305: Ressuscitada a bactéria da cólera que matou um soldado da I Guerra Mundial

 

State Library of South Australia / Flickr

As bactérias que provocaram um quadro grave de diarreia num soldado do Império Britânico na I Guerra Mundial acabam de voltar à vida.

Um grupo de cientistas britânicos ressuscitou-as e cultivou-as. O sequenciamento do seu genoma mostra que as bactérias que fizeram o militar ficar doente é diferente daquelas que causaram as últimas pandemias de cólera. Já tinha resistência aos antibióticos e sofreu uma mutação em todo este tempo em que esteve guardada.

O soldado, de quem não há registos do nome e posição, adoeceu em 1916, estando na frente oriental. Durante a convalescença num hospital militar em Alexandria, no Egipto, recolheram amostras das suas fezes, isolando as bactérias da espécie Vibrio cholerae, a causa da cólera.

Preservadas liofilizadas – desidratados por congelamento -, desde 1920, fazem parte da Colecção Nacional de Culturas de Tipo, um repositório público britânico com 5.100 variedades de bactérias. Esta é uma das mais antigas do género Vibrio.

Agora, conta o El País, microbiólogos do Instituto Wellcome Sanger e da saúde pública britânica recuperaram, descongelaram e cultivaram uma parte das amostras. Os investigadores analisaram, sequenciaram o seu genoma e compararam-no com o de outras 200 linhagens, uma comparação que provocou mais de uma surpresa.

Os resultados, publicados na revista Proceedings of the Royal Society B, mostram que esta antiga cepa, ainda um V. cholerae, está muito longe das duas variedades (sorotipos) que causaram todas as pandemias de cólera desde 1800, incluindo a sexta pandemia, que durante o I Guerra Mundial matou dezenas de milhares de soldados, especialmente as potências centrais.

Embora não possua os genes que codificam a toxina da cólera, possui elementos patogénico isolados, o que poderia ter causado o processo diarreico do soldado.

“Mesmo que esta amostra não cause um surto, é importante estudar tanto aqueles que causam doenças como aqueles que não o fazem”, disse o microbiólogo molecular Nicholas Thomson. “Portanto, esta amostra isolada do meio ambiente representa uma parte importante da história da cólera, uma doença que permanece tão importante hoje como nos séculos anteriores”, acrescenta.

Os autores acreditam que é a amostra viva da bactéria mais antiga da qual há evidências. Chamado NCTC 30, por ocupar essa posição na ordem do arquivo, é a única tirada dos 2.500 soldados britânicos que ficaram doentes com cólera durante toda a guerra, um número menor do que aqueles que afectaram os soldados austríacos, alemães e otomanos.

Além disso, o NCTC 30 é uma raridade. Desenvolve-se sem o flagelo bacteriano característico, um único apêndice que dá a sua motilidade às bactérias. De facto, quando vistas sob o microscópio, as bactérias não se movem.

“Descobrimos uma mutação num gene que é crítico para o desenvolvimento do flagelo, o que poderia explicá-lo”, referiu o investigador Matthew Dorman. As bactérias do soldado tinham o flagelo, por isso deve ter-se perdido desde então.

O NCTC 30 ainda tem uma última surpresa. Obtida em 1916, entre os seus genes existem alguns que codificam para defender-se contra a ampicilina, um antibiótico. Mais de uma década antes de Alexander Fleming encontrar a penicilina, a cepa já tinha desenvolvido resistência aos antibióticos. Esse achado confirma que as bactérias levam a vida inteira defendendo-se de outros microrganismos.

ZAP //

Por ZAP
14 Abril, 2019

 

304: Há uma planta sempre presente na nossa cozinha que previne a perda de memória

 

(CC0/PD) TheVirtualDenise / Pixabay

Ingerir alho pode prevenir o esquecimento, sobretudo em pacientes com Alzheimer ou Parkinson. O benefício vem do sulfeto alílico.

O consumo de alho ajuda a neutralizar as mudanças relacionadas à idade nas bactérias intestinais associadas a problemas de memória, segundo um estudo recente, realizado em cobaias. O benefício vem do sulfeto alílico, um composto presente no alho e conhecido pelos seus benefícios para a saúde.

“A nossa descoberta sugere que a administração dietética de alho, contendo sulfeto alílico, pode ajudar a manter microrganismos intestinais saudáveis e melhorar a saúde cognitiva em idosos”, afirmou Jyotirmaya Behera, líder da equipa de cientistas da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos.

Na prática, este composto restaura triliões de microrganismos, também conhecidos como microbiota, no intestino. Pesquisas anteriores já haviam sublinhado a importância da microbiota intestinal para a saúde humana, mas poucos estudos haviam explorado o bem-estar do intestino e as doenças neurológicas normalmente associadas ao envelhecimento.

“A diversidade da microbiota intestinal é diminuída em pessoas idosas, um estágio da vida em que as doenças neuro-degenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson, se desenvolvem, e as habilidades cognitivas e de memória podem diminuir”, disse Neetu Tyagi, cientista que fez parte da equipa responsável e co-autora deste estudo.

“Quisemos entender melhor como as alterações na microbiota intestinal estão relacionadas ao declínio cognitivo associado ao envelhecimento”, acrescentou, citada pelo Science Daily.

Behera adiantou que os dados sugerem que o consumo dietético de alho “pode ajudar a manter os microrganismos do intestino saudáveis e melhorar a capacidade cognitiva e de raciocínio na população mais idosa”.

Os cientistas testaram esta teoria em ratos idosos de 24 meses, o que equivale à idade humana entre os 56 e os 69 anos. A estas cobaias foi-lhes dado sulfeto alílico e os animais foram, posteriormente, comparados a ratos mais novos e da mesma idade que não receberam aquela substância.

Os resultados desta experiência revelaram que os roedores mais velhos que consumiram o suplemento revelaram ter uma melhor memória a curto e médio prazo, assim como uma melhor saúde intestinal.

Além disso, pesquisas subsequentes concluíram que o sulfeto alílico preserva ainda uma expressão genética derivada de um factor neuronal natriurético no cérebro que é crucial para a preservação da memória. As descobertas foram anunciadas na reunião anual da American Physiological Society, em Orlando, Florida.

Ainda assim, as experiências continuam. Os cientistas têm como objectivo entender melhor a relação entre a microbiota intestinal e o declínio cognitivo como tratamento no envelhecimento da população.

ZAP //

Por ZAP
14 Abril, 2019

 

301: Antidepressivo associado a morte súbita e paragens cardíacas é vendido em Portugal

 

massdistraction / Flickr

Um antidepressivo vendido em Portugal está a ser associado a problemas cardíacos e mortes súbitas. Chama-se Sertralina e já terão sido relatados pelo menos 14 casos no Reino Unido associado ao medicamento.

No ano passado, de acordo com o jornal britânico The Sun, um jovem de 24 anos, Liam Batten, sofreu um ataque cardíaco depois de tomar este fármaco, que lhe foi receitado para aliviar sintomas de ansiedade e a agorafobia – uma perturbação caracterizada por ataques de pânico quando as pessoas que sofrem desta condição se encontram em espaços abertos ou com muita gente e sintam que não conseguem fugir.

O jovem morreu nove dias mais tarde, depois de o medico lhe ter aumentado a dose do medicamento – cuja toma ainda se encontrava dentro dos níveis recomendados. A autópsia terá revelado níveis “elevados” da presença de sertralina no organismo, que terão motivado uma paragem cardíaca repentina.

Também Sadie Stock, de 28 anos, se encontrava a tomar este medicamento para tratar uma depressão pós-parto quando caiu inanimada na rua. Na autópsia foi confirmado que a paragem cardíaca foi devido à toma da Sertralina.

A Agência Reguladora dos Medicamentos do Reino Unido (MHRA) emitiu um comunicado afirmando que 164 pessoas morreram desde 1990 depois de tomarem este fármaco, sendo que 14 dessas mortes foram relacionadas a problemas cardíacos.

Em comunicado, o porta-voz da MHRA referiu que “os pacientes são aconselhados a divulgarem ao seu médico se sofrem de algum problema do coração ou se sofrem de doenças coronárias, se têm um historial familiar de insuficiência cardíaca ou níveis baixos de potássio, ritmo cardíaco fraco ou se estão a tomar algum outro tipo de medicação que possa afectar o coração”.

A Instituição de Caridade Risco Cardíaco nos Jovens aconselhou os jovens com condições coronárias a não tomarem Sertralina. A Sertralina pertence a um grupo de fármacos denominados de inibidores selectivos da recaptação da serotonina (SSRI) e é utilizado para tratar a ansiedade e a depressão.

Profissionais de saúde e activistas estão agora a questionar se a droga em questão está associada a problemas cardíacos potencialmente fatais, sobretudo entre aqueles que têm um historial genético.

Mary Sheppard disse: “Concordo que existe uma ligação entre a Sertralina e a SIDS mas não existem ainda provas suficientemente seguras. Ainda assim, não podemos ignorar estes casos”.

ZAP //

Por ZAP
20 Março, 2019

 

300: Perda de peso pode reverter diabetes tipo 2

 

v1ctor Casale / Flickr

Segundo um estudo recente, um terço das pessoas que seguiram uma dieta baixa em calorias para perder quantidades substanciais de peso reverteram a diabetes tipo 2.

À medida que a epidemia da obesidade assola todo o mundo, o número de pessoas com diabetes tipo 2 cresce substancialmente. Mas há esperança: um estudo recente mostra que esta condição não é uma sentença de prisão perpétua, segundo o The Guardian.

O estudo, publicado na The Lancet: Diabetes & Endocrinology, aponta que seguir uma dieta baixa em calorias pode reverter quadros de diabetes tipo 2. A mudança alimentar conseguiu reverter a doença em 46% dos participantes do estudo no primeiro ano após o início da investigação. Além disso, 64% dos indivíduos que perderam mais de 10 quilos mantiveram os resultados de reversão dois anos depois do fim da pesquisa.

“Agora entendemos a natureza biológica desta condição reversível. No entanto, os doentes em remissão precisam de saber que a diabetes tipo 2 pode retornar se recuperarem o peso perdido”, adiantou Roy Taylor, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

O estudo envolveu 300 pessoas, com idades compreendidas entre os 20 e os 65 anos, diagnosticadas com diabetes tipo 2 e índice de massa corporal (IMC) entre os 27 e os 45 quilos por metro quadrado (kg/m2).

Segundo o The Guardian, os participantes foram divididos em dois grupos: o primeiro recebeu o tratamento padrão e o segundo participou num programa de controlo de preso, no qual tinham de seguir uma dieta líquida com uma duração de 12 a 20 semanas.

Este tipo de dieta consiste em ingerir refeições de baixo teor calórico, geralmente líquidas. A ingestão diária não deveria ultrapassar as 850 calorias diárias, distribuídas em quatro refeições ao longo do dia.

Mesmo depois do fim da dieta líquida, os investigadores continuaram a acompanhar os participantes nos dois anos que se seguiram, e notaram o reflexo da perda de peso no que diz respeito à diabetes tipo 2: um ano depois, 46% dos participantes reverteram o quadro diabético.

Como esperado, entre o primeiro e o segundo ano, os participantes recuperaram algum peso. No entanto, 64% dos indivíduos que perderam mais de 10 quilos mantiveram os resultados de reversão dois anos depois do fim da pesquisa.

Mike Lean, da Universidade de Glasgow,afirmou que a principal prioridade da comunidade científica (e dos próprios doentes) era esclarecer se a diabetes tipo 2 podia ser revertida ou curada.

“Com base neste estudo, podemos agora dizer que sim. Devemos preocupar-nos em ajudar os pacientes a manter a perda de peso e, assim, permanecer em remissão toda a vida”, rematou o investigador.

ZAP //

Por ZAP
13 Março, 2019

 

299: Terapia revolucionária pode tratar uma das causas mais comuns de cegueira

 

NIHR Oxford BRC / Twitter

Pela primeira vez no mundo, uma equipa de cirurgiões do Hospital John Radcliffe, no Reino Unido, recorreu a uma terapia genética para tratar a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), uma das doenças mais associada à cegueira.

A equipa, liderada pelo professor de oftalmologia da Universidade e de Oxford, Robert McLaren, injectou num paciente de 80 anos um vírus que continha um gene sintético para reverter a doença, tal como relata o Hospital Universitário de Oxford em comunicado.

De acordo com a mesma nota, o vírus injectado ataca a as células epiteliais pigmentares da retina (EPR), corrigindo o defeito genético e faz com que as células produzam proteínas hiperactivas que atacam as células da retina como se fossem bactérias, em vez das proteínas necessárias ao sistema imunológico. Por sua vez, o ADN que contém o vírus injectado estimula a produção das proteínas corretas, recuperando a visão do paciente.

Simplificando: o vírus injectado infecta as células da retina e libera o gene, permitindo que o olho produza uma proteína que visa impedir que as células morram, mantendo assim a mácula saudável.

Esta foi a primeira vez que uma terapia genética foi utilizada para tratar este tipo de patologia que leva à cegueira. Até então, este método era utilizado para curar algumas doenças hereditárias menos frequentes como a choroideremia ou a amaurose de Leber congénita, doenças degenerativas que afectam também a visão.

Método utilizado pela equipa de Oxford

“Um tratamento genético precoce para preservar a visão em pacientes que, sem intervenção cirúrgica perderiam a visão, seria um enorme avanço na oftalmologia e, certamente, é algo que espero num futuro próximo”, afirmou MacLaren citado pela BBC.

O DMRI é, até então, considerado um transtorno irreversível, podendo mudar caso este caso clínico seja bem sucedido. Caso se comprove a efectividade do tratamento, explicaram os cientistas, o procedimento só poderá ser aplicado uma vez em toda a vida.

Estima-se que em 2020 haverá 196 milhões de pessoas no mundo afectadas por esta doença, número este que deverá aumentar para 288 milhões em 2040. Em Portugal, estima-se que 12% da população com mais de 65 anos sofra de DMRI.

ZAP //

Por ZAP
26 Fevereiro, 2019

 

298: Vem aí uma pandemia global de Parkinson

 

yanivg / Flickr

A doença de Parkinson passou de uma doença rara a uma potencial pandemia global em algumas décadas, sendo actualmente “o distúrbio neurológico que mais cresce no mundo”. E nos próximos 20 anos, o número de doentes de Parkinson pode triplicar.

Um artigo científico no Journal of Parkinson’s Disease (O Jornal da Doença de Parkinson) debruça-se sobre como é que o mal de Parkinson passou de uma doença rara para se tornar no “distúrbio neurológico que mais cresce no mundo“, apontando que devido a factores demográficos e às consequências da industrialização, pode mesmo tornar-se numa pandemia global.

“Em 2040, poderemos falar de uma pandemia que resultará no aumento do sofrimento humano, além de disparar os custos sociais e médicos“, alerta o editor-chefe do Journal of Parkinson’s Disease (JPD), Patrik Brundin, um dos autores do artigo científico, citado pelo Sciencealert.com.

Cada vez mais pessoas serão afectadas por este mal nas próximas décadas e o número de doentes pode triplicar nos 20 anos que aí vêm, muito devido ao aumento da esperança média de vida global que contribui também para incrementar os casos de outras doenças neurológicas.

A doença de Parkinson foi identificada em 1817 pelo cirurgião britânico James Parkinson e em 2016, afectava 6,1 milhões de pessoas em todo o mundo, mais do dobro dos doentes que havia em 1990.

Daqui a 20 anos, esse número pode subir para 12 milhões de pessoas. Mas num cenário ainda mais trágico, o número pode chegar aos 17 milhões, nomeadamente se considerarmos o declínio no consumo do tabaco, fruto de campanhas de prevenção levadas a cabo nos últimos anos. É que o risco de sofrer de Parkinson desce em 40% no caso dos fumadores de longo termo, segundo investigações realizadas há várias décadas.

A crescente industrialização, designadamente devido à exposição a pesticidas, solventes e metais pesados que já foi associada com um aumento do risco de Parkinson, também vai contribuir para a inflação do número de pacientes com esta doença progressiva que afecta, gradualmente, a capacidade de mobilidade, o controlo muscular e o equilíbrio.

“A vaga da doença de Parkinson está a aumentar e a espalhar-se“, nota o neurologista Ray Dorsey do Centro Médico da Universidade de Rochester, nos EUA, um dos autores do artigo citado num comunicado.

Dorsey repara que a doença “exige um enorme custo humano para aqueles que têm a doença e para os que os rodeiam”, realçando a “tensão” gerada em quem exerce o papel de cuidador, além dos elevados “custos económicos” do Parkinson que tendem a crescer nas próximas décadas.

A boa notícia é que ainda podemos agir para tentar evitar a pandemia, como sustenta Dorsey.

“No Século passado, a sociedade confrontou com sucesso pandemias de polio, cancro da mama e VIH a vários níveis”, refere o neurologista, destacando que “central para o sucesso desses esforços foi o activismo desenfreado“.

Assim, fica o convite à comunidade de investigadores e pacientes de Parkinson, bem como de pessoas em risco de sofrerem a doença, para fazerem campanha pela prevenção e pela recolha de fundos para financiar as pesquisas nesta área.

“Esperamos que este artigo aumente a consciencialização para o desafio e forme a base para uma resposta gerada pela comunidade para enfrentar um dos grandes desafios da saúde do nosso tempo”, destaca o co-autor do artigo Bastiaan R. Bloem, do Departamento de Neurologia do Centro Médico da Universidade Radboud, na Holanda.

SV, ZAP //

Por SV
15 Fevereiro, 2019

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...