao longo deste período, os participantes também responderam a questões sobre a sua alimentação, fornecendo informações sobre a ingestão diária de 49 alimentos integrais diferente, incluindo frutas, verduras, peixes, carnes e lacticínios, bem como bebidas alcoólicas como vinho, cerveja e cidra.

Em comunicado, o autor principal do estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica especializado Journal of Alzheimer’s Disease, disse ter ficado agradavelmente surpreso com os resultados.

“Fiquei agradavelmente surpresos pelos nosso resultados sugerirem que comer queijo com responsabilidade e beber vinho tinto diariamente não são bons apenas para nos ajudar a lidar com a actual pandemia de covid-19, mas também para lidar com um mundo cada vez mais complexo”, explicou, citado na mesma nota.

Apesar dos resultados, o especialista enfatiza que são necessários mais estudos.

“Embora tenhamos levado em conta se estes resultados se relacionavam apenas com aquilo que pessoas mais ricas comem e bebem, são necessários mais ensaios clínicos para determinar se mudanças fáceis na nossa dieta podem ajudar os nossos cérebros de forma significativa”, continuou, acrescentando: “Dependendo dos factores genéticos que carregam, alguns indivíduos parecem estar mais protegidos dos efeitos do Alzheimer, enquanto outros parecem estar em maior risco”.

Por isso, concluiu, é crucial continuar com a investigação neste campo para apurar o papel das dieta alimentar no declínio cognitivo e nas doenças que provocam.

“Dito isto, acredito que as escolhas alimentares certas podem prevenir a doença e o declínio cognitivo como um todo. Talvez a solução definitiva que estamos a procurar seja a forma como comemos. Descobrir o que isso acarreta contribuiu para uma melhor compreensão do Alzheimer e coloca a doença numa trajectória reversa”.

ZAP //

Por ZAP
17 Dezembro, 2020

 

 

531: Nova dieta mediterrânica pode ser melhor do que a original

 

 

CIÊNCIA/SAÚDE/DIETA MEDITERRÂNICA

mealmakeovermoms / Flickr
Dieta mediterrânica à moda antiga

Os resultados de um novo estudo sugerem que uma nova versão da dieta mediterrânica pode ter ainda mais benefícios para a saúde do que a original.

Classificada como Património Mundial e Imaterial da Humanidade pela UNESCO, a dieta mediterrânica é considerada um dos padrões alimentares mais saudáveis do mundo e conta com um conjunto de conhecimentos, práticas e tradições partilhadas por muitos países do Mediterrâneo.

Os benefícios desta dieta para a saúde são bem conhecidos. Agora, um novo estudo sugere que a restrição adicional de carne e um aumento paralelo do consumo de vegetais ricos em proteínas pode beneficiar ainda mais o estado cardio-metabólico e reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

“A dieta mediterrânica, baseada no maior consumo de alimentos vegetais, provou ser melhor do que a dieta com baixo teor de gordura amplamente recomendada para a redução do risco cardio-metabólico e prevenção de doenças cardiovasculares”, disse Gal Tsaban, investigador na Universidade Ben-Gurion.

Os cientistas procuraram descobrir se uma versão mais ‘verde’ da dieta mediterrânica, com mais nozes e chá verde, e com menos carnes, poderia ser ainda melhor para a saúde, escreve o portal Sci-News.

Os voluntários foram divididos em três grupos: o primeiro recebeu orientações sobre como aumentar a actividade física e orientações básicas para alcançar uma alimentação saudável; o segundo recebeu ainda conselhos sobre como seguir uma dieta mediterrânica tradicional com restrição calórica; e o terceiro recebeu aconselhamento sobre como seguir uma versão ‘verde’ com restrição calórica semelhante da dieta mediterrânica.

Os resultados foram esclarecedores. Os voluntários que estavam em ambos os tipos de dieta mediterrânica perderam mais peso. A dieta saudável fez perder, em média, 1,5 kg; a dieta mediterrânica clássica fez perder 5,4 kg; e a dieta mediterrânica ‘verde’ fez perder 6,2 kg.

O grupo da dieta mediterrânica ‘verde’ alcançou perdas maiores no chamado colesterol “mau”, chegando aos 6,1 mg/dl, uma redução de quase 4%.

Os investigadores constataram ainda melhorias em factores de risco cardiovascular e metabólico dos voluntários que seguiram a nova versão da dieta mediterrânica. Verificou-se uma diminuição da tensão arterial, resistência à insulina e um importante marcador de inflamação, a proteína C reactiva. Além disso, a proporção de colesterol “bom” para colesterol “mau” também aumentou.

“As nossas descobertas sugerem que a restrição adicional da ingestão de carne com um aumento paralelo de alimentos ricos em proteínas à base de plantas pode beneficiar ainda mais o estado cardio-metabólico e reduzir o risco cardiovascular, além dos efeitos benéficos conhecidos da dieta mediterrânea tradicional”, escrevem os autores.

Os resultados do estudo foram publicados, este mês, na revista científica Heart.

ZAP //

Por ZAP
16 Dezembro, 2020

 

 

525: Alimentos como uvas, chocolate negro ou chá verde podem bloquear a principal enzima do SARS-CoV-2

 

 

SAÚDE/ALIMENTAÇÃO

JillWellington / Pixabay

De acordo com um novo estudo, compostos químicos presentes em alimentos ou bebidas como chá verde, uvas e chocolate negro, podem ligar-se e bloquear a função de uma enzima específica, ou protease, do vírus SARS-CoV-2.

De acordo com De-Yu Xie, autor do estudo publicado no Frontiers in Plant Science, as proteases são importantes para a saúde e a viabilidade das células e vírus. Se estas forem inibidas, as células não podem realizar muitas das suas funções importantes – como a replicação, por exemplo.

“Um dos focos da nossa pesquisa é encontrar nutracêuticos em alimentos ou plantas medicinais que inibam a forma como o vírus se liga às células humanas, ou a propagação do vírus em células humanas”, refere Xie.

Para o estudo, os investigadores realizaram simulações de computador e estudos de laboratório. Assim, a equipa mostrou como a chamada “protease principal” (Mpro) no vírus SARS-CoV-2 reagiu, quando foi confrontada com uma série de diferentes compostos químicos vegetais já conhecidos pelo seu poder anti-inflamatório e anti-oxidante.

“O Mpro no SARS-CoV-2 é necessário para que o vírus se replique e se reúna. Se pudermos inibir ou desactivar essa protease, o vírus irá morrer“, explica o autor do estudo.

As simulações de computador mostraram que os compostos químicos presentes em chá verde, em duas variedades de uvas muscadine, e em cacau em pó e chocolate negro, podem ligar-se a diferentes porções do Mpro.

“O Mpro tem uma parte que é como uma “bolsa” que foi “preenchida” pelos compostos químicos”, explica Xie, acrescentando que, durante o processo de análise, “quando esta bolsa foi preenchida, a protease perdeu a sua importante função”.

As experiências de laboratório mostraram resultados semelhantes, pois os compostos químicos presentes no chá verde e nas uvas inibiram a função do Mpro.

No caso dos compostos químicos do cacau em pó e do chocolate amargo, estes reduziram a actividade do Mpro a mais de metade, refere o Futurity.

ZAP //

Por ZAP
9 Dezembro, 2020