1034: Já foram detectados 24 casos da variante Mu em Portugal

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/VARIANTE MU

Portuguese Gravity / Unsplash

A variante foi detectada em Portugal pela primeira vez a 31 de Maio. A circulação no país é “muito limitada”, já que a Delta é responsável por 100% dos casos no país.

Foram detectados já 24 casos da variante Mu em Portugal, segundo noticia o Observador. Esta nova variante do coronavírus foi identificada pela primeira vez em Janeiro, na Colômbia. De acordo com um relatório da OMS, a variante tem mutações que podem indicar resistência às vacinas, mas ainda são necessários mais estudos.

A Mu foi detectada pela primeira vez em Portugal a 31 de Maio, “tendo atingido a sua maior frequência relativa (1.2%) durante a segunda semana de Junho, altura a partir da qual apresentou uma frequência com tendência decrescente”, adianta o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) ao mesmo jornal.

O último caso foi detectado no final de Julho e desde então não foi identificado mais nenhum caso desta variante “entre as centenas de amostras analisadas até à data do mês de Agosto”.

O INSA já tinha afirmado à TVI que a prevalência da Mu em Portugal vai ser “muito limitada”: “Estas observações apontam que a circulação da variante “Mu” (B.1.621) em Portugal será muito limitada, sendo que a epidemia de SARS-CoV-2 em Portugal é actualmente dominada pela variante Delta”.

Recorde-se que actualmente a variante Delta é responsável por 100% dos casos de covid-19 em Portugal e é a única em circulação no país. Em 2020, perante o surgimento de novas variantes, a Organização Mundial da Saúde começou a organizá-las como sendo de “interesse” ou “preocupantes”, dando-lhes nomes baseados em letras do alfabeto grego.

“A variante Mu tem uma constelação de mutações que indicam propriedades potenciais de resistência imunológica“, escreveu a OMS no boletim semanal onde revelou que está a vigiar a Mu, que continua a ser uma variante de “interesse”

Actualmente, há quatro variantes que geram mais preocupação, incluindo a Alpha, presente em 193 países, e a Delta, que domina em Portugal. A variante Mu é a quinta a receber uma monitorização mais próxima da OMS.

OMS vigia a Mu. Prevalência da variante aumenta na Colômbia e Equador

A Organização Mundial de Saúde (OMS) está a monitorizar uma nova variante do SARS-CoV-2, a Mu, identificada pela primeira vez…

Ler mais

Adriana Peixoto, ZAP //

Por Adriana Peixoto
3 Setembro, 2021

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

1033: Investigador da UMinho descobre tratamento que retarda envelhecimento da coluna

SAÚDE PÚBLICA/INVESTIGAÇÃO/UMINHO

Tratamento com “drogas senolíticas” retarda o envelhecimento dos discos da coluna vertebral.

© Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Um investigador da Universidade do Minho (UMinho) descobriu um tratamento que retarda o envelhecimento dos discos da coluna vertebral, uma das principais causas do aparecimento de dor de costas, foi anunciado esta sexta-feira.

Em comunicado, o investigador e médico da UMinho Emanuel Novais explica que em causa está um tratamento com “drogas senolíticas”, que faz com que as células boas permaneçam e as “más” sejam eliminadas, acabando por atrasar a degeneração dos “discos”.

Para Emanuel Novais, as soluções e tratamentos actualmente disponíveis são “ainda escassos e nem sempre com os melhores resultados”.

“As soluções que temos disponíveis são a redução da dor com analgésicos ou, em casos mais graves, a intervenção cirúrgica. Ou seja, não há nenhum medicamento que possa impedir a evolução da doença e ser uma solução terapêutica”, refere.

O investigador, durante a sua tese de doutoramento e através de uma investigação na Universidade Thomas Jefferson (EUA), resolveu explorar diferentes formas de aliviar a degeneração do disco intervertebral.

Segundo diz, este foi o primeiro estudo a realizar um tratamento de longa duração com drogas senolíticas em ratinhos.

“Os resultados indicam que os animais tratados com estas drogas apresentam menor grau de degeneração do disco intervertebral com o envelhecimento. Além disto, tiveram melhorias significativas a nível da força muscular, inflamação no sangue e qualidade do osso. Por último, não observamos efeitos secundários que nos alertem para a falta de segurança no uso destas drogas”, afirma.

Para Emanuel Novais, a “grande chave” do projecto foram os fármacos senolíticos, mais especificamente um cocktail de duas substâncias (Dasatinibe e Quercetina), que permitiram remover e diminuir as células senescentes no disco e, desta forma, reduzir o stresse que estas células induziam localmente.

“Ou seja, ao fazer com que as células boas permaneçam e as ‘más’ sejam eliminadas, acabamos por atrasar a degeneração do disco”, acrescenta.

Emanuel Novais finalizou recentemente a sua tese de doutoramento, em que este trabalho também se enquadra, fruto do MD/PhD, um programa em que estudantes de Medicina da Universidade do Minho podem fazer uma pausa no curso e tirar um doutoramento em duas universidades estado-unidenses (Thomas Jefferson e Columbia), podendo terminar o curso como médicos e doutorados.

Diário de Notícias
Lusa
03 Setembro 2021 — 12:32

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes