Cerca de 30 ambulâncias à porta do Santa Maria. “Situação é inaceitável”

 

 

SAÚDE/COVID-19/AMBULÂNCIAS

Realmente a situação é inaceitável, mas não coloquem a culpa nos profissionais de saúde dos hospitais por estarem 30 ambulâncias à porta do Santa Maria ou em qualquer outro hospital! CULPEM os labregos que andam na rua sem máscara, não respeitam o distanciamento social, comportam-se socialmente como se não existisse pandemia de espécie alguma como os labregos desta notícia: Dezenas de pessoas sem máscara em protesto de restaurante lisboeta que recusou confinar

“Isto já ultrapassa aquilo que é aceitável em termos de dignidade. Um doente estar oito horas deitado numa maca não é fácil”, afirma o vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Emergência Pré-Hospitalar.

Fila de ambulâncias no Hospital de Santa Maria, em Lisboa
© EPA/MARIO CRUZ

Cerca de 30 ambulâncias estavam cerca das 07:30 paradas à porta das urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse à Lusa o vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Emergência Pré-Hospitalar (SPEPH).

Esta situação é inaceitável. Estão cerca de 30 ambulâncias à porta do hospital. Esta fila é para doentes covid ou suspeita de covid. Isto já ultrapassa aquilo que é aceitável em termos de dignidade. Um doente estar oito horas deitado numa maca não é fácil”, disse.

Carlos Silva disse também à Lusa que a medida anunciada na quinta-feira pelo presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte de que será feita a partir de hoje uma pré-triagem aos doentes vai minimizar o número de ambulâncias à porta do hospital.

“É minimamente aceitável e irá minimizar a espera e o número de ambulâncias no local, mas vamos continuar com o mesmo problema: o envio das ambulâncias em excesso. Por isso, consideramos que os protocolos dos meios de emergência médica devem ser alterados”, salientou.

Santa Maria anuncia que equipa do INEM vai fazer pré-triagem

Na quinta-feira à noite em declarações aos jornalistas, o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, Daniel Ferro, anunciou que a partir de hoje será feita uma pré-triagem aos doentes para tentar evitar tantas ambulâncias paradas à porta do hospital.

A partir de amanhã [hoje] teremos aqui uma equipa do INEM, acompanhada por uma equipa da Protecção Civil, que vai fazer uma pré-triagem das situações e se for uma situação que realmente justifique o acesso aos cuidados do hospital, esse acesso vai ser feito com mais tranquilidade. Foi já combinado, com o ACES de Sete Rios e de Odivelas, que vão receber todas aquelas situações para as quais têm cuidados de igual qualidade”, revelou Daniel Ferro.

Hoje, em declarações à Lusa, o vice-presidente do SPEH disse que a medida vai ajudar, mas defende a necessidade de uma revisão dos protocolos e modelos de atendimento, triagem e encaminhamento de doentes para evitar a actual sobrecarga das urgências dos hospitais

Utentes só devem recorrer ao Santa Maria de ambulância em “situações justificadas”

“Os protocolos têm de ser revistos e alterados os critérios de accionamento dos meios de socorro. Ligar para o CODU ou INEM para pedir ambulância porque alguém tem uma dor no joelho há um mês por exemplo não pode acontecer. É inaceitável que os doentes estejam horas dentro de uma ambulância à porta do hospital”, disse.

Na quinta-feira à noite, o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte voltou também a apelar às pessoas para se desloquem à urgência quem de facto precisa.

Quando os sintomas não existem ou são leves, não deve ser utilizada a urgência. As ambulâncias, em muitas das situações, estão a ser usadas como transporte. Os centros de saúde têm, neste momento, a possibilidade de fazer o diagnóstico que é feito aqui com igual qualidade”, disse.

Na quarta-feira, o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte apelou à população para apenas recorrer de ambulância ao serviço de urgência dedicado ao SARS-CoV-2 do Santa Maria “em situações justificadas”, já que a unidade tem registado “picos de afluência”.

Em comunicado, este centro hospitalar dava conta de que este serviço de urgência do Hospital de Santa Maria “tem registado picos de afluência”, que “quase metade dos utentes são transportadores de ambulância, mas destes só 15% apresentam situações que justificam o recurso a uma urgência hospitalar”.

Os restantes 85% “são triados com prioridade verde ou azul, representando uma sobrecarga evitável”.

Por isso, o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte apelou à população “que só recorra ao transporte de ambulância em situações justificadas e se dirija ao centro de saúde nas situações de ausência ou sintomas ligeiros”.

Urgência dedicada a doentes covid-19 está a ser ampliada

Deste modo, será possível garantir que “os recursos hospitalares, em situação de grande sobrecarga, se concentrem no tratamento dos doentes com situações de maior gravidade”.

Apesar da “grande afluência e sobrecarga”, os profissionais do Hospital de Santa Maria “garantem a observação dos doentes”, acrescenta a nota.

A urgência dedicada a doentes infectados com o novo coronavírus também está em processo de ampliação de “33 para 51 postos de atendimento em simultâneo”, que vai estar “concluída no próximo fim de semana”.

Em Portugal, morreram 11.608 pessoas dos 685.383 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.176.000 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Diário de Notícias
DN/Lusa
29 Janeiro 2021 — 08:42

 

 

 

38: Dadores de medula óssea ultrapassam os 280 mil

 

Campanha para ajudar filho de Carlos Martins aumentou doações

Gustavo, filho do futebolista Carlos Martins, continua à espera de um dador compatível

O número de dadores de medula óssea inscritos na base nacional ultrapassa os 280 mil, número alcançado com a ajuda dos cerca de 40 mil que se inscreveram para ajudar o filho do futebolista Carlos Martins.

Em resposta por escrito à agência Lusa, o presidente do conselho directivo do Instituto Português do Sangue e Transplantação adiantou que actualmente o número de dadores tipados inscritos na Base de Dados Mundial de Dadores de Medula (BMDW, na sigla em inglês) é de 281.132.

“No ranking mundial de números de dadores por milhão de habitantes, Portugal está em 3.º lugar e, no Europeu em 2.º, atrás da Alemanha”, adiantou Hélder Trindade, acrescentando que, nesta contagem, só são considerados os países com mais de cinco milhões de habitantes.

O número foi alcançado graças aos vários apelos feitos, em Novembro do ano passado, para ajudar o filho de Carlos Martins, Gustavo, que necessita de um dador de medula óssea compatível.

À criança, de três anos, foi diagnosticada uma aplasia medular, o que se traduz na incapacidade de produção de plaquetas.

De acordo com Hélder Trindade, desde o início da campanha ‘Vamos ajudar o Gustavo’, “foram inscritos cerca de 40 mil novos dadores” no Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE).

No entanto, desde o início do ano, o número de novos dadores inscritos “tem vindo a aproximar-se dos níveis habituais, quando não há campanhas dirigidas para um doente específico”, acrescenta ainda o presidente do conselho directivo do Instituto Português do Sangue e Transplantação, não especificando valores.

In Correio da Manhã online
09/03/2012 | 15h59

Pedido de ajuda – doença de Targardt

 

Tendo recebido hoje este e-mail, aqui fica o pedido de ajuda para quem tiver conhecimento neste assunto.

O grande objectivo deste email é tentar arranjar maneira de contactar pessoalmente, familiares ou amigos de pessoas que sofram da mesma ou semelhante doença – degeneração da mácula

SÓ PARA REENCAMINHAR. Não é para pedir dinheiro… Pelo teor de carácter de ajuda agradeço que leiam e divulguem pelos contactos.

Obrigada e bem hajam.

Exmo(a) Senhor(a)

Vivo nos arredores de Lisboa e sou pai de uma menina, agora com 7 anos, que é portadora da doença de TARGARDT (degeneração da mácula), o que faz com que perca a visão central, doença essa que é actualmente incurável, mesmo no estrangeiro.

Como não é fácil obter informações a nível nacional, resta-me a Internet para adquirir um conhecimento mais profundo que me ajude a lidar com esta doença, pois mesmo em Lisboa a única ajuda que me foi facultada foi de uma associação (mais concretamente a Associação de Retinopatias de Portugal), associação essa que também padece do problema de falta de apoio, pois é uma entidade privada.

O grande objectivo deste email é tentar arranjar maneira de contactar pessoalmente, familiares ou amigos de pessoas que sofram da mesma ou semelhante doença, para fazer um rastreio, com um único pensamento: Difundir e trocar informações acerca desta doença. POR FAVOR divulguem este email pelos vossos contactos e/ou se tiverem conhecimento pessoal de um caso semelhante, agradecia que me contactassem:

rgoncalves@creditoagricola.pt

MUITO E MUITO OBRIGADO
Rui Gonçalves
P.F., não ignorem a mensagem. Ler e reencaminhar não custa nada.
Obrigado.

7: A P E L O

 

HOSPITAL DE BEJA

Enviem p.f. ao maior n.º de pessoas… não pedem dinheiro, só divulgação

Centro Hospitalar Baixo Alentejo, EPE
Hospital José Joaquim Fernandes – Beja
Rua Dr. António Fernando Covas Lima
7800-309 BEJA

‘Chamo-me Catarina Pinto, tenho um filho com 15 meses chamado Francisco. Desde os primeiros dias de vida tem sido extremamente difícil alimenta-lo, rejeita todo o tipo de alimentação, não por reacção alérgica mas por não querer.

Tem sido sempre acompanhado pelo Hospital Fernando Fonseca onde já lhe fizeram todo o tipo de exames e não conseguem nenhum tipo de diagnóstico, já foi alimentado por umas sondas mas nem por isso aumentou de peso. Com 15 meses pesa apenas 6.900 gramas.

Peço que alguém que tenha conhecimento de algum caso igual ou semelhante que me contacte imediatamente para que eu possa saber de que maneira poderei ajudar o meu filho.

Muitíssimo Obrigada

Ana Cristina Pinto
Tel.: 962439830
Serviço SOS Criança
Instituto de Apoio à Criança