Contra a diabetes de tipo 2, coma esta leguminosa ‘mágica’

 

Os sintomas da diabetes incluem a vontade frequente de urinar e a perda inexplicável de peso. Adicionar esta leguminosa ao seu regime alimentar pode ajudar a estabilizar os níveis de glucose.

© iStock Os sintomas da diabetes incluem a vontade frequente de urinar e a perda inexplicável de peso. Adicionar esta leguminosa ao seu regime alimentar pode ajudar a estabilizar os níveis de glucose.

A diabetes é uma condição crónica que provoca o aumento dos níveis de açúcar no sangue.

Em particular, a diabetes de tipo 2 desenvolve-se quando o corpo se torna resistente à insulina ou quando o pâncreas não produz quantidades suficientes daquela substância.

Os sintomas mais comuns de diabetes de tipo 2 englobam a vontade frequente de urinar, a perda inexplicável de peso ou o aumento do apetite, alterações no humor e problemas em dormir.

Porém, uma das formas mais fáceis de diminuir os índices de açúcar no sangue consiste em adoptar algumas mudanças na dieta e no estilo de vida – nomeadamente optar por ingerir uma alimentação saudável e a prática regular de exercício físico.

Vários estudos já apuraram que comer uma dieta rica em leguminosas, nomeadamente em lentilhas, pode ajudar a regular os índices de açúcar e melhorar ainda o controlo glicémico, ambos factores importantes na gestão da diabetes de tipo 2.

As lentilhas são óptimas para os pacientes que sofrem com a doença devido ao seu baixo teor glicémico.

Um estudo realizado por investigadores da Universidade de Toronto, no Canadá, observou os efeitos daquela leguminosa em 121 doentes que padeciam de diabetes de tipo 2.

Os participantes foram divididos em dois grupos – um dos quais adicionou meia chávena de lentilhas ao seu regime alimentar, enquanto que o outro optou por consumir somente alimentos integrais.

Os resultados publicados no periódico científico Archives of Internal Medicine, apuraram que aqueles que consumiram lentilhas apresentaram o dobro da redução dos níveis de açúcar no sangue.

Mais ainda, aquela “leguminosa ‘mágica’”(como foi apelidada pelos cientistas) contribuiu ainda para a redução da pressão arterial.

msn lifestyle
Liliana Lopes Monteiro
18/10/2019

 

317: Diabetes tipo 2 pode ser revertida através da perda de peso

 

rawpixel / unsplash

Resultados de um novo estudo sugerem que as pessoas que foram recentemente diagnosticadas com diabetes tipo 2 podem reverter a doença com uma perda de 10% do seu peso corporal.

Por todo o mundo, cerca de 400 milhões de pessoas têm diabetes tipo 2. As boas notícias, segundo o Science Alert, é que muitas vezes pode ser evitada através do controlo do peso, do exercício físico regular e de uma dieta equilibrada e, mesmo que esta doença nos seja diagnosticada, isso não significa que é necessariamente para sempre.

Nos últimos anos, pesquisas mostraram que é possível reverter a doença e, agora, um novo estudo demonstra que a recuperação pode ser muito mais fácil do que se pensava.

“Já sabemos há algum tempo que a remissão da diabetes é possível usando medidas bastante drásticas, como programas intensivos de perda de peso e restrição extrema de calorias”, diz o epidemiologista Hajira Dambha-Miller, da Universidade de Cambridge.

Num ensaio clínico de 2017, os pacientes tiveram que adoptar uma “substituição total da dieta”, consumindo batidos de baixas calorias durante até cinco meses, antes de serem lentamente reintroduzidos os alimentos.

Embora esta intervenção seja algo extrema e difícil, a verdade é que obtém resultados, assim como outras abordagens intensivas que envolvem combinações de medicamentos, insulina e ajustes no estilo de vida.

Mas, de acordo com Dambha-Miller, as pessoas com diabetes tipo 2 podem não precisar de ser tão extremistas para aumentar as suas hipóteses de reverter a doença. “Os nossos resultados sugerem que pode ser possível ver-se livre da diabetes, durante pelo menos cinco anos, com uma perda de peso mais modesta de 10%“, diz a cientista.

No novo estudo, publicado em Setembro na revista científica Diabetic Medicine, a equipa examinou um grupo de 867 pessoas, com idades entre os 40 e os 69 anos, que tinham sido recentemente diagnosticadas com diabetes tipo 2.

Todos os participantes eram do leste de Inglaterra e foram monitorizados durante cinco anos, durante o qual algumas pessoas receberam um tratamento de intervenção (com consultas e recursos médicos adicionais) ou um grupo de controlo que recebeu apenas atendimento médico de rotina.

No final dos cinco anos de acompanhamento, 257 dos participantes (cerca de 30% do grupo) estavam em remissão.

Em comparação com as pessoas que mantiveram o mesmo peso ao longo do estudo, as pessoas que perderam 10% do seu peso corporal, ou mais, duplicaram as suas hipóteses de alcançar a remissão e reverter o diagnóstico de diabetes tipo 2.

Os autores do estudo observam que experimentos clínicos anteriores que defendiam uma perda de peso de 15% ou mais podem desincentivar os pacientes que têm dificuldade em atingir física ou emocionalmente esses ambiciosos objectivos.

“Isto pode dar algumas razões para motivar as pessoas com diabetes tipo 2 recém-diagnosticadas a perder peso, em vez de se concentrarem em metas específicas e potencialmente inatingíveis”, explicam os cientistas.

ZAP //

Por ZAP
7 Outubro, 2019

 

313: Mesmo que não beba, o seu fígado pode sofrer danos causados por álcool

 

andrew_bro / Flickr

A lesão hepática é uma das consequências bem conhecidas do consumo excessivo de álcool. Mas nem sempre é preciso beber para sofrer delas.

Algumas bactérias intestinais produzem álcool e podem danificar o nosso fígado sem lhe proporcionar prazeres temporários da bebida.

Cerca de um quarto dos adultos do mundo sofre de doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), onde a gordura se acumula no fígado, impedindo a sua função, sem beber em excesso. A sua causa é desconhecida, mas um artigo publicado recentemente na revista especializada Cell Metabolism sugere que o nome é um pouco enganador.

ing Yuan, do Instituto de Pediatria da Capital da China, e os seus colegas estudaram um paciente com DHGNA grave que também se embebedava sempre que comia alimentos ricos em açúcar, uma condição conhecida como síndrome da auto-cervejaria (ABS). O ABS normalmente está associado a infecções por leveduras, mas este paciente aparentemente não teve uma – ambas apresentando resultados negativos nos testes e não respondendo a medicamentos anti-leveduras.

Yuan aprofundou o estudo e descobriu que o álcool vinha de bactérias intestinais. “Ficamos surpreendidos que as bactérias pudessem produzir tanto álcool”, disse Yuan num comunicado divulgado pelo EurekAlert. “Quando o corpo está sobrecarregado e não consegue decompor o álcool produzido por essas bactérias, pode-se desenvolver a doença hepática gordurosa mesmo se não beber”.

Os autores estudaram as fezes das pessoas nessa situação para identificar as bactérias específicas responsáveis ​​e descobriram que a culpa era de cepas específicas de Klebsiella pneumonia.

Embora quase todo a gente tenha K. pneumonia no seu sistema digestivo, a maioria produz apenas pequenas quantidades de álcool. As cepas que Yuan encontrou em pessoas com NAFLD produzem quatro a seis vezes mais álcool do que as variedades mais comuns, o equivalente a transformar um único copo de vinho numa garrafa.

Yuan descobriu que 60% de uma amostra de chineses que sofrem de DHGNA têm bactérias intestinais que produzem quantidades consideráveis ​​de álcool, embora raramente suficiente para produzir sinais óbvios de intoxicação.

Assim, uma em cada sete pessoas produz álcool suficiente para prejudicar a sua saúde sem ficar levemente agitada e sem beber nada.

Para confirmar que todo este álcool não-alcoólico é realmente responsável pela DHGNA, Yuan alimentou ratos com estirpes de K. pneumonia de alta fermentação e, num mês, os seus fígados apresentavam acumulação de gordura. Após outro mês, os fígados ficaram com cicatrizes, indicando danos a longo prazo. A remoção da K. pneumonia interrompeu os efeitos.

“O DHGNA é uma doença heterogénea e pode ter muitas causas”, disse Yuan. “O nosso estudo mostra que a K. pneumonia provavelmente é uma delas. Estas bactérias danificam o seu fígado como o álcool”.

O próximo passo é descobrir porque é que as cepas são infecciosas.

ZAP //

Por ZAP
23 Setembro, 2019

 

304: Há uma planta sempre presente na nossa cozinha que previne a perda de memória

 

(CC0/PD) TheVirtualDenise / Pixabay

Ingerir alho pode prevenir o esquecimento, sobretudo em pacientes com Alzheimer ou Parkinson. O benefício vem do sulfeto alílico.

O consumo de alho ajuda a neutralizar as mudanças relacionadas à idade nas bactérias intestinais associadas a problemas de memória, segundo um estudo recente, realizado em cobaias. O benefício vem do sulfeto alílico, um composto presente no alho e conhecido pelos seus benefícios para a saúde.

“A nossa descoberta sugere que a administração dietética de alho, contendo sulfeto alílico, pode ajudar a manter microrganismos intestinais saudáveis e melhorar a saúde cognitiva em idosos”, afirmou Jyotirmaya Behera, líder da equipa de cientistas da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos.

Na prática, este composto restaura triliões de microrganismos, também conhecidos como microbiota, no intestino. Pesquisas anteriores já haviam sublinhado a importância da microbiota intestinal para a saúde humana, mas poucos estudos haviam explorado o bem-estar do intestino e as doenças neurológicas normalmente associadas ao envelhecimento.

“A diversidade da microbiota intestinal é diminuída em pessoas idosas, um estágio da vida em que as doenças neuro-degenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson, se desenvolvem, e as habilidades cognitivas e de memória podem diminuir”, disse Neetu Tyagi, cientista que fez parte da equipa responsável e co-autora deste estudo.

“Quisemos entender melhor como as alterações na microbiota intestinal estão relacionadas ao declínio cognitivo associado ao envelhecimento”, acrescentou, citada pelo Science Daily.

Behera adiantou que os dados sugerem que o consumo dietético de alho “pode ajudar a manter os microrganismos do intestino saudáveis e melhorar a capacidade cognitiva e de raciocínio na população mais idosa”.

Os cientistas testaram esta teoria em ratos idosos de 24 meses, o que equivale à idade humana entre os 56 e os 69 anos. A estas cobaias foi-lhes dado sulfeto alílico e os animais foram, posteriormente, comparados a ratos mais novos e da mesma idade que não receberam aquela substância.

Os resultados desta experiência revelaram que os roedores mais velhos que consumiram o suplemento revelaram ter uma melhor memória a curto e médio prazo, assim como uma melhor saúde intestinal.

Além disso, pesquisas subsequentes concluíram que o sulfeto alílico preserva ainda uma expressão genética derivada de um factor neuronal natriurético no cérebro que é crucial para a preservação da memória. As descobertas foram anunciadas na reunião anual da American Physiological Society, em Orlando, Florida.

Ainda assim, as experiências continuam. Os cientistas têm como objectivo entender melhor a relação entre a microbiota intestinal e o declínio cognitivo como tratamento no envelhecimento da população.

ZAP //

Por ZAP
14 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

300: Perda de peso pode reverter diabetes tipo 2

 

v1ctor Casale / Flickr

Segundo um estudo recente, um terço das pessoas que seguiram uma dieta baixa em calorias para perder quantidades substanciais de peso reverteram a diabetes tipo 2.

À medida que a epidemia da obesidade assola todo o mundo, o número de pessoas com diabetes tipo 2 cresce substancialmente. Mas há esperança: um estudo recente mostra que esta condição não é uma sentença de prisão perpétua, segundo o The Guardian.

O estudo, publicado na The Lancet: Diabetes & Endocrinology, aponta que seguir uma dieta baixa em calorias pode reverter quadros de diabetes tipo 2. A mudança alimentar conseguiu reverter a doença em 46% dos participantes do estudo no primeiro ano após o início da investigação. Além disso, 64% dos indivíduos que perderam mais de 10 quilos mantiveram os resultados de reversão dois anos depois do fim da pesquisa.

“Agora entendemos a natureza biológica desta condição reversível. No entanto, os doentes em remissão precisam de saber que a diabetes tipo 2 pode retornar se recuperarem o peso perdido”, adiantou Roy Taylor, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

O estudo envolveu 300 pessoas, com idades compreendidas entre os 20 e os 65 anos, diagnosticadas com diabetes tipo 2 e índice de massa corporal (IMC) entre os 27 e os 45 quilos por metro quadrado (kg/m2).

Segundo o The Guardian, os participantes foram divididos em dois grupos: o primeiro recebeu o tratamento padrão e o segundo participou num programa de controlo de preso, no qual tinham de seguir uma dieta líquida com uma duração de 12 a 20 semanas.

Este tipo de dieta consiste em ingerir refeições de baixo teor calórico, geralmente líquidas. A ingestão diária não deveria ultrapassar as 850 calorias diárias, distribuídas em quatro refeições ao longo do dia.

Mesmo depois do fim da dieta líquida, os investigadores continuaram a acompanhar os participantes nos dois anos que se seguiram, e notaram o reflexo da perda de peso no que diz respeito à diabetes tipo 2: um ano depois, 46% dos participantes reverteram o quadro diabético.

Como esperado, entre o primeiro e o segundo ano, os participantes recuperaram algum peso. No entanto, 64% dos indivíduos que perderam mais de 10 quilos mantiveram os resultados de reversão dois anos depois do fim da pesquisa.

Mike Lean, da Universidade de Glasgow,afirmou que a principal prioridade da comunidade científica (e dos próprios doentes) era esclarecer se a diabetes tipo 2 podia ser revertida ou curada.

“Com base neste estudo, podemos agora dizer que sim. Devemos preocupar-nos em ajudar os pacientes a manter a perda de peso e, assim, permanecer em remissão toda a vida”, rematou o investigador.

ZAP //

Por ZAP
13 Março, 2019

[vasaioqrcode]

 

299: Terapia revolucionária pode tratar uma das causas mais comuns de cegueira

 

NIHR Oxford BRC / Twitter

Pela primeira vez no mundo, uma equipa de cirurgiões do Hospital John Radcliffe, no Reino Unido, recorreu a uma terapia genética para tratar a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), uma das doenças mais associada à cegueira.

A equipa, liderada pelo professor de oftalmologia da Universidade e de Oxford, Robert McLaren, injectou num paciente de 80 anos um vírus que continha um gene sintético para reverter a doença, tal como relata o Hospital Universitário de Oxford em comunicado.

De acordo com a mesma nota, o vírus injectado ataca a as células epiteliais pigmentares da retina (EPR), corrigindo o defeito genético e faz com que as células produzam proteínas hiperactivas que atacam as células da retina como se fossem bactérias, em vez das proteínas necessárias ao sistema imunológico. Por sua vez, o ADN que contém o vírus injectado estimula a produção das proteínas corretas, recuperando a visão do paciente.

Simplificando: o vírus injectado infecta as células da retina e libera o gene, permitindo que o olho produza uma proteína que visa impedir que as células morram, mantendo assim a mácula saudável.

Esta foi a primeira vez que uma terapia genética foi utilizada para tratar este tipo de patologia que leva à cegueira. Até então, este método era utilizado para curar algumas doenças hereditárias menos frequentes como a choroideremia ou a amaurose de Leber congénita, doenças degenerativas que afectam também a visão.

Método utilizado pela equipa de Oxford

“Um tratamento genético precoce para preservar a visão em pacientes que, sem intervenção cirúrgica perderiam a visão, seria um enorme avanço na oftalmologia e, certamente, é algo que espero num futuro próximo”, afirmou MacLaren citado pela BBC.

O DMRI é, até então, considerado um transtorno irreversível, podendo mudar caso este caso clínico seja bem sucedido. Caso se comprove a efectividade do tratamento, explicaram os cientistas, o procedimento só poderá ser aplicado uma vez em toda a vida.

Estima-se que em 2020 haverá 196 milhões de pessoas no mundo afectadas por esta doença, número este que deverá aumentar para 288 milhões em 2040. Em Portugal, estima-se que 12% da população com mais de 65 anos sofra de DMRI.

ZAP //

Por ZAP
26 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...