117: Localização das praias favorece águas-vivas e caravelas

 

Açores

O biólogo da Universidade dos Açores João Pedro Barreiros diz que a localização da maioria das praias açorianas na costa sul das ilhas favorece a concentração de águas-vivas e caravelas-portuguesas em zonas balneares do arquipélago.

dn17072013

“A maior parte das zonas balneares dos Açores ficam na costa sul das ilhas, os últimos ventos fortes foram do quadrante sul e muitas águas-vivas e caravelas-portuguesas foram levadas para perto da costa nas zonas sul das ilhas e portanto ficaram em baías onde estão as zonas balneares. Como não tem havido temporais, como não tem havido ondulação que as remova, acabam por ficar e as pessoas contactam com elas”, explica o biólogo.

No entanto, João Pedro Barreiros faz questão de explicar que “este ‘boom'” de águas-vivas (alforrecas) e caravelas-portuguesas (colónias de animais com longos tentáculos que libertam toxinas e são muitas vezes confundidas com alforrecas) ocorre todos os anos e está associado ao aumento do fotoperíodo, o aumento de horas de luz a partir de Março.

“Isso faz com que aumente a fotossíntese no mar e isso acontece ao nível de pequenos organismos fotossintéticos que geram milhões de toneladas de biomassa que, por sua vez, vão criar condições favoráveis para o aparecimento de zooplâncton, ou seja, de micro animais e larvas de animal. Isso despoleta o aparecimento de predadores e as águas-vivas e caravelas são predadores de plâncton e aparecem em grande quantidade porque há muita comida disponível”, sublinhou.

In Diário de Notícias online
17/07/2013
por Lusa, texto publicado por Paula Mourato

98: Caravelas-portuguesas dão à costa em Portimão

 

Ainda nenhuma pessoa foi atingida

Caravelas-portuguesas aparecem na altura da preia-mar

Caravelas-portuguesas aparecem na altura da preia-mar

Um número anormal de caravelas-portuguesas, espécie marinha parecida com uma alforreca e que não é habitual estar junto à costa portuguesa, está desde quarta-feira a surgir na zona de Portimão, disse à Lusa o capitão do porto.

Habitual nas zonas tropicais, este animal liberta células urticantes que causam bastante dor aos humanos, mas até ao momento não houve nenhuma pessoa atingida, disse à Lusa o comandante Santos Pereira.

O capitão do Porto de Portimão adiantou que começou a ser informado da presença destes animais nas águas da costa algarvia na quarta-feira, mas hoje o número “já é inferior” e estão a “aparecer mortas” na preia-mar.

“São também exemplares bastante pequenos, com apenas cinco centímetros, tirando a parte dos tentáculos, que é maior”, precisou o capitão do porto, referindo-se a uma espécie cujos adultos podem atingir os 30 centímetros.

Questionado sobre o que pode ter causado o seu aparecimento junto da costa algarvia, na zona de Portimão, Santos Pereira disse não haver uma justificação exata, mas referiu que pode estar relacionado com o vento de sudoeste que se tem feito sentir na região do Algarve e que levou correntes de água mais quente para a zona.

A medusa existe... mas muito longe da costa portuguesa

A medusa existe… mas muito longe da costa portuguesa

A caravela-portuguesa flutua e os seus tentáculos ficam dentro de água, podendo atingir vários metros. Alimenta-se de peixes e outras espécies marinhas que, ao entrarem em contacto com os tentáculos, ficam imobilizados.

Aos humanos causa irritações e dores bastantes fortes ao entrar em contacto com a pele, podendo mesmo causar a morte se não for feito tratamento a tempo.

In Correio da Manhã online
07/03/2013

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...