437: Mais 688 casos e seis mortes em Portugal nas últimas 24 horas (actualização)

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indica que Portugal tem 24 561 casos activos de covid-19.

Urgência de covid-19 do Hospital de Santa Maria.
© PAULO SPRANGER/Global Imagens

Portugal registou, nas últimas 24 horas, 688 novos casos de covid-19 e mais seis mortos, segundo indica o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta terça-feira (29 de Setembro).

No total, desde o início da pandemia, há registo de 74 717 casos de covid-19, com 48 193 recuperados (mais 309 desde o boletim de segunda-feira). Há 24 561 casos activos, um aumento de 373 em relação à véspera. O número de mortos ascende a 1963.

Dos 688 novos casos das últimas 24 horas, 478 foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, tendo esta região contabilizado cinco dos seis mortos por covid-19. A outra morte ocorreu na região centro, onde há registo de mais 16 casos. No Norte, o boletim aponta mais 160 casos de infecção, no Algarve mais 22 e no Alentejo mais cinco, os mesmos registados na Madeira. Nos Açores há mais dois casos.

Há mais duas pessoas internadas (são agora 661) e mais uma nos cuidados intensivos (99). As autoridades mantêm em vigilância 44 231 pessoas, mais 60 do que na véspera.

Há 51 surtos activos em lares de idosos, sendo que a maioria, 33, estão localizados na região de Lisboa e vale do Tejo, havendo ainda registo de dez na região norte, dois no centro, três no Alentejo e outros três no Algarve, informou a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, na conferência de imprensa de segunda-feira sobre a evolução da pandemia em Portugal.

Registam-se 12 surtos activos em escolas. Seis na região de Lisboa e vale do Tejo, cinco na região norte e uma no centro, o que no total envolvem 78 casos confirmados, detalhou.

Urgência de obstetrícia do hospital de Beja fechada até 7 de Outubro

A responsável fez saber que “há alguns surtos activos recentes em vários hospitais” que estão a ser investigados. “São sobretudo em profissionais de saúde, existem algumas ramificações para outros sítios, porque estas pessoas obviamente que se movem”, afirmou Graça Freitas referindo que as autoridades sanitárias “estão a acompanhar de perto” estes surtos e que a situação está, neste momento, “tanto quanto possível, controlada”.

Um dos surtos está localizado no Hospital de Beja e são já 31 profissionais de saúde infectados. Devido aos casos detectados nesta unidade hospitalar e à “consequente falta de médicos da especialidade” para preencher as escalas, o Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia do hospital de Beja vai manter-se “temporariamente” fechado até às 08:00 de dia 7 de Outubro, refere a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), numa informação divulgada esta terça-feira.

Enquanto o serviço estiver fechado, não há atendimento de ginecologia e obstetrícia a utentes provenientes do exterior, as quais serão encaminhadas para os hospitais públicos mais próximos, mas o internamento na especialidade mantém-se a funcionar para as internadas no hospital de Beja, explicou à Lusa a presidente da ULSBA, Conceição Margalha.

Na segunda-feira, a responsável explicou que, devido ao surto, o hospital ficou “temporariamente” com “falta de médicos da especialidade para preencher as escalas” do Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia e teve de fechá-lo no domingo às 20:00.

Mais 100 milhões de doses de vacinas reservadas para países mais pobres

A Aliança para as Vacinas anunciou esta terça-feira que os países mais pobres reservaram mais 100 milhões de doses da vacina que for criada contra a covid-19, fabricadas na Índia e vendidas ao preço máximo de três dólares (2,5 euros).

Em Agosto, a GAVI (que reúne várias agências da ONU, como a Organização Mundial de Saúde, e entidades como o Banco Mundial) e a fundação Gates já tinham anunciado em Agosto uma colaboração com um instituto indiano (SII) que é o maior fabricante mundial de vacinas, para distribuir 100 milhões de doses.

O plano é o SII fabricar a vacina que venha a ser criada pelas farmacêuticas AstraZeneca e Novavax e disponibilizá-la ao organismo Covax, lançado pela OMS para garantir o acesso mundial a vacinas, tratamentos e diagnósticos para a covid-19.

A potencial vacina da AstraZeneca estará disponível a 61 países e a da Novavax irá para outros 92.

O objectivo da OMS é haver dois mil milhões de doses de vacinas até ao fim de 2021.

Milhões de testes rápidos vão ser distribuídos aos países mais pobres

Antes, na segunda-feira, a agência de Saúde das Nações Unidas anunciou que vai disponibilizar para países mais pobres 120 milhões de testes rápidos de covid-19, com resultados em 15 a 30 minutos.

“Esperamos que outros testes rápidos se sigam”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, director-geral da OMS, ao anunciar um acordo com várias entidades para que sejam produzidos estes testes para países com poucos recursos. Na conferência de imprensa foi dito que beneficiarão dos testes 133 países, a maioria em África.

“Isto permitirá a expansão dos testes, particularmente em áreas de difícil acesso que não dispõem de instalações laboratoriais ou de pessoal de saúde com formação suficiente para realizar testes PCR”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, acrescentando que os testes rápidos vão ser disponibilizados ao longo dos próximos seis meses, com um preço de cinco dólares por unidade (4,29 euros), “substancialmente mais baratos” do que os testes PCR.

Com Lusa.

Diário de Notícias
DN
29 Setembro 2020 — 14:03

 

 

434: Há mais 425 novos casos de covid-19 e quatro mortes em Portugal nas últimas 24 horas

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indica que os internamentos continuam a aumentar. Há agora 659 doentes hospitalizados. Lisboa mantém-se como o concelho mais afectado pela pandemia, com 6.517 infectados (um aumento de 467 novos casos nos últimos sete dias).

© PAULO SPRANGER/Global Imagens

Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 425 casos de covid-19 (um aumento de 0,6%) e quatro mortes, segundo indica o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta segunda-feira (28 de Setembro). No total, desde que a pandemia começou no nosso país, em Março, foram confirmados 74.029 infectados e 1.957 óbitos.

O número de internamentos continua a aumentar. Há agora 659 doentes hospitalizados (mais 24 do que no domingo), dos quais 98 estão em unidades de cuidados intensivos (mais nove).

Há mais 237 pessoas recuperadas, num total de 47.884, e, à data de hoje, Portugal tem 24.188 casos activos da doença (mais 184 face ao dia anterior).

Dos novos casos, 188 foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, o que corresponde a 44,24% do total nacional. Há mais 168 infectados pelo novo coronavírus no Norte, mais 43 no Centro, mais sete no Alentejo e mais 19 no Algarve. Não foram reportados novos casos nos Açores e na Madeira.

Lares com 51 surtos activos

A directora-geral da Saúde indicou que há “51 surtos activos em lares” de idosos, dos quais 10 estão localizados no Norte, dois no Centro, 33 em Lisboa e Vale do Tejo, três no Alentejo e três no Algarve, detalhou Graça Freitas durante a conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal.

A responsável da DGS indicou ainda que há 12 escolas com surtos activos.

Os quatro óbitos reportados nas últimas 24 horas registaram-se na região Norte (três) e em Lisboa e Vale do Tejo. Três das vítimas mortais tinham mais de 80 anos e uma tinha entre os 70 e 79 anos.

Taxa de letalidade global situa-se nos 2,6% e acima dos 70 anos é de 13,6%, informou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Sales, na conferência de imprensa.

Covid-19 terá chegado a Portugal a 20 de Fevereiro proveniente de Itália

Aos jornalistas, João Paulo Gomes do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) fez saber que um estudo em desenvolvimento revelou que “a variante genética do vírus em Portugal é proveniente da Lombardia, de Itália” e instalou-se no nosso país “a 20 de Fevereiro na regiões norte e centro, nomeadamente em zonas industriais”.

O estudo, que é “retrospectivo”, indica que a variante genética do coronavírus vindo de Itália ter-se-á disseminado durante cerca de dez dias sem que fosse detectada, pelo que originou cadeias de transmissão que foram crescendo e que a meio de Abril “terão originado cerca de 3800 casos”. “Ou seja, um em cada quatro casos existentes por volta do dia 9/10 de Abril terão sido causados por esta variante genética muito específica”, informou João Paulo Gomes.

Lisboa é o concelho com o maior aumento de novas infecções nos últimos sete dias

O boletim da DGS indica que, no total, o novo coronavírus já infectou em Portugal 33.553 homens e 40.476 mulheres. Do total de vítimas mortais, 985 eram homens e 972 mulheres.

© DGS

A nível municipal, os dados da autoridade da saúde indicam que Lisboa continua a ser o concelho mais afectado pela pandemia, com 6.517 infectados. Logo a seguir surge Sintra, com 5.441, Loures com 3.092 e Amadora com 3.038.

Nos últimos sete dias, Lisboa foi o concelho com o maior aumento de novas infecções (mais 467), seguido de Sintra (mais 339) e Loures (mais 179).

Mais restrições em Espanha

O aumento do contágio pelo novo coronavírus faz-se sentir em vários países na Europa, o que tem levado à aplicação de novas medidas. Em Espanha, por exemplo, a partir desta segunda-feira, mais de um milhão de habitantes na comunidade autónoma de Madrid estão sujeitos a restrições mais apertadas, entre as quais a limitação na mobilidade dos cidadãos. Às 37 zonas já atingidas desde 21 de Setembro por medidas que não permitem entradas ou saídas de pessoas, com algumas excepções, juntaram-se mais oito, que nos últimos 14 dias ultrapassaram a barreira de mil infectadas por cada 100 mil habitantes.

Também a partir desta segunda-feira, em Inglaterra, passa a ser obrigatório por lei o isolamento para qualquer pessoa que tenha testado positivo ou tenha estado em contacto com alguém infectado com covid-19, sendo as infracções penalizadas com multas que podem chegar aos 11.019 euros.

Assim, se uma pessoa apresentar sintomas ou testar positivo, é obrigada por lei a entrar em isolamento (antes era voluntário) durante um período de 10 dias após o início dos sintomas ou após a data do teste, se não tiver sintomas.

Mas o Reino Unido poderá adoptar medidas mais apertadas para travar a disseminação do novo coronavírus.

A secretária de Estado da Saúde britânica admitiu a hipótese de proibir ajuntamentos de pessoas fora dos agregados familiares.

“Não queremos impor novas restrições, mas claro que estamos a manter um olhar atento sobre a taxa de incidência de covid-19”, disse Helen Whately, em declarações proferidas esta segunda-feira à Sky News.

A governante afirmou que o executivo liderado por Boris Johnson está a analisar quais os próximos passos a dar no combate à pandemia. O jornal The Times avança que está em cima da mesa a possibilidade de um “confinamento social total” no norte do Reino Unido e em Londres, com bares, pubs e restaurantes de portas fechadas durante duas semanas.

Mais de um milhão de mortes em todo o mundo

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

No total, 1.000.009 mortes foram oficialmente registadas em todo o mundo, para 33.018.877 casos, às 22:30 de domingo.

A AFP refere ainda que 22.640.048 pessoas foram consideradas curadas pelas autoridades.

As regiões mais afectadas, em termos de número de mortes, são América Latina e Caribe (341.032 mortes para 9.190.683 casos), Europa (229.945 mortes para 5.273.943 casos) e Estados Unidos e Canadá (214.031 mortes para 7.258.663 casos).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em Fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (204.499) e também com mais casos de infecção confirmados (mais de sete milhões).

Com Lusa.
Diário de Notícias

Susete Henriques

 

 

428: Covid-19: Portugal atinge os 73 604 casos de infecção. E 1953 mortes

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Boletim da Direcção-Geral de Saúde regista mais nove mortes em 24 horas no país. E 665 novos casos

© Rui Oliveira/Global Imagens

Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 665 casos de covid-19 e mais 9 mortes, segundo os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado este domingo (27 de Setembro). Desde que a pandemia começou no país, em Março, foram confirmados 73 604 casos positivos da doença e 1953 óbitos.

O número de internamentos registou nas últimas 24 horas um novo aumento. São agora 635 os doentes hospitalizados (mais 20 que ontem), dos quais 89 estão em unidades de cuidados intensivos (mais quatro).

Foram dados como recuperados mais 267 pessoas – no total já estão dadas como curadas 47 647.

Por regiões, no Norte foram detectados mais 267 casos (duas mortes), no Centro mais 70 (duas mortes), Lisboa e Vale do Tejo tiveram nas últimas 24 horas mais 252 casos (cinco mortes), no Alentejo e Algarve não se registaram mortes e os casos foram, respectivamente, 55 e 38.

Nos Açores, surgiu mais um caso e na Madeira três.

Diário de Notícias

DN

 

 

415: Mais 899 casos e cinco mortes em Portugal nas últimas 24 horas

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indica que há 624 doentes hospitalizados, dos quais 86 em unidades de cuidados intensivos.

© JOSÉ COELHO/LUSA

Portugal registou, nas últimas 24 horas, 899 novos casos de covid-19 (um crescimento de 1,26%) e mais cinco mortes, segundo os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta sexta-feira (25 de Setembro). Desde que a pandemia começou no país, em Março, foram confirmados 72.055 casos positivos da doença e 1.936 óbitos.

O número de internamentos continua a aumentar. São agora 624 os doentes hospitalizados (mais 36 do que no dia anterior), dos quais 86 estão em unidades de cuidados intensivos (mais um).

Há mais 327 pessoas recuperadas da doença, num total de 47.003, e 23.116 casos activos (mais 567 do que na quinta-feira).

Dos novos casos reportados, 505 foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, o que representa 56% do total nacional. A região Norte confirmou mais 263 novos casos, o Centro tem mais 52, o Algarve mais 47 e o Alentejo mais 30. Registaram-se dois novos casos nos Açores e na Madeira não se verificam novos diagnósticos de covid-19.

O boletim da DGS indica que as mortes que ocorreram nas últimas 24 horas ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo (três), no Centro (um) e no Norte (um). Uma das vítimas mortais tinha 78 anos, os restantes tinham mais de 80 anos, informou a ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal.

Perante estes dados, a taxa de letalidade é de 2,7% e acima dos 70 anos é de 13,8%.

Há 287 surtos activos

A ministra indicou que há actualmente 287 surtos activos em Portugal, sendo que o “Norte é a região com mais surtos activos, associados a restaurantes e ao turismo”, fez saber Marta Temido.

No que se refere aos lares, “uma situação muito complexa”, há 76 residências com utentes infectados, sendo que actualmente existem 47 surtos activos em todo o país. Em Abril, eram 365 os lares de idosos com casos activos, acrescentou a responsável pela pasta da Saúde.

A ministra disse ainda que a taxa de incidência na última semana é de 44,7 novos casos por 100 mil habitantes e a 14 dias é de 89 casos por 100 mil habitantes.

O valor médio do Risco de Transmissibilidade (RT), de 16 a 20 de Setembro, situa-se nos 1,09 “um pouco mais baixo do que nos dias anteriores”, disse Marta Temido. “Temos de ler sempre o risco de transmissão com o número de novos casos”, esclareceu.

Os dados da DGS indicam ainda que há 42.785 pessoas que estão em vigilância pelas autoridades de saúde (mais 1.089 do que na véspera).

Teste vai distinguir o novo coronavírus de outras infecções respiratórias, como a gripe

Também esta sexta-feira, ficou a saber-se que Portugal vai ter um teste de diagnóstico que permite “diferenciar o novo coronavírus de outros tipos de infecções respiratórias sazonais”, como a gripe, auxiliando os clínicos a realizarem diagnósticos mais precisos revelou esta sexta-feira o director médico da Unilabs, a empresa que vai disponibilizar os testes.

“A ideia era tentarmos ter uma ferramenta de diagnóstico que, em simultâneo, nos permitisse diferenciar se é ou não covid-19 e, se não for, qual o vírus que está a causar aquele quadro clínico”, afirmou António Maia Gonçalves.

Em declarações à Lusa, o director médico da Unilabs Portugal explicou que a ferramenta surgiu no âmbito de uma colaboração com um laboratório sul coreano.

Esta “arma de diagnóstico”, que ficará disponível “nos próximos 10 dias”, permitirá assim, através de uma única amostra via zaragatoa da naso-faringe depreender se se trata do SARS-CoV-2 ou de outras patologias respiratórias.

O teste, realizado mediante prescrição médica, poderá ser feito nos mesmos locais dos testes covid-19, em ‘drive thru’ ou algumas unidades da empresa. Resultados ficarão disponíveis entre 24 a 36 horas após a realização deste teste.

Mais de 984 mil pessoas morreram devido à pandemia

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a mais de 980 mil pessoas e infectou mais de 32 milhões em todo o mundo desde Dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, hoje às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa), já morreram pelo menos 984.068 pessoas e 32.298.410 foram infectadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em Dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 22.141.000 pessoas já foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

Diário de Notícias
Com Lusa

 

 

401: Mais 802 novos casos e três mortes nas últimas 24 horas. Portugal tem 285 casos activos, 45% a norte

 

 

SAÚDE/COVID-19/PANDEMIA

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde indica que o número de internamentos continua a aumentar. Há agora 571 pessoas hospitalizadas (mais 25 do que na terça-feira), das quais 77 em unidades de cuidados intensivos.

© JOSÉ COELHO/LUSA

Há mais 802 novos casos confirmados de covid-19 (um crescimento de 1,15%) e três mortes em Portugal nas últimas 24 horas, de acordo com os dados do boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta quarta-feira (23 de Setembro). No total, desde que a pandemia começou, o país registou 70.465 diagnósticos de covid-19 e 1.928 óbitos.

Há mais 25 pessoas internadas, o que eleva para 571 o número total de doentes hospitalizados, sendo que 77 estão em unidades de cuidados intensivos (mais sete face a terça-feira).

Os dados da DGS indicam que há mais 316 pessoas recuperadas da doença, num total de 46.290.

À data de hoje, Portugal tem 22.247 casos activos de covid-19, mais 483 do que na terça-feira.

Lisboa e Vale do Tejo tem mais de metade das novas infecções, com 437 novos casos reportados no boletim epidemiológico da autoridade da saúde, o que representa 54,5% do total nacional.

O Norte apresenta mais 240 diagnósticos de covid-19, o Centro regista mais 73 casos, o Alentejo mais 19 e no Algarve há mais 28 novas infecções. Há ainda mais dois casos na Madeira e três nos Açores.

285 surtos activos em Portugal

Existem 285 surtos activos no país, informou a ministra da Saúde, Marta Temido, durante a conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal. Há 129 surtos no Norte (o que representa 45% do total) , 27 no Centro, 90 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 15 no Alentejo e 24 no Algarve.

O RT (índice de transmissibilidade) para o período de 14 a 18 de Setembro situa-se nos 1.11, sendo que a média diária de novos casos nos últimos dias é de 725, disse ainda Marta Temido.

Os três óbitos reportados nas últimas 24 horas ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo. As vítimas mortais tinham mais de 80 anos.

A taxa de letalidade global é de 2,7%, afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido.

O relatório da DGS indica também que há 40.765 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde, mais 347 face ao dia anterior.

Arruda dos Vinhos recomenda utilização de máscara na rua

Devido ao “aumento gradual de novos casos de contágio da doença nas últimas semanas” e ao início do ano letivo, A Câmara de Arruda dos Vinhos, no distrito de Lisboa, recomendou o uso de máscara na rua para prevenir o risco de contágio da covid-19 e encerrou parques infantis e campos de jogos no concelho.

Em comunicado, a autarquia recomendou “o uso de máscara na via pública e em espaços ao ar livre, em locais movimentados com base na aplicação do princípio da prevenção em saúde pública e como medida adicional de protecção individual e colectiva”.

O município determinou ainda o encerramento de parques infantis, campos de jogos e pavilhões desportivos.

Entre as recomendações está também a não concentração de pessoas na via pública e a sua dispersão quando forem mais de 10, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar.

Desde o início da pandemia, Arruda dos Vinhos contabiliza 88 casos de infecção, dos quais 46 estão activos, registando-se ainda dois mortos, de acordo com o último boletim epidemiológico da Comunidade Inter-municipal do Oeste.

Mais de 31 milhões de infectados em todo o mundo

A pandemia do novo coronavírus já infectou mais de 31,6 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo mais de cinco milhões na Europa, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, esta quarta-feira às 11:00 TMG (12.00 em Lisboa), a pandemia de covid-19 matou pelo menos 971.677 pessoas em todo o mundo desde que surgiu em Dezembro de 2019 na China. Pelo menos 21.641.500 pessoas foram consideradas curadas.

Na Europa, há 5.000.421 casos e 227.130 mortes, dos quais mais de metade são na Rússia (1.122.241 infecções, 19.799 mortes), Espanha (682.267 casos, 30.904 mortes), França (502.541 casos, 31.416 óbitos) e Reino Unido (403.551 casos, 41.825 óbitos)

Com Lusa.
Diário de Notícias
Susete Henriques
23 Setembro 2020 — 14:41

– Enquanto não existirem 🍅🍅🍅🍅 para colocarem esta gajada na ordem, a Pandemia vai continuar a aumentar diariamente, com INFECTADOS e MORTOS. Reparem na imagem seguinte e a rebaldaria da não utilização de máscara, além do não cumprimento do DISTANCIAMENTO SOCIAL.

E não me refiro apenas aos jovens mas à velhada intelectualóide, que continua a fazer a sua vidinha “social” sem que sejam interceptados pelas autoridades competentes e ainda se gabam de publicar as façanhas no Facebook. Portugal é um verdadeiro país do deixa-andar, habitado por gentinha sem carácter, sem vergonha, imbecil, hipócrita, cínica, que apenas pensa no seu bem estar e os outros que se lixem…

 

79: DGS alerta profissionais de saúde para o risco de importação de casos de sarampo durante o verão

 

Saúde

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) alertou os profissionais de saúde para o risco de importação de casos de sarampo durante o verão devido à maior circulação de turistas e emigrantes provenientes da Europa, África ou Ásia.

Numa circular dirigida aos médicos e enfermeiros do sistema de saúde, publicada no site da DGS, o director-geral da Saúde refere que “a situação epidemiológica descrita a nível mundial aumenta a probabilidade de importação de casos da doença, através de viajantes infectados e de, a partir desses casos, poderem surgir surtos em Portugal” como aconteceu em 2005, 2009, 2010 e também já este ano.

Assim, os médicos devem ter em consideração “o risco de importação de sarampo durante o verão, devido à maior circulação no nosso país de viajantes (turistas e migrantes) provenientes da Europa, África ou Ásia”, salienta Francisco George.

In Destak online
30 | 07 | 2012 08.14H
Destak/Lusa | destak@destak.pt

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...