446: Conjuntivite pode ser um dos primeiros sinais de covid-19

 

 

SAÚDE/COVID-19/CONJUNTIVITE

De acordo com os cientistas, um em cada dez doentes internados pode desenvolver conjuntivite relacionada com o novo coronavírus durante alguns dos estádios da infecção.

© EPA/Peter Komka

A conjuntivite pode ser o primeiro sintoma da infecção pelo novo coronavírus, segundo aponta um estudo realizado por oftalmologistas do Hospital Clínico San Carlos de Madrid, que avaliaram a prevalência e as características clínicas da doença.

O estudo foi elaborado a partir dos sintomas de 301 pacientes internados na clínica, com uma média de idade de 72 anos e é o primeiro do país a descrever a conjuntivite como um dos primeiros sinais da doença num grupo significativo de doentes, afirma a instituição em comunicado citado pelo jornal ABC.

O estudo indica uma prevalência de conjuntivite em 11,6% dos doentes hospitalizados com covid-19.

De acordo com os cientistas, um em cada dez doentes internados pode desenvolver conjuntivite relacionada com o novo coronavírus durante alguns dos estádios da infecção.

Os resultados podem ajudar outros médicos a fazer um diagnóstico precoce da doença, de acordo com os autores do estudo, que explicam que a conjuntivite associada ao covid-19 pode ocorrer em um ou ambos os olhos.

Os sintomas são olhos vermelhos acompanhados de lacrimejar ou leve secreção.

A conjuntivite cura-se espontaneamente em dois ou quatro dias e, até ao momento, não foram identificadas sequelas visuais ou complicações graves associadas.

Os autores do estudo consideram que a actual prevalência de conjuntivite entre os doentes infectados com covid-19 pode estar subestimada, fato que pode ser explicado por serem casos leves ou muito leves, porque os doentes não terem conhecimento que sofrem da doença e também pelo desconhecimento do que poderia significar esta sintomatologia, especialmente no início da pandemia.

Diário de Notícias
DN
01 Outubro 2020 — 19:37

 

 

395: Covid-19 pode afinal ser transmitida até 90 dias após o contágio

 

 

SAÚDE/COVID-19/CONTÁGIO

Estudo russo indica que o período de contágio em alguns casos pode ir muito além dos 14 dias. A mesma investigação aponta que uma pessoa sem sintomas pode transmitir o vírus através do nariz neste espaço temporal


A conclusão é de uma grande investigação realizada por cientistas russos do Centro Estatal Véktor de Investigação em Virologia e Biotecnologia. O coronavírus pode ser transmitido até 90 dias após uma pessoa ter sido contagiada, uma informação que contraria o que tem sido a regra geral aplicada, que apontava no sentido de o período de contágio ser de 14 dias.

De acordo com Anna Popova, directora dos serviços federais russos, o organismo de uma pessoa que esteja infectada com covid-19 pode continuar a transmitir o vírus por um período de 90 dias após ter sido contagiada. Segundo a mesma responsável, apoiando-se nas conclusões deste estudo, a transmissão do vírus pode até ocorrer em casos de pessoas que já não têm qualquer sintoma da doença.

Anna Popova, que falava numa sessão de esclarecimento na Academia das Ciências da Rússia, explicou que estudos feitos a pacientes na Rússia indicaram que o período de contágio ia até 48 dias, mas que foram encontrados casos no estrangeiro em que esse período de transmissão do vírus chegou aos 90 dias.

A mesma responsável fez ainda questão de alertar que esta transmissão num espaço temporal até 90 dias não é apenas feita por pessoas que apresentem sintomas. “Uma pessoa que já não apresenta sintomas, que se sente perfeitamente bem e saudável e mesmo que tenha o sangue com todos os indicadores bons, pode continuar a transmitir a covid-19 através do nariz”, explicou.

Anna Popova realçou que não existem até hoje dados suficientes sobre o coronavírus e as suas verdadeiras consequência na saúde humana, mas destacou que neste mesmo estudo do Centro Estatal Véktor de Investigação em Virologia e Biotecnologia, e perante o estudo de 422 amostra, não foi detectado nenhuma mutação significativa do coronavírus.

A Rússia já começou a distribuir a vacina Sputnik-V em várias regiões do país como forma de combate ao covid-19. Nesta primeira fase trata-se de um teste piloto para testar as cadeias logísticas, antes de iniciar uma entrega em larga escala nas próximas semanas.

A vacina russa contra a covid-19 foi a primeira a ser registada no mundo, a 11 de Agosto, e mostrou não produzir efeitos secundários nas duas primeiras fases, embora a terceira ainda não esteja concluída, estando ainda a ser recrutadas as 40 mil pessoas que devem participar nesta fase.

Diário de Notícias

Nuno Fernandes
16 Setembro 2020 — 11:10

 

 

394: Portugal regista mais 425 infectados e quatro mortes por covid-19

 

 

SAÚDE/COVID-19

José Sena Goulão / Lusa

Portugal regista mais quatro mortos e 425 casos de infecção por covid-19 este terça-feira, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Os números revelados no boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta terça-feira indicam que há mais 425 novos casos de covid-19, o que eleva para 65.021 o número total de casos identificados desde o início da pandemia.

Segundo o Expresso, trata-se de um valor abaixo da média dos últimos sete dias (589,4), mas acima da média dos últimos 30 (364).

A região com o maior número de infectados nas últimas 24 horas é Lisboa e Vale do Tejo (mais 227 novas infecções – 53,4%). Seguem-se o Norte (mais 117 casos), o Centro (mais 51), o Algarve (mais 15), o Alentejo (mais 14) e os Açores (mais 1). A Madeira não registou novos casos.

Nas últimas 24 horas, mais uma pessoa com covid-19 foi internada (478). Além disso, há menos dois infectados em unidades de cuidados intensivos (59).

Portugal registou também mais quatro óbitos. Destes, dois foram registados no Norte, um em Lisboa e Vale do Tejo e outro no Algarve. O total de óbitos é agora de 1.875.

Já se encontra disponível o relatório de situação de hoje, 15 de Setembro, que pode ser consultado integralmente em…

Publicado por Direção-Geral da Saúde em Terça-feira, 15 de Setembro de 2020

Nas últimas 24 horas, foram dados como recuperados mais 177 doentes, sendo agora o total de recuperados de 44.784.

Neste momento, há 18.784 doentes portugueses activos a ser acompanhados pelas autoridades de saúde, mais 244 do que segunda-feira. Em vigilância estão 36.758 pessoas.

ZAP //

Por ZAP
15 Setembro, 2020

 

379: País em estado contingência a partir de 15 de Setembro

 

SAÚDE/COVID-19

Lisboa manter-se-á em estado de contingência por mais 15 dias, todo o país entrará neste regime a partir de 15 de Setembro, anunciou esta quinta-feira a ministra de Estado e da Presidência Mariana Vieira da Silva.

“Vamos trabalhar começar a trabalhar essas medidas”, acrescentou lembrando que o páis estará a funcionar de outra forma “de enfrentar este novo momento”.

O que temos visto é um “aumento dos números por toda a Europa”, disse, acrescentando que “nesta quinzena funcionam as mesmas regras e preparemos a quinzena seguinte”.

O governo já aprovou as regras para as escolas “numa situação de estabilidade como a que vivemos”, afirmou a ministra. No entanto, “precisamos de preparar o aparecimento de casos em contexto escolar”.

No dia 7 de Setembro voltam as reuniões do Infarmed – entre responsáveis políticos e especialistas.

Diário de Notícias
27 ago 14:00

 

378: Mais 399 casos de covid e 2 mortes em Portugal nas últimas 24 horas

 

SAÚDE/COVID-19

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde de hoje revela que o total de casos no país é agora de 56.673, com 1809 mortes registadas.

© André Luís Alves/Global Imagens

Morreram mais duas pessoas e foram confirmados mais 399 casos de covid-19 em Portugal, nas últimas 24 horas. É um número de novas infecções superior ao verificado na quarta-feira (362), com uma subida de 37 casos, e é o maior contabilizado desde 10 de Julho (402). Os dois óbitos foram registados na região de Lisboa.

O total de casos no país é agora de 56.673, com 1809 mortes contabilizadas desde Março. Nos casos, houve 31209 mulheres e 25464 homens infectados. Nas mortes, há mais vítimas masculinas, 912, do que femininas, 897.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde desta quinta-feira, dia 27 de agosto, há 317 pessoas internadas em hospitais (mais 6), com 35 (-3) nos Cuidados Intensivos.

O número de recuperados aumentou, com mais 173 pessoas livres do vírus. No total já recuperaram 41.357 pessoas.

Segundo os dados da DGS, há mais 224 casos activos no país, num total de 13.507.

As regiões de Lisboa e Vale do Tejo e Norte são as que registam mais novos casos. Dos 399, 182 são na área de Lisboa e 161 na zona Norte. No Centro há mais 26 infecções, no Alentejo 8, no Algarve também 8, Madeira 7 e Açores 3.

Mais de 23,4 milhões de infectados no mundo

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infectou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em vários países começam a surgir surtos preocupantes. Na Ásia, as infecções têm subido. A Coreia do Sul registou 441 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciaram as autoridades, o pior balanço diário desde 7 de Março, quando o país contabilizou 483 infecções. Também a Índia contabilizou 75.760 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados do Ministério da Saúde indiano, um valor que representa um novo recorde diário no país.

Em África, nas últimas 24 horas, foram registadas mais 9.094 pessoas infectadas, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), que reúne os dados mais recentes dos relatórios oficiais dos 55 países-membros da organização. O número de mortes por covid-19 em África é de 28.596, num universo de 1.212.012 infectados no continente, cujas regiões Austral e do Norte são as mais afectadas, segundo dados oficiais.

Na Europa, vários países como França, Itália e Alemanha têm assistido a um novo crescimento do número de infecções. Mas o caso mais alarmante é Espanha, com um número de casos por milhão de habitantes muito alto, sendo o pior país europeu. Regista 419 849 infectados desde o início da pandemia e quase 29 mil mortes.

Paris com uso obrigatório de máscara

Em França, o uso de máscara vai passar a ser obrigatório em toda a cidade de Paris e em todas as universidades francesas para conter a pandemia de covid-19, que “está a aumentar novamente em França”, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro, Jean Castex. Algumas cidades como Toulouse ou Marselha já tinham alargado o uso de máscara ao exterior.

Na América do Sul, a covid-19 continua a fazer vítimas. O Peru tornou-se o país com a maior mortalidade do mundo por covid-19, depois de a Bélgica ter corrigido o número de mortes ao subtrair 121 óbitos ao balanço pandémico. No país sul-americano o surto está longe de ser controlado e centenas de mortes diariamente naquele que é já o sexto país do mundo com mais casos confirmados, acumulando mais de 607 mil infectados.

Diário de Notícias
DN
27 Agosto 2020 — 14:35

 

355: Vitamina D associada a menos mortes por covid-19 (e 80% dos portugueses tem falta dela)

 

CIÊNCIA/SAÚDE

Nick Kenrick / Flickr

Um estudo publicado associa a deficiência de vitamina D a uma maior taxa de mortalidade por Covid-19, dando como exemplo países como Espanha e Itália. Portugal é um dos países analisados com os índices mais baixos desta vitamina e o médico Pedro Lôbo do Vale constata que “80% da população tem valores inferiores ao normal”.

A pesquisa publicada no jornal científico Aging Clinical and Experimental Research constatou uma associação entre os baixos níveis de vitamina D e elevados índices de mortalidade por covid-19, após a análise de dados de pacientes de 20 países europeus.

A vitamina D modula a resposta dos glóbulos brancos a infecções, prevenindo que libertem demasiadas citocinas inflamatórias, notam os investigadores. Ora, a covid-19 provoca um excesso de citocinas inflamatórias, o que, segundo alguns especialistas, é uma das principais complicações criadas pela doença.

O estudo agora publicado atribui as elevadas taxas de mortalidade em países como Espanha, Itália e Reino Unido a baixos índices de vitamina D na sua população, comparando-os com os países do Norte da Europa que têm níveis superiores desta vitamina e que foram menos atacados pela pandemia.

Os dados que reportam até 8 de Abril de 2020 colocam Portugal como o país com o pior índice de vitamina D – 30 nanomoles por litro (nmol/L) de sangue – atrás de Espanha (42.5 nmol/L), da Suíça (46 nmol/L), do Reino Unido (47.4 nmol/L), da Bélgica (49.3 nmol/L) e de Itália (50 nmol/L).

Ilie et all
Nível de vitamina D, casos de covid-19/1 milhão de habitantes e mortes causadas por covid-19/1 milhão de habitantes. Dados até 8 de Abril de 2020.

O médico Pedro Lôbo do Vale corrobora os valores relativamente ao nosso país, notando, em declarações ao Correio da Manhã (CM), que “os estudos feitos em Portugal demonstram que 80% da população tem valores inferiores ao normal“. “O normal é de 30 a 100 unidades diárias e há pessoas que têm 12, 13, 14”, aponta.

“A vitamina D é fundamental para a imunidade e as pessoas mais afectadas por esta carência são, precisamente, as pessoas de mais idade. Dos 80 para cima, mas também dos 60 até aos 80, e até mais novas. Os que estão em lares, então, não apanham sol nenhum. E têm valores baixíssimos de vitamina D”, constata ainda Pedro Lôbo do Vale.

O médico repara que se pode fomentar a produção de vitamina D pelo organismo com a exposição solar e com o consumo de peixes gordos.

“Mas é um facto de que cada vez se apanha menos sol. Os trabalhos no exterior são cada vez menos e em lazer as pessoas evitam a exposição solar directa e usam protector solar, que diminui a absorção da vitamina D”, destaca Pedro Lôbo do Vale.

O médico recomenda que se siga o exemplo dos nórdicos que “tomam óleo de fígado de bacalhau logo pela manhã”.

Vitamina D pode “cortar mortalidade em metade”

A pesquisa realizada por investigadores das Universidades Northwestern (EUA) e Anglia Ruskin (Reino Unido) e do Hospital Queen Elizabeth que integra o Serviço Nacional de Saúde britânico concluiu que os valores mais altos de vitamina D encontram-se no norte da Europa, países que também têm as mais baixas taxas de mortalidade por covid-19.

Os cientistas avançam os hábitos do consumo de óleo de fígado de bacalhau e de suplementos, bem como o facto de não evitarem apanhar sol, como as razões para os altos índices de vitamina D nos países nórdicos.

Por outro lado, “os níveis de vitamina D são severamente baixos na população idosa de Espanha, Itália e Suíça“, aponta-se no estudo. Nestes países verificam-se, por seu turno, elevadas taxas de mortalidade por covid-19.

“Tem-se demonstrado que a Vitamina D protege contra infecções respiratórias agudas e os adultos mais velhos, o grupo mais deficiente em vitamina D, são também os mais gravemente afectados pela covid-19″, atesta o investigador Lee Smith, especializado em Saúde Pública e Actividade Física da Universidade Anglia Ruskin, em declarações divulgadas num comunicado sobre o estudo.

“Encontramos um relacionamento bruto significativo entre os níveis médios de vitamina D e o número de casos de covid-19, e particularmente as taxas de mortalidade por covid-19”, salienta ainda Lee Smith.

Os pacientes com deficiência severa de vitamina D têm duas vezes mais probabilidades de sofrerem complicações graves, concluíram os cientistas que atestam que há uma “co-relação entre baixos níveis de vitamina D e sistemas imunológicos hiperactivos”.

A pesquisa salienta uma ligação directa entre os níveis de vitamina D e a chamada “tempestade de citocinas“, a resposta hiper-inflamatória do organismo que é despoletada pela reacção do sistema imunitário ao vírus.

“A tempestade de citocinas pode danificar gravemente os pulmões e levar à síndrome do desconforto respiratório agudo e à morte em pacientes. É isto que parece matar a maioria dos pacientes de covid-19, não a destruição dos pulmões pelo vírus em si”, frisa o investigador Ali Daneshkhah que esteve envolvido no estudo.

“São as complicações do fogo mal direccionado do sistema imunológico” que matam e não tanto a covid-19, como realça Daneshkhah.

Ora, “a vitamina D fortalece a imunidade inata e previne respostas imunológicas hiperactivas”, frisa a Universidade Northwestern num comunicado sobre a pesquisa.

O professor de Engenharia Biomédica na Universidade Northwestern, Vadim Backman, que também esteve envolvido no estudo, sustenta que a vitamina D “não previne que um paciente contraia o vírus, mas pode reduzir as complicações e prevenir a morte naqueles que são infectados”.

Backman acredita que pode “cortar a taxa de mortalidade em metade”.

E pode  explicar mistério da baixa mortalidade em crianças

As conclusões do estudo podem também, segundo o professor, ajudar a explicar porque é que há menor probabilidade de morrerem crianças com covid-19. É que estas ainda não desenvolveram totalmente o seu sistema imunitário adquirido.

“As crianças contam, primeiramente, como os seus sistemas imunitários inatos. Isto pode explicar porque é que a sua taxa de mortalidade é inferior”, defende Backman.

O urologista Petre Cristian Ilie, do Hospital Queen Elizabeth, que também integrou o estudo, avisa, contudo, que a investigação é condicionada pelo número de testes realizados, bem como pelas medidas tomadas por cada país para conter a epidemia. “Co-relação não significa, necessariamente, causa-efeito”, nota.

Fica também o alerta de que nem toda a gente precisa de começar a tomar suplementos de vitamina D – até porque é conveniente evitar tomar doses excessivas, o que pode acarretar efeitos secundários adversos.

Também não há números quanto à dose que será “mais benéfica para a covid-19”, como explica Backman.

“Contudo, é claro que a deficiência de vitamina D é prejudicial e pode ser abordada facilmente com a suplementação apropriada”, sublinha o investigador, concluindo que “pode ser uma chave para ajudar a proteger populações mais vulneráveis”, nomeadamente os “pacientes idosos que têm uma prevalência de deficiência de vitamina D”.

Um estudo divulgado em 2015 apurou que basta expor os braços e as pernas ao sol durante 20 minutos por dia, entre os meses de Abril e de Setembro, para obter a vitamina D necessária para um ano inteiro.

SV, ZAP //

Por SV
11 Maio, 2020

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...