1129: Gripe. 79 mil pessoas vacinadas na primeira semana

SAÚDE PÚBLICA/GRIPE/VACINAÇÃO

Utentes e profissionais de lares de idosos e profissionais do Serviço Nacional de Saúde estão abrangidos pela primeira fase da vacinação.

Autoridades de saúde anteciparam o início da campanha de vacinação contra a gripe.
© Artur Machado / Global Imagens

Desde a última segunda-feira, dia em que arrancou a campanha de vacinação contra a gripe, até ao dia de ontem receberam a vacina 70 045 pessoas, avançou este sábado a Direcção-Geral da Saúde, em comunicado.

Nesta primeira fase estão a ser vacinados os utentes e profissionais dos Estabelecimentos Residenciais para Idosos (ERPI) e unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e instituições similares, bem como os profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A vacinação destes grupos, bem como das grávidas, vai prolongar-se pelas próximas semanas. Na segunda fase serão integrados os outros grupos-alvo abrangidos pela vacinação gratuita, nomeadamente pessoas com idade igual ou superior a 65 anos e pessoas portadoras de doenças.

Até ao momento, avança o comunicado, foram distribuídas “mais de 320 mil doses da vacina da gripe em todo o território nacional”. Para esta época gripal haverá 2,24 milhões de doses de vacinas contra a gripe, mais cerca de 146.000 doses face ao ano anterior.

Segundo a DGS a vacinação contra a gripe irá ocorrer em paralelo com o processo de vacinação contra a COVID-19, que ainda está em curso, nos Centros de Vacinação COVID. Este ano as autoridades de saúde decidiram antecipar o início da campanha de vacinação, que começa habitualmente em Outubro, devido à situação pandémica.

Diário de Notícias
DN
02 Outubro 2021 — 12:59

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1128: Covid-19. Mais 690 novos casos e 7 mortes em Portugal

– Estatística desta semana até hoje, Sábado:

– 0.690 infectados – 02.10.2021 – 7 mortes
– 0.696 infectados – 01.10.2021 – 4 mortes
– 0.749 infectados – 30.09.2021 – 7 mortes
– 0.755 infectados – 29.09.2021 – 6 mortes
– 0.600 infectados – 28.09.2021 – 7 mortes
– 0.230 infectados – 27.09.2021 – 1 morte

Total da semana: 3.720 infectados e 32 mortes

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES

Há 337 pessoas hospitalizadas, menos 20 que no dia anterior. Estão 65 doentes nos cuidados intensivos.

© Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Portugal registou este sábado (2 de Outubro) mais 690 novos casos de covid-19. De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral de Saúde há a registar 7 mortes nas últimas 24 horas.

Os dados sobre a situação nos hospitais portugueses mostram que há agora 337 internados (menos 20 por comparação com o dia anterior), dos quais 65 estão em unidades de cuidados intensivos (menos dois).

No total há agora 30.257 casos activos de covid-19 em Portugal, menos 244 que os registados no boletim anterior.

Em termos de divisão geográfica, Lisboa e Vale do Tejo conta 219 casos, enquanto a região norte contabilizou 190 e o centro 122. No Alentejo houve 79 contágios e no Algarve 47. Quanto às regiões autónomas, os Açores contam 20 novos casos e a Madeira 13.

No que se refere aos óbitos, três ocorreram no Alentejo, dois na região centro, um em Lisboa e Vale do Tejo e o sétimo no Algarve.

Isto numa altura em que o país levanta boa parte das medidas restritivas devidas à pandemia. Segundo as normas divulgadas pela DGS esta sexta-feira o uso obrigatório de máscara deixa de ser a regra generalizada, mas mantém-se em estabelecimentos e serviços de saúde, espaços comerciais e cabeleireiros ou barbeiros.

“Apesar da elevada cobertura vacinal em Portugal e da actual situação epidemiológica suportarem uma estratégia de flexibilização gradual, progressiva e proporcionada das medidas de saúde pública implementadas no contexto pandémico, a utilização de máscaras continua a ser uma importante medida de contenção da infecção, sobretudo em ambientes e populações com maior risco para infecção por SARS-CoV-2”, considera a DGS.

De acordo com as orientações divulgadas, o uso de máscara continua também a ser obrigatório nas estruturas residenciais para idosos, unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, salas de espectáculo, cinemas, salas de congresso e recintos de eventos de natureza corporativa ou recintos improvisados para eventos.

Nos espaços e estabelecimentos comerciais mantém-se o uso de máscara em centros comerciais com área superior a 400 m2.

Nos transportes colectivos de passageiros, incluindo táxis e TVDE há também a obrigação de usar máscaras, o mesmo acontecendo nas Lojas de Cidadão e nos recintos para eventos e celebrações desportivas.

Diário de Notícias
DN
02 Outubro 2021 — 14:08

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1127: Vacina em adesivo promete resposta imunológica superior ao método tradicional

SAÚDE PÚBLICA/VACINAS

University of North Carolina at Chapel Hill

Uma equipa de cientistas desenvolveu uma vacina em adesivo com micro-agulhas que promete uma resposta imunológica muito superior do que a que é oferecida pelas vacinas tradicionais.

Apesar de os adesivos com micro-agulhas estarem em desenvolvimento há vários anos, os fabricantes têm mostrado dificuldades na produção em massa. Por outro lado, adaptar o adesivo aos diferentes tipos de vacinas também pode ser um desafio.

Contudo, um novo estudo mostra agora que é possível superar estes problemas que foram condicionando o desenvolvimento do adesivo. Os avanços deram-se através de uma técnica de impressão 3D avançada denominada produção de interface líquida contínua (CLIP).

O método usa luz ultravioleta e uma resina especial para criar os adesivos que são consistentes em tamanho, forma e espaçamento de agulha, independentemente da quantidade em que são produzidos.

“A nossa abordagem permite-nos imprimir directamente as micro-agulhas em 3D, o que nos dá margem para fazer as melhores micro-agulhas do ponto de vista de desempenho e custo”, refere o microbiologista Shaomin Tian, ​​da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.

A facilidade e a velocidade com que estes adesivos de micro-agulha podem ser desenvolvidos pode levá-los a um uso muito mais amplo, referem os investigadores em comunicado.

Por outro lado, escreve o Science Alert, evitam totalmente as agulhas convencionais, e podem ser auto-administrados, ou seja, não há a necessidade de marcar uma consulta antecipadamente com um técnico que possa fazer a inoculação.

O método de administração caracteriza-se por ser mais simples, uma vez que as agulhas presentes no adesivo só precisam de penetrar abaixo da camada superficial da pele (transdérmica) para serem eficientes.

O estudo refere ainda que o líquido é inoculado directamente nas proximidades das células imunológicas da pele, o que é perfeito para vacinas. Com um sistema de entrega mais eficiente, é possível que as dosagens possam ser reduzidas.

Em testes de laboratório em ratos, os especialistas perceberam que o adesivo criou uma resposta de células T e anticorpos específicos cerca de 50 vezes maior do que uma injecção subcutânea tradicional aplicada sob a superfície da pele.

“Demonstramos que a aplicação de micro-agulhas impressas em 3D resultou em maior retenção de carga na pele, activação de células imunes e respostas imunes mais potentes, em comparação com as técnicas de vacinação tradicionais”, explicam os investigadores no estudo.

A equipa afirma que o projecto pode ser adaptado para o uso de vacinas contra a gripe, sarampo, hepatite e até mesmo de covid-19.

Outra vantagem é o facto de não haver necessidade de manutenção especial ou refrigeração no transporte, o que pode ajudar a aumentar as taxas de vacinação. Os adesivos podem ainda usar melhorias recentes para combinar vários medicamentos no mesmo adesivo.

Embora os adesivos ainda não tenham sido testados em humanos, espera-se que quando isso acontecer sejam observados os mesmos benefícios que foram analisados nos testes em ratos.

Agora, os investigadores estão a tentar perceber de que forma o seu adesivo de vacina de micro-agulha pode ser adaptado às vacinas contra a covid-19, especialmente nas de mRNA – como é o caso da Moderna e da Pfizer.

O estudo foi publicado na revista PNAS a 28  Setembro.

Por Ana Isabel Moura
1 Outubro, 2021

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1126: DGS divulga normas para uso obrigatório de máscaras

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/MÁSCARAS/DGS

Normas da Direcção-Geral da Saúde vão ao encontro do que já tinha sido revelado pelas disposições do governo.

A directora-geral da Saúde, Graça Freitas.
© JOÃO RELVAS/LUSA

O uso de máscaras devido à pandemia de covid-19 mantém-se em estabelecimentos e serviços de saúde, espaços comerciais e cabeleireiros ou barbeiros, segundo normas divulgadas na sexta-feira pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).

“Apesar da elevada cobertura vacinal em Portugal e da actual situação epidemiológica suportarem uma estratégia de flexibilização gradual, progressiva e proporcionada das medidas de saúde pública implementadas no contexto pandémico, a utilização de máscaras continua a ser uma importante medida de contenção da infecção, sobretudo em ambientes e populações com maior risco para infecção por SARS-CoV-2”, considera a DGS.

De acordo com as orientações divulgadas, o uso de máscara permanece obrigatório nas estruturas residenciais para pessoas idosas, unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, salas de espectáculo, cinemas, salas de congresso e recintos de eventos de natureza corporativa ou recintos improvisados para eventos.

Em relação aos espaços e estabelecimentos comerciais, a DGS explica que está incluído o uso de máscara em centros comerciais com área superior a 400 m2.

“Espaços e estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, em que necessariamente ocorra contacto físico com o cliente, por exemplo cabeleireiros, barbeiros ou esteticistas”, constam igualmente da lista da DGS.

Nos transportes colectivos de passageiros, incluindo táxis e TVDE há também a obrigação de usar máscaras, o mesmo acontecendo nas Lojas de Cidadão e nos recintos para eventos e celebrações desportivas.

“Nos termos da legislação em vigor, o uso de máscara é ainda obrigatório pelos profissionais de bares, discotecas, restaurantes e similares”, refere a orientação 011/2021 da DGS.

Numa outra orientação relativa às instituições de culto e religiosas, a DGS divulgou uma série de recomendações a adoptar pelos cidadãos e pelas instituições.

Promover a ventilação do local de culto, antes, durante e depois de uma celebração, se possível mantendo as janelas e portas abertas, higienizar todo o espaço, nomeadamente bancos, apoios e puxadores de portas, divulgar e incentivar medidas de protecção e distanciamento físico e disponibilizar um dispensador de solução à base de álcool para as pessoas desinfectarem as mãos são algumas das recomendações.

“As pias de água benta, junto à entrada das igrejas, deverão manter-se vazias”, refere ainda a DGS.

Em relação aos cidadãos que frequentam estas instituições, a DGS recomenda, por exemplo, que cumpram as orientações de entrada e saída, o uso de “máscara facial durante a celebração” e que mantenham a distância de outras pessoas, evitando saudações com contacto físico.

Diário de Notícias
DN/Lusa
02 Outubro 2021 — 01:32

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes