408: Portugal com 691 novos casos de covid-19 e três mortes nas últimas 24 horas

 

 

SAÚDE/COVID-19

Os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indicam que há 22.549 casos activos de covid-19 em Portugal (mais 302 do que na quarta-feira). O número de internamentos continua a aumentar. Existem agora 588 doentes hospitalizados, dos quais 85 em unidades de cuidados continuados.

© Helder Santos / Global Imagens

Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 691 casos de covid-19 (um crescimento de 0,98%) e três mortes, de acordo com os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta quinta-feira (24 de Setembro). Desde o início da pandemia no país, em Março, foram confirmados 71.156 casos positivos da doença causada pela infecção do novo coronavírus e 1.931 óbitos.

Os dados mostram que há mais 386 pessoas recuperadas, num total de 46.676, e que Portugal tem actualmente 22.549 casos activos de covid-19 (mais 302 do que na quarta-feira).

Há mais 17 pessoas internadas, elevando para 588 o número de hospitalizações. São agora 85 os doentes internados em unidades de cuidados intensivos, mais oito do que na véspera.

Dos novos casos reportados no boletim da DGS, 321 foram identificados em Lisboa e Vale do Tejo, que corresponde a 46,45% do total nacional de novas infecções.

De acordo com a ministra da Saúde, Marta Temido, Portugal tem 285 surtos activos, 45% dos quais centram-se na região Norte, que regista 129 focos da doença. Há 27 surtos no Centro, 90 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 15 no Alentejo e 24 no Algarve, informou a ministra durante a conferência de imprensa de quarta-feira sobre a evolução da pandemia em Portugal.

Situação de contingência estende-se até 15 de Outubro

Já esta quinta-feira, o Governo decidiu na reunião de Conselho de Ministros, prorrogar a vigência da situação de contingência em Portugal continental até às 23:59 de 14 de Outubro face a um quadro de aumento de casos de covid-19 nas últimas cinco semanas.

A decisão do Governo foi anunciada pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, adiantando que a situação de contingência em Portugal continental será reavaliada pelo executivo dentro de duas semanas, então já com uma análise mais aprofundada sobre o impacto das primeiras semanas de aulas nas escolas.

Portugal com “tendência preocupante” de casos de covid-19, mas com “risco moderado”

Perante o aumento de casos de infecção que o país tem registado, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) colocou esta quinta-feira Portugal num grupo de Estados com “tendência preocupante” de casos de covid-19, mas com “risco moderado”.

Na avaliação de risco, o ECDC aponta que os casos positivos de infecção com o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, aumentaram de forma sustentada em toda a União Europeia desde Agosto, o que demonstra que “as medidas tomadas nem sempre foram suficientes para reduzir ou controlar a exposição”, advertindo que “é por isso crucial que os Estados-membros implementem todas as medidas necessárias aos primeiros sinais de novos surtos”.

Segundo o Centro, intervenções não farmacêuticas tais como distanciamento físico, higiene e uso de máscaras revelaram-se insuficientes para reduzir ou controlar a exposição ao coronavírus.

Ainda assim, a directora do organismo, Andrea Ammon, apontou que, “até haver uma vacina segura e eficaz disponível, estas medidas continuam a ser a principal ferramenta de saúde pública para controlar e gerir os surtos” de covid-19.

Nesta avaliação actualizada, o ECDC dividiu os Estados-membros em três grupos: aqueles que apresentam uma “tendência estável e um risco reduzido”, os que têm uma “tendência preocupante, mas um risco moderado” e os que evidenciam “uma tendência preocupante e um risco elevado”.

Portugal é colocado no subgrupo com tendência preocupante, mas com um risco considerado moderado, que inclui os países onde são notificadas taxas [de infecção] elevadas e crescentes devido às elevadas taxas de testes realizados, e a transmissão é notificada prioritariamente em indivíduos jovens, com uma baixa proporção de casos graves e baixas taxas de notificação de morte.

Mais de 978 mil mortos e 31,9 milhões de infectados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a mais de 978 mil pessoas e infectou mais de 31,9 milhões em todo o mundo desde Dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, desta quinta-feira às 12.00 (hora de Lisboa), já morreram pelo menos 978.448 pessoas e de 31.975.020 foram infectadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em Dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 21.891.500 pessoas já foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

Diário de Notícias
Com Lusa.

 

401: Mais 802 novos casos e três mortes nas últimas 24 horas. Portugal tem 285 casos activos, 45% a norte

 

 

SAÚDE/COVID-19/PANDEMIA

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indica que o número de internamentos continua a aumentar. Há agora 571 pessoas hospitalizadas (mais 25 do que na terça-feira), das quais 77 em unidades de cuidados intensivos.

© JOSÉ COELHO/LUSA

Há mais 802 novos casos confirmados de covid-19 (um crescimento de 1,15%) e três mortes em Portugal nas últimas 24 horas, de acordo com os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta quarta-feira (23 de Setembro). No total, desde que a pandemia começou, o país registou 70.465 diagnósticos de covid-19 e 1.928 óbitos.

Há mais 25 pessoas internadas, o que eleva para 571 o número total de doentes hospitalizados, sendo que 77 estão em unidades de cuidados intensivos (mais sete face a terça-feira).

Os dados da DGS indicam que há mais 316 pessoas recuperadas da doença, num total de 46.290.

À data de hoje, Portugal tem 22.247 casos activos de covid-19, mais 483 do que na terça-feira.

Lisboa e Vale do Tejo tem mais de metade das novas infecções, com 437 novos casos reportados no boletim epidemiológico da autoridade da saúde, o que representa 54,5% do total nacional.

O Norte apresenta mais 240 diagnósticos de covid-19, o Centro regista mais 73 casos, o Alentejo mais 19 e no Algarve há mais 28 novas infecções. Há ainda mais dois casos na Madeira e três nos Açores.

285 surtos activos em Portugal

Existem 285 surtos activos no país, informou a ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal. Há 129 surtos no Norte (o que representa 45% do total) , 27 no Centro, 90 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 15 no Alentejo e 24 no Algarve.

O RT (índice de transmissibilidade) para o período de 14 a 18 de Setembro situa-se nos 1.11, sendo que a média diária de novos casos nos últimos dias é de 725, disse ainda Marta Temido.

Os três óbitos reportados nas últimas 24 horas ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo. As vítimas mortais tinham mais de 80 anos.

A taxa de letalidade global é de 2,7%, afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido.

O relatório da DGS indica também que há 40.765 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde, mais 347 face ao dia anterior.

Arruda dos Vinhos recomenda utilização de máscara na rua

Devido ao “aumento gradual de novos casos de contágio da doença nas últimas semanas” e ao início do ano letivo, A Câmara de Arruda dos Vinhos, no distrito de Lisboa, recomendou o uso de máscara na rua para prevenir o risco de contágio da covid-19 e encerrou parques infantis e campos de jogos no concelho.

Em comunicado, a autarquia recomendou “o uso de máscara na via pública e em espaços ao ar livre, em locais movimentados com base na aplicação do princípio da prevenção em saúde pública e como medida adicional de protecção individual e colectiva”.

O município determinou ainda o encerramento de parques infantis, campos de jogos e pavilhões desportivos.

Entre as recomendações está também a não concentração de pessoas na via pública e a sua dispersão quando forem mais de 10, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar.

Desde o início da pandemia, Arruda dos Vinhos contabiliza 88 casos de infecção, dos quais 46 estão activos, registando-se ainda dois mortos, de acordo com o último boletim epidemiológico da Comunidade Inter-municipal do Oeste.

Mais de 31 milhões de infectados em todo o mundo

A pandemia do novo coronavírus já infectou mais de 31,6 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo mais de cinco milhões na Europa, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, esta quarta-feira às 11:00 TMG (12.00 em Lisboa), a pandemia de covid-19 matou pelo menos 971.677 pessoas em todo o mundo desde que surgiu em Dezembro de 2019 na China. Pelo menos 21.641.500 pessoas foram consideradas curadas.

Na Europa, há 5.000.421 casos e 227.130 mortes, dos quais mais de metade são na Rússia (1.122.241 infecções, 19.799 mortes), Espanha (682.267 casos, 30.904 mortes), França (502.541 casos, 31.416 óbitos) e Reino Unido (403.551 casos, 41.825 óbitos)

Com Lusa.
Diário de Notícias
Susete Henriques
23 Setembro 2020 — 14:41

– Enquanto não existirem 🍅🍅🍅🍅 para colocarem esta gajada na ordem, a Pandemia vai continuar a aumentar diariamente, com INFECTADOS e MORTOS. Reparem na imagem seguinte e a rebaldaria da não utilização de máscara, além do não cumprimento do DISTANCIAMENTO SOCIAL.

E não me refiro apenas aos jovens mas à velhada intelectualóide, que continua a fazer a sua vidinha “social” sem que sejam interceptados pelas autoridades competentes e ainda se gabam de publicar as façanhas no Facebook. Portugal é um verdadeiro país do deixa-andar, habitado por gentinha sem carácter, sem vergonha, imbecil, hipócrita, cínica, que apenas pensa no seu bem estar e os outros que se lixem…

 

394: Portugal regista mais 425 infectados e quatro mortes por covid-19

 

 

SAÚDE/COVID-19

José Sena Goulão / Lusa

Portugal regista mais quatro mortos e 425 casos de infecção por covid-19 este terça-feira, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Os números revelados no boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta terça-feira indicam que há mais 425 novos casos de covid-19, o que eleva para 65.021 o número total de casos identificados desde o início da pandemia.

Segundo o Expresso, trata-se de um valor abaixo da média dos últimos sete dias (589,4), mas acima da média dos últimos 30 (364).

A região com o maior número de infectados nas últimas 24 horas é Lisboa e Vale do Tejo (mais 227 novas infecções – 53,4%). Seguem-se o Norte (mais 117 casos), o Centro (mais 51), o Algarve (mais 15), o Alentejo (mais 14) e os Açores (mais 1). A Madeira não registou novos casos.

Nas últimas 24 horas, mais uma pessoa com covid-19 foi internada (478). Além disso, há menos dois infectados em unidades de cuidados intensivos (59).

Portugal registou também mais quatro óbitos. Destes, dois foram registados no Norte, um em Lisboa e Vale do Tejo e outro no Algarve. O total de óbitos é agora de 1.875.

Já se encontra disponível o relatório de situação de hoje, 15 de Setembro, que pode ser consultado integralmente em…

Publicado por Direção-Geral da Saúde em Terça-feira, 15 de Setembro de 2020

Nas últimas 24 horas, foram dados como recuperados mais 177 doentes, sendo agora o total de recuperados de 44.784.

Neste momento, há 18.784 doentes portugueses activos a ser acompanhados pelas autoridades de saúde, mais 244 do que segunda-feira. Em vigilância estão 36.758 pessoas.

ZAP //

Por ZAP
15 Setembro, 2020

 

378: Mais 399 casos de covid e 2 mortes em Portugal nas últimas 24 horas

 

SAÚDE/COVID-19

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde de hoje revela que o total de casos no país é agora de 56.673, com 1809 mortes registadas.

© André Luís Alves/Global Imagens

Morreram mais duas pessoas e foram confirmados mais 399 casos de covid-19 em Portugal, nas últimas 24 horas. É um número de novas infecções superior ao verificado na quarta-feira (362), com uma subida de 37 casos, e é o maior contabilizado desde 10 de Julho (402). Os dois óbitos foram registados na região de Lisboa.

O total de casos no país é agora de 56.673, com 1809 mortes contabilizadas desde Março. Nos casos, houve 31209 mulheres e 25464 homens infectados. Nas mortes, há mais vítimas masculinas, 912, do que femininas, 897.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde desta quinta-feira, dia 27 de agosto, há 317 pessoas internadas em hospitais (mais 6), com 35 (-3) nos Cuidados Intensivos.

O número de recuperados aumentou, com mais 173 pessoas livres do vírus. No total já recuperaram 41.357 pessoas.

Segundo os dados da DGS, há mais 224 casos activos no país, num total de 13.507.

As regiões de Lisboa e Vale do Tejo e Norte são as que registam mais novos casos. Dos 399, 182 são na área de Lisboa e 161 na zona Norte. No Centro há mais 26 infecções, no Alentejo 8, no Algarve também 8, Madeira 7 e Açores 3.

Mais de 23,4 milhões de infectados no mundo

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infectou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em vários países começam a surgir surtos preocupantes. Na Ásia, as infecções têm subido. A Coreia do Sul registou 441 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciaram as autoridades, o pior balanço diário desde 7 de Março, quando o país contabilizou 483 infecções. Também a Índia contabilizou 75.760 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados do Ministério da Saúde indiano, um valor que representa um novo recorde diário no país.

Em África, nas últimas 24 horas, foram registadas mais 9.094 pessoas infectadas, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), que reúne os dados mais recentes dos relatórios oficiais dos 55 países-membros da organização. O número de mortes por covid-19 em África é de 28.596, num universo de 1.212.012 infectados no continente, cujas regiões Austral e do Norte são as mais afectadas, segundo dados oficiais.

Na Europa, vários países como França, Itália e Alemanha têm assistido a um novo crescimento do número de infecções. Mas o caso mais alarmante é Espanha, com um número de casos por milhão de habitantes muito alto, sendo o pior país europeu. Regista 419 849 infectados desde o início da pandemia e quase 29 mil mortes.

Paris com uso obrigatório de máscara

Em França, o uso de máscara vai passar a ser obrigatório em toda a cidade de Paris e em todas as universidades francesas para conter a pandemia de covid-19, que “está a aumentar novamente em França”, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro, Jean Castex. Algumas cidades como Toulouse ou Marselha já tinham alargado o uso de máscara ao exterior.

Na América do Sul, a covid-19 continua a fazer vítimas. O Peru tornou-se o país com a maior mortalidade do mundo por covid-19, depois de a Bélgica ter corrigido o número de mortes ao subtrair 121 óbitos ao balanço pandémico. No país sul-americano o surto está longe de ser controlado e centenas de mortes diariamente naquele que é já o sexto país do mundo com mais casos confirmados, acumulando mais de 607 mil infectados.

Diário de Notícias
DN
27 Agosto 2020 — 14:35

 

323: As pessoas estão a ser envenenadas por óleos essenciais (e pode ser fatal)

 

SAÚDE

Óleos essenciais cheiram bem, mas, se ingeridos oralmente, podem causar muitos problemas, incluindo toxicidade severa, pondo a vida em risco. 

Estudos recentes mostraram que envenenamentos com óleos essenciais têm sido cada vez mais comuns e mais graves na Europa e nos Estados Unidos. Os últimos números divulgados, referentes à Austrália, revelam uma tendência semelhante.

De acordo com o artigo publicado em Novembro na revista científica The Medical Journal of Australia, o novo estudo analisou dados do NSW Poisons Information Centre de Nova Gales do Sul, que lida com cerca de metade de todas as chamadas para os Centros de Informações sobre Intoxicações em todo o país.

Entre Julho de 2014 e Junho de 2018, a entidade registou 4.412 casos de envenenamento com óleos essenciais, sendo que cerca de dois terços deles envolviam crianças com menos de 15 anos. O número de chamadas aumentou de 1.011 em 2014 e 2015 para 1.177 em 2017 e 2018, representando um aumento considerável de 16%.

Os óleos essenciais são, de acordo com o IFLScience, compostos químicos voláteis – que evaporam a baixas temperaturas – que são extraídos do material vegetal através de um processo de destilação que, normalmente, envolve vapor. O seu nome refere-se ao facto de conterem a essência da fragrância da planta e, como tal, são conhecidos pelo seu aroma agradável.

Usado em perfumes, sabonetes, queimadores de incenso e auxiliares de aromaterapia, diz-se que os óleos essenciais beneficiam a saúde geral, relaxando o sistema nervoso. No entanto, alguns fornecedores também sugerem a aplicação tópica dos óleos ou a ingestão oral, algo para qual os autores do estudo alertam fortemente.

Entre os que entraram em contacto com o NSWPIC, cerca de 80% ingeriram acidentalmente óleos essenciais depois de confundir a garrafa com outra coisa – como xarope para tosse – ou por um erro terapêutico (13%). No entanto, 105 pessoas – 2,4% do total – tomaram deliberadamente os óleos, devido à desinformação sobre a segurança e eficácia de fazê-lo.

De acordo com os investigadores, os óleos essenciais podem “causar toxicidade severa quando ingeridos e o risco depende do óleo usado. O início da toxicidade pode ser rápido e pequenas quantidades (tão pequenas como cinco mililitros) podem causar toxicidade com risco de vida em crianças”, explicaram. “Os efeitos clínicos incluem vómitos, depressão ou excitação do sistema nervoso central e pneumonia por aspiração”.

Por outro lado, alguns óleos podem interferir no equilíbrio hormonal do corpo. Alguns estudos mostraram que o óleo de lavanda e o de melaleuca contêm compostos que imitam o estrogénio e inibem a testosterona.

Isto levou a um pequeno número de casos de ginecomastia pré-puberal, em que os meninos desenvolveram seios aumentados depois de aplicar repetidamente os óleos na pele. Os sintomas desapareceram quando os meninos pararam de usar os óleos.

ZAP //

Por ZAP
12 Dezembro, 2019

 

301: Antidepressivo associado a morte súbita e paragens cardíacas é vendido em Portugal

 

massdistraction / Flickr

Um antidepressivo vendido em Portugal está a ser associado a problemas cardíacos e mortes súbitas. Chama-se Sertralina e já terão sido relatados pelo menos 14 casos no Reino Unido associado ao medicamento.

No ano passado, de acordo com o jornal britânico The Sun, um jovem de 24 anos, Liam Batten, sofreu um ataque cardíaco depois de tomar este fármaco, que lhe foi receitado para aliviar sintomas de ansiedade e a agorafobia – uma perturbação caracterizada por ataques de pânico quando as pessoas que sofrem desta condição se encontram em espaços abertos ou com muita gente e sintam que não conseguem fugir.

O jovem morreu nove dias mais tarde, depois de o medico lhe ter aumentado a dose do medicamento – cuja toma ainda se encontrava dentro dos níveis recomendados. A autópsia terá revelado níveis “elevados” da presença de sertralina no organismo, que terão motivado uma paragem cardíaca repentina.

Também Sadie Stock, de 28 anos, se encontrava a tomar este medicamento para tratar uma depressão pós-parto quando caiu inanimada na rua. Na autópsia foi confirmado que a paragem cardíaca foi devido à toma da Sertralina.

A Agência Reguladora dos Medicamentos do Reino Unido (MHRA) emitiu um comunicado afirmando que 164 pessoas morreram desde 1990 depois de tomarem este fármaco, sendo que 14 dessas mortes foram relacionadas a problemas cardíacos.

Em comunicado, o porta-voz da MHRA referiu que “os pacientes são aconselhados a divulgarem ao seu médico se sofrem de algum problema do coração ou se sofrem de doenças coronárias, se têm um historial familiar de insuficiência cardíaca ou níveis baixos de potássio, ritmo cardíaco fraco ou se estão a tomar algum outro tipo de medicação que possa afectar o coração”.

A Instituição de Caridade Risco Cardíaco nos Jovens aconselhou os jovens com condições coronárias a não tomarem Sertralina. A Sertralina pertence a um grupo de fármacos denominados de inibidores selectivos da recaptação da serotonina (SSRI) e é utilizado para tratar a ansiedade e a depressão.

Profissionais de saúde e activistas estão agora a questionar se a droga em questão está associada a problemas cardíacos potencialmente fatais, sobretudo entre aqueles que têm um historial genético.

Mary Sheppard disse: “Concordo que existe uma ligação entre a Sertralina e a SIDS mas não existem ainda provas suficientemente seguras. Ainda assim, não podemos ignorar estes casos”.

ZAP //

Por ZAP
20 Março, 2019

[vasaioqrcode]

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...