Novo coronavírus já matou 249 pessoas, mas não é uma emergência – OMS

 

O Síndrome Respiratório do Médio Oriente (MERS-CoV), mais conhecido como novo coronavírus, infectou mais de 700 pessoas, das quais 249 faleceram, anunciou hoje a OMS, que considera a transmissão do vírus «preocupante» mas não uma emergência.

O director-geral adjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS), Keiji Fukuda, apresentou hoje em conferência de imprensa os últimos resultados sobre o MERS, que surgiu pela primeira vez na Arábia Saudita em 2012, e que desde então foi registado em pelo menos quinze países.

Os 16 membros do Comité de Emergência sobre o MERS reuniram-se hoje pela sexta vez, e durante quatro horas analisaram a situação e a gravidade da expansão do vírus.

In Diário Digital online
Diário Digital / Lusa
17/06/2014 | 13:13

OMS confirma que novo coronavírus pode transformar-se em pandemia

 

A Organização Mundial da Saúde confirmou que o novo coronavírus MERS tem potencial para se transformar numa pandemia. Até agora, morreram 31 pessoas

visao11062013A Organização Mundial da Saúde confirmou que o novo coronavírus Mers (sigla para Síndrome Respiratória Coronavírus do Médio Oriente) tem potencial para se transformar numa pandemia.

Na tentativa de evitar a pandemia, a OMS está a divulgar novas directrizes para orientar profissionais de saúde de todo o mundo a se manterem atentos aos sintomas da doença.

Segundo a agência, o planeta também está em “fase de alerta” em relação a duas variações de gripe aviária capazes de infectar os seres humanos: os vírus influenza A (H5N1), que surgiu há uma década, e (H7N9), detectado desde Março na China.

“Estamos a tentar descobrir o máximo que pudermos, e estamos preocupados com esses (três) vírus”, disse, na última segunda feira, Andrew Harper, consultor especial da OMS para saúde sanitária e ambiente.

A directiva provisória, a ser concluída ainda este ano, incorpora lições da pandemia de 2009/10 da gripe suína A (H1N1), que causou cerca de 200 mil mortes, número compatível com os óbitos das gripes sazonais comuns.

A nova escala da OMS, ajustada para incluir a noção de severidade na avaliação de risco, tem apenas quatro fases, em vez das seis anteriores. A ideia é permitir que os países tenham maior flexibilidade na avaliação dos problemas locais.

31 mortos pelo MERS

A Organização Mundial da Saúde elevara, na última sexta-feira, para 31 o número de mortos pelo coronavírus MERS após divulgar informações sobre a morte de mais uma pessoa na Arábia Saudita.

A vítima, que adoeceu no dia 27 de maio e morreu no dia 31 do mesmo mês, era um homem de 83 anos que já apresentava problemas de saúde, disse a organização em comunicado.

Este novo caso aumenta o número de afectados pelo novo vírus, que é similar à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). Até agora foram confirmados 55 casos em todo mundo, dos quais 31 morreram, de acordo com o último balanço da OMS.

In Visão online
15:23 Terça feira, 11 de Junho de 2013

66: OMS: Poliomielite pode voltar a avançar num mundo globalizado

 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informou que os esforços para erradicar a poliomielite no mundo chegaram a um ponto crítico entre o sucesso e o fracasso. Segundo a organização, o aumento no registo de casos, que ocorreu recentemente em países que tinham sido declarados livres da doença, mostra a ameaça do ressurgimento da poliomielite na era da globalização.

A OMS acrescentou que o sucesso na eliminação da doença na Índia mostrou que, com as verbas necessárias para vacinação, a erradicação está ao alcance dos países.

A poliomielite ainda é considerada uma doença endémica em países como o Afeganistão, Paquistão e a Nigéria.

In Diário Digital online
Director: Pedro Curvelo
sexta-feira, 25 de Maio de 2012 | 00:20

2: Baixos níveis de vitamina D poderão estar relacionados com maior risco de depressão

 

Dados da terceira National Health and Nutrition Examination Survey, realizada nos E.U.A., revelaram que pessoas com deficiência de Vitamina D correm maior risco de ter episódios depressivos, comparativamente com pessoas com níveis suficientes desta vitamina, de acordo com o publicado no International Archives of Medicine.

Não existe ainda conhecimento suficiente para saber se é a deficiência em vitamina D que leva à depressão ou se será a depressão que conduzirá à deficiência em vitamina D – mais estudos serão necessários para decifrar o papel decisivo da vitamina D em transtornos psicossomáticos. No entanto, mesmo não sendo conhecida a relação causa e efeito entre a depressão e a deficiência em vitamina D, numa perspectiva de saúde pública, a coexistência de baixos níveis de vitamina D e depressão são motivo de preocupação. Por este motivo, é importante identificar pessoas que correm maior risco de ter deficiência em vitamina D e/ou para a depressão e intervir mais cedo nas mesmas, pois estas duas condições têm enormes consequências negativas sobre a saúde a longo prazo.

A Organização Mundial de Saúde prevê que, dentro de 20 anos, mais pessoas serão afectadas por depressão do que por qualquer outro problema de saúde, classificando a depressão como a principal causa de incapacidade no mundo, com cerca de 120 milhões de pessoas afectadas.

Relativamente à relação entre a vitamina D e a depressão, esta não é a primeira vez que é estudada. Com base em dados de 1 282 indivíduos com idades entre os 65 e 95 anos, cientistas holandeses publicaram em 2008 no Archives of General Psychiatry que baixos níveis desta vitamina e baixos níveis sanguíneos da hormona paratiroide estavam associados com altas taxas de depressão. Uma revisão sobre esta temática realizada por Bruce Ames e Joyce McCann do Children’s Hospital and Research Center em Oakland destacou também o papel desta vitamina na manutenção da saúde do cérebro, observando a ampla distribuição de receptores de vitamina D em todo o cérebro.

Posteriormente, Vijay Ganji Ph. D., R.D. e os seus colaboradores do estado da Geórgia analisaram dados de 7 970 residentes nos Estados Unidos com idades entre os 15 e os 39. Os resultados obtidos neste estudo mostraram que pessoas com níveis de vitamina D de 50 nanomoles por litro sangue ou menos corriam um risco acrescido de 85% de terem episódios depressivos recorrentes, comparativamente com pessoas com níveis mínimos de 75 nanomoles de vitamina D por litro de sangue.

O mecanismo através do qual a vitamina D desempenha o seu papel na saúde mental ainda não é claramente compreendido mas sabe-se que a vitamina D, na sua forma activa, aumenta o metabolismo da glutationa nos neurónios, portanto, promove a actividade antioxidante que os protege de processos oxidativos degenerativos.

Os investigadores deste estudo verificaram assim que a vitamina D está envolvida na expressão de genes para a produção de neurotransmissores como a dopamina mas é importante ter a noção de que os respectivos resultados não provam que a deficiência de vitamina D causa depressão. Serão necessários estudos complementares para decifrar o mecanismo que permite a associação entre a vitamina D e esta patologia.

Para além desta associação à depressão, a vitamina D tem estudos que comprovam cientificamente a sua eficácia na manutenção da saúde óssea, correcta função nervosa e imunitária e correcta função tiroideia e paratiroideia quando tomada como suplemento alimentar.

Fonte: International Archives of Medicine
2010, 3:29 doi:10.1186/1755-7682-3-29
“Serum vitamin D concentrations are related to depression in young adult US population: the Third National Health and Nutrition Examination Survey”
Authors: V. Ganji, C. Milone, M.M. Cody, F. McCarthy, Y.T. Wang
10-12-2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...