627: Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

 

SAÚDE/COVID-19

Rawpixel

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infecção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 novos casos, 257 são na região de Lisboa e Vale do Tejo. No Norte há mais 229 infectados do que nas últimas 24 horas, no Centro há mais 97, no Alentejo há mais 50, no Algarve mais 32 e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores mais 35 e 18 casos, respectivamente.

No total, o número de pessoas infectadas pela doença desde o início da pandemia é agora de 804.562. Há, neste momento, 69.268 casos activos, menos 987 do que no sábado.

Estão também confirmadas 16.317 mortes devido à covid-19, mais 41 óbitos relativamente às últimas 24 horas. A DGS indica que 26 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, cinco no Norte, cinco no Centro, três no Alentejo e duas no Algarve.

Neste momento, existem 2165 doentes internados em Portugal (menos 15 do que ontem), dos quais 484 nos cuidados intensivos (menos oito pessoas do que ontem).

O boletim da DGS também aponta para mais 1664 doentes recuperados, verificando-se já um total de 718.977 pessoas. Há ainda 45.414 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde, menos 3076 em relação ao dia de ontem.

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 2.526.075 pessoas em todo o mundo, desde que a Organização Mundial de Saúde registou o inicio da doença no final de Dezembro de 2019, segundo informação recolhida pela agência France-Presse.

Por Filipa Mesquita
28 Fevereiro, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

626: Nova esperança para o Alzheimer

 

SAÚDE/ALZHEIMER

A investigadora Ana Teresa Viegas, da Universidade de Coimbra, descobriu um potencial alvo terapêutico que pode ser fundamental em tratamentos futuros da doença de Alzheimer.

© Maria João Gala /Global Imagens

O Alzheimer é uma patologia neuro-degenerativa, que atinge o hipocampo – a região cerebral onde se formam e consolidam as memórias. Esta doença tem um enorme impacto na saúde mundial, uma vez que ainda não existem terapias eficazes. Mas essa realidade pode mudar graças a uma equipa de investigadores portugueses do Centro de Neuro-ciências e Biologia Celular (CNC).

Ana Teresa Viegas e os seus colegas conseguiram apurar os benefícios do aumento dos níveis do microARN-31 no plasma dos doentes, utilizando ratinhos fêmeas de laboratório. E o sexo dos modelos utilizados é importante, uma vez que o Alzheimer tem particular prevalência em mulheres.

Entre outras observações importantes, os investigadores concluíram que os animais tratados com o microARN-31 apresentavam menores deficits de memória e menores níveis de ansiedade e inflexibilidade cognitiva.

Este estudo, publicado na revista científica Molecular Therapy – Nucleic Acids, foi realizado por uma equipa de cientistas portugueses do Centro de Neuro-ciências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra.

Para saber mais clique AQUI

Diário de Notícias
Paulo Caetano
28 Fevereiro 2021 — 07:00

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

625: Identificada nova variante em Nova Iorque que está a gerar preocupação

 

SAÚDE/COVID-19/NOVAS VARIANTES

Foi detectada uma nova variante do SARS-CoV-2, vírus responsável pela covid-19, em Nova Iorque, que está a gerar preocupação entre os especialistas.

Segundo a CNN, esta nova variante tem mutações que ajudam a evitar a resposta imunológica do nosso corpo, bem como os efeitos dos tratamentos com anticorpos monoclonais.

A nova variante, denominada pelos investigadores de B.1.526, foi identificada em pessoas de vários bairros da cidade de Nova Iorque.

A estação de televisão norte-americana refere que uma das mutações desta nova variante do novo coronavírus é a mesma em relação à variante sul-africana, que os especialistas temem que possa afectar a eficácia da vacina.

“Observamos um aumento constante na taxa de detecção no final de Dezembro a meados de Fevereiro, com um aumento alarmante para 12,7% nas últimas duas semanas”, escreveu uma equipa do Centro Médico da Universidade de Columbia, num estudo que ainda não foi publicado.

Diário de Notícias

25 fev 09:43
Por Susete Henriques

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

624: Covid-19: Perda de olfacto e paladar pode durar até cinco meses

 

SAÚDE/COVID-19/OLFACTO

McKinsey / Rawpixel

A perda dos sentidos do olfacto e do paladar pode durar até cinco meses depois da infecção por covid-19, segundo um estudo preliminar dado a conhecer esta terça-feira, sendo os resultados definitivos apresentados em Abril, noticiou a Lusa.

O neurologista Johannes Frasnelli, da Universidade do Quebeque em Trois-Rivieres, no Canadá, e um dos autores do estudo, recordou que, ainda que a covid-19 seja uma doença nova, investigações anteriores já haviam constatado que muitas das pessoas contagiadas perdem o sentido do olfacto e do paladar nas primeiras etapas.

Segundo explicou o cientista numa nota de imprensa da Academia Americana de Neurologia, o objectivo deste novo trabalho foi ir mais além e observar quanto tempo persiste essa perda de olfacto e paladar, e a sua gravidade.

Os resultados do trabalho serão apresentados na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, em Abril.

Na investigação participaram 813 trabalhadores sanitários que testaram positivo à covid-19 e foi pedido a cada um que preenchesse um questionário e realizasse, depois, uma prova caseira para avaliar o seu sentido de paladar e de olfacto, normalmente cinco meses depois do diagnóstico.

Os pacientes qualificaram os seus sentidos de paladar e olfato numa escala de zero a 10, sendo que zero significava que não tinham nenhum sentido e o 10 significava um forte sentido de paladar e olfacto.

Num total de 580 pessoas que perderam o olfacto durante a doença numa fase inicial, 297 participantes disseram que ainda não tinham recuperado o sentido do olfacto cinco meses depois. Em média, as pessoas qualificaram o seu sentido de olfacto com um sete em 10 depois da doença, em comparação com um nove em 10 antes de estarem doentes.

Já 527 participantes perderam o sentido do paladar no início da doença e, deste grupo, 200 pessoas asseguraram que ainda não tinham recuperado o sentido do gosto cinco meses depois. As pessoas qualificaram, em média, o seu sentido do paladar com um oito em 10 depois da doença, em comparação com um nove em 10 antes da doença.

“Os nossos resultados demonstram que um sentido do olfacto e do paladar deteriorado pode persistir num número de pessoas com covid-19”, disse Frasnelli, realçando a importância de ser feito um seguimento das pessoas infectadas e a necessidade de se continuar a investigar para descobrir o alcance dos problemas neurológicos associados à doença.

Os investigadores reconhecem algumas limitações deste estudo, entre as quais, a natureza subjectiva das qualificações de odor e sabor.

Uma dose reduz até 94% o risco de hospitalização

Investigadores analisaram os internamentos nos hospitais escoceses, comparando as pessoas que já tomaram a primeira dose e as que ainda não foram vacinadas, concluindo que houve uma redução de 85% a 94% na necessidade de cuidados hospitalares nos que já receberam a primeira toma da AstraZeneca ou da Pfizer, escreveu a Sky News.

“Esses resultados são muito encorajadores e dão-nos boas razões para estarmos optimistas relativamente ao futuro”, indicou Aziz Sheikh, o coordenador científico do estudo, ainda não revisto pelos pares.

“Agora temos evidências nacionais – em todo o país – de que a vacinação oferece protecção contra hospitalizações por covid-19”, acrescentou.

ZAP ZAP // Lusa

Por ZAP
25 Fevereiro, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

623: Há uma “grande probabilidade” de variante de Manaus se tornar dominante em Portugal, diz Sociedade Brasileira de Virologia

 

SAÚDE/COVID-19/VARIANTES/BRASIL

Mário Oliveira / SEMCOM

A variante do SARS-CoV-2 detectada em Dezembro em Manaus, no Brasil, pode vir a tornar-se dominante em Portugal, disse o presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, Flávio Guimarães da Fonseca, apesar de no momento ainda ser a variante britânica a dominar os novos casos.

“Esse cenário é absolutamente possível”, disse o responsável pela sociedade Brasileira de Virologia, na terça-feira à Rádio Observador.

“Actualmente, 80% dos casos de covid-19 na cidade de Manaus são causados pela variante brasileira P1. Todos os vírus, quando se multiplicam, geram vários mutantes, e quando estes têm vantagem em relação às amostras originais, acabam por predominar em pouco tempo. Isso aconteceu em Manaus, no Reino Unido (em relação à variante britânica), e infelizmente pode acontecer também em países que acabam por receber essas novas variantes com este elevado grau de infecciosidade”, acrescentou.

A possibilidade de que a variante brasileira se espalhe em Portugal é real, “se não forem tomadas medidas de contenção, como o distanciamento social e mesmo a vacinação, que possa conter a expansão dessa nova variante”, continuou o especialista. No domingo, foram confirmados os primeiros sete casos da variante brasileira em território nacional.

O virologista disse que a variante brasileira contém mutações detectadas na variante do Reino Unido e outras na variante sul-africana, particularmente uma “que permite ao vírus escapar da acção de anticorpos gerada por uma infecção prévia” ou “pela vacinação”.

Foi ainda detectada a “P2”, que predomina no Brasil, originalmente detectada no Rio de Janeiro. Um estudo realizado da Fundação Oswaldo Cruz, de final de Janeiro, mostrou que esta já estava presente em 91% dos casos analisados do Amazonas, cuja capital é Manaus.

Flávio Guimarães da Fonseca defendeu que a pandemia no Brasil “está longe de estar controlada”, devido à pouca percentagem de pessoas vacinadas e ao número escasso de doses adquiridas, “por causa do fracasso da política do governo brasileiro em adquirir doses suficientes para realizar uma vacinação em massa”.

“Perante este cenário, o resultado é uma população pouco complacente em relação às medidas de combate à pandemia, a ausência de vacinas e a existência de variantes muito infecciosas. Este é um cocktail bastante explosivo, e, por isso, há muita preocupação entre as autoridades de saúde pública e a população em geral, relativamente à ampla disseminação das novas variantes brasileiras”, considerou.

O virologista apontou para “um pico de infecções, mortes e sobrecarga dos hospitais logo no meio do mês de Janeiro, depois das festas de fim de ano” e para um “descuido muito grande da população de uma forma geral”, que levou a um “pico nos casos de covid-19”, que entretanto já começaram a baixar.

Flávio Guimarães da Fonseca sublinhou a fraca adesão da população às medidas de combate à pandemia e o ritmo muito lento de vacinação no país.

Por Taísa Pagno
24 Fevereiro, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

622: Novo estudo indica que coronavírus pode sobreviver na roupa até 72 horas

 

SAÚDE/CORONAVÍRUS/ROUPAS

Twiteer

De acordo com um estudo britânico, o novo coronavírus pode sobreviver na roupa ao longo de até 72 horas. Os especialistas alertam que pode ainda ser transferido da roupa para outras superfícies.

Um estudo da universidade britânica De Montfort University (DMU), indica que o vírus que provoca a covid-19, à semelhança de outros coronavírus, pode sobreviver na roupa ao longo de até 72 horas e assim transferir-se para outras superfícies.

É mais um de vários estudos feitos nos últimos meses que tenta compreender o risco que as superfícies podem ter na transmissão do vírus. Meses antes, já tinham sido divulgadas pesquisas que davam conta do perigo de objectos como dinheiro (notas e moedas) e ecrãs (como os dos smartphones).

O estudo da DMU sugere que o tipo de tecido onde o coronavírus consegue manter-se activo durante mais tempo é o poliéster, um material onde o vírus consegue permanecer vivo ao longo de três dias.

Para além disso, pode também ser transferido daquela superfície para outra e continuar activo. Nos tecidos de 100% algodão o vírus mostrou durar 24 horas, ao passo que noutros tecidos sintéticos sobrevive apenas seis horas.

Conduzido por uma equipa de virulogistas e microbiologistas daquela universidade britânica, o estudo foi realizado através da disseminação de gotículas contendo um “modelo” de vírus semelhante ao Sars-CoV-2.

Agora, a equipa de investigadores recomenda que os hospitais lavem com processos industriais todos os uniformes e equipamentos de protecção individual reutilizáveis, diz o Observador.

“Quando a pandemia começou, havia um entendimento muito escasso sobre o tempo que o coronavírus poderia sobreviver nos têxteis”, afirmou Katie Laird, microbiologista que trabalhou neste estudo e que avisa que “se os enfermeiros e profissionais de saúde levarem as batas e uniformes para casa, poderão deixar rastos do vírus noutras superfícies”.

Ainda assim, a DMU alerta que mesmo lavando os têxteis a temperaturas elevadas “isso não elimina o vírus e não elimina o risco de que a roupa contaminada deixe rastos do coronavírus noutras superfícies em casa ou nos carros”.

ZAP ZAP //

Por ZAP
24 Fevereiro, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

621: Infecção de covid-19 pode ser transmitida por assintomáticos durante a fala

 

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES

Cientistas japoneses usaram fumo e luz laser para investigar o fluxo de ar expelido perto e ao redor de duas pessoas, enquanto conversam.

A infecção de covid-19 pode ser transmitida por pessoas infectadas assintomáticas durante a fala, revelaram investigadores, que recomendam o uso de máscara e viseira em situações de proximidade como a ida a uma consulta ou ao cabeleireiro.

A maioria dos estudos foca-se no fluxo do ar exalado através da tosse ou do espirro, que podem enviar aerossóis a longas distâncias. Contudo, falar perto um do outro também é um risco, uma vez que o vírus pode ser transmitido através da fala.

Em comunicado, o American Institute of Physics, relativo ao estudo publicado no boletim científico Physics of Fluids, cientistas japoneses usaram fumo e luz laser para investigar o fluxo de ar expelido perto e ao redor de duas pessoas, enquanto conversam em vários contextos comuns, como salões de cabeleireiros, clínicas médicas ou unidades de cuidados prolongados.

Nessa investigação, os cigarros electrónicos foram usados para produzir fumo artificial, contendo gotículas de cerca de um décimo de diâmetro, semelhante ao tamanho de uma partícula do vírus.

O líquido usado nestes dispositivos de vaporização, uma mistura de glicerina e propilenoglicol, produz uma nuvem de minúsculas gotículas que espalham a luz de um laser, permitindo visualizar os padrões do fluxo do ar. “Analisamos as características da difusão da expiração do ar com e sem máscara quando a pessoa estava em pé, sentada, de bruços ou deitada com a face para cima”, disse a autora Keiko Ishii.

Para estudar o efeito da fala na expiração, a palavra “onegaishimasu”, uma saudação típica japonesa em ambientes de negócios, foi pronunciada repetidamente durante a filmagem da nuvem de vapor resultante.

As experiências foram realizadas num salão de cabeleireiro, em Tóquio, com posturas escolhidas para simular cenários típicos de atendimento ao cliente, incluindo a lavagem em que o cliente está deitado e o técnico em pé e inclinado sobre o cliente.

“Contactos face a face semelhantes ocorreriam não apenas naquele contexto, mas também em cuidados médicos e de longo prazo”, disse Ishii.

As demonstrações revelaram que o ar exalado por uma pessoa sem máscara quando está a falar tende a movimentar-se para baixo sob a influência da gravidade, motivo pelo qual se um cliente ou um doente estiver deitado pode ser infectado.

Quando uma máscara é usada num contexto em que a pessoa está em pé ou sentada, a nuvem de vapor tende a prender-se ao corpo da pessoa, que é mais quente do que o ar ao seu redor e movimenta-se para cima ao longo do corpo, motivo pelo qual se o profissional estiver inclinado, o aerossol tende a desprender-se do corpo da pessoa e cair sobre o cliente ou doente.

Os investigadores também fizeram experiências com protectores faciais e descobriram que estes podem impedir que os aerossóis que saem da máscara cheguem ao cliente ou ao doente.

Aquela investigadora concluiu que “é mais eficaz usar máscara e protector facial ao fornecer serviços a clientes”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
23 Fevereiro 2021 — 16:31

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

620: Perda de olfacto e paladar pode durar até cinco meses, diz estudo

 

SAÚDE/COVID-19/SEQUELAS

Participaram 813 trabalhadores sanitários que deram positivo à covid-19 nesta investigação. Cinco meses depois do diagnóstico, 297 participantes (51%) disseram que ainda não tinham recuperado o sentido do olfacto.

A perda de olfacto e de paladar são alguns dos sintomas da infecção causada pelo novo coronavírus
© Paulo Spranger/Global Imagens

A perda dos sentidos do olfacto e do paladar pode durar até cinco meses depois da infecção por covid-19, segundo um estudo preliminar dado esta terça-feira a conhecer, sendo os resultados definitivos apresentados em Abril.

Johannes Frasnelli, da Universidade do Quebec em Trois-Rivieres, no Canadá, e um dos autores do estudo, recordou que, ainda que a covid-19 seja uma doença nova, investigações anteriores já haviam constatado que muitas das pessoas contagiadas perdem o sentido do olfacto e do paladar nas primeiras etapas.

Os resultados do trabalho serão apresentados na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, em Abril próximo.

Segundo explicou o cientista numa nota de imprensa da Academia Americana de Neurologia, o objectivo deste novo trabalho foi ir mais além e observar quanto tempo persiste essa perda de olfacto e paladar, e a sua gravidade,

Para tal, na investigação participaram 813 trabalhadores sanitários que deram positivo à covid-19, cada um completou um questionário e realizou depois uma prova caseira para avaliar o seu sentido de paladar e de olfacto normalmente cinco meses depois do diagnóstico.

Os pacientes qualificaram os seus sentidos de paladar e olfacto numa escala de zero a 10, sendo que zero significada que não tinham nenhum sentido e o 10 significada um forte sentido de paladar e olfacto.

Um total de 580 pessoas perderam o sentido do olfacto durante a doença inicialmente, de este grupo, 297 participantes (51%) disseram que ainda não tinham recuperado o sentido do olfacto cinco meses depois.

Em media, as pessoas qualificaram o seu sentido de olfacto com um sete sobre 10 depois da doença, em comparação com um nove em 10 antes de estar doente.

Resultados mostram que “sentido do olfacto e do paladar deteriorado pode persistir num número de pessoas com covid-19”

Já 527 participantes perderam o sentido do paladar no inicio da doença e, deste grupo, 200 pessoas (38%) asseguraram que ainda não tinham recuperado o sentido do gosto cinco meses depois.

As pessoas qualificaram, na media, o seu sentido do paladar com um oito em 10 depois da doença, em comparação com um nove em 10 antes da doença.

“Os nossos resultados demonstra que um sentido do olfacto e do paladar deteriorado pode persistir num número de pessoas com covid-19”, disse Frasnelli.

Para este investigador, isto sublinha a importância de ser feito um seguimento das pessoas infectadas e a necessidade de se continuar a investigar para descobrir o alcance dos problemas neurológicos associados à doença.

Os investigadores reconhecem algumas limitações deste estudo, entre as quais, a natureza subjectiva das qualificações de odor e sabor.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2 466 453 mortos no mundo, resultantes de mais de 111 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16 023 pessoas dos 798 074 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

Diário de Notícias
DN/Lusa
23 Fevereiro 2021 — 08:05

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

619: Pressão sobre Cuidados Intensivos só permite desconfinamento em Abril

 

SAÚDE/COVID-19/DESCONFINAMENTO

Técnicos preveem que o número de internados nos cuidados intensivos só chegará a 200 no final de Março. Este é o nível que o PR exige para dar como terminado o confinamento geral.

A ministra da Saúde, Marta Temido, na reunião desta tarde no Infarmed
© José Sena Goulão/Lusa

Os internamentos em cuidados intensivos só vão descer para o nível exigido pelo Presidente da República para se acabar com o confinamento geral – 200 – no final de Março.

A certeza foi esta tarde avançada, em mais uma (a 16ª) reunião do Infarmed, por um responsável do Instituto Ricardo Jorge.

Baltazar Nunes afirmou que o número de doentes actualmente internados nos Cuidados Intensivos (627) é ainda “muito elevado“. Em meio de Março conta-se que esteja nos 320 e só no final de Março deverá estar em 200, acrescentou – mas não sem, pelo meio, salientou que esta evolução é uma previsão que só se cumprirá se se mantiver o cumprimento das actuais medidas de confinamento.

Em 11 de Fevereiro, a propósito de mais uma renovação do estado de emergência, o Presidente da República apontou como metas até à Páscoa [4 de Abril], que será no início de Abril, reduzir o número de novos casos diários de infecção “para menos de dois mil”, de modo a que “os internamentos e os cuidados intensivos desçam dos mais de cinco mil e mais de oitocentos agora para perto de um quarto desses valores”.

Numa declaração a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa pediu que se procure uma estabilização “duradoura, sustentada, sem altos e baixos”, colocando a propagação do vírus em “números europeus”.

“Temos de manter o estado de emergência e o confinamento, como os actuais, por mais quinze dias, e, apontar para prosseguir Março fora no mesmo caminho, para não dar sinais errados para a Páscoa”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Baltazar Nunes disse ainda que o Índice de Transmissibilidade (“R”) do vírus Sars-Cov-2 actual, 0,67, é o valor mais baixo desde o início da pandemia, disse na reunião do Infarmed Baltazar Nunes, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Actualmente, prosseguiu, Portugal tem o valor do R “mais baixo da Europa”. Em todas as regiões esse valor é abaixo de 1.

Segundo acrescentou, deu-se no valor do R “uma descida muito acentuada” desde meados de Janeiro, estando agora o valor estabilizado em torno de 0,66-0,68.

O mesmo técnico afirmou também que afirma que o covid é responsável por 64% do excesso de mortalidade que actualmente se verifica. Depois, 19% desse excesso de mortalidade é atribuível ao frio e em 7% “não se conseguiu localizar nenhum factor”.

Em números absolutos, haverá cerca de 8900 mortos em excesso atribuíveis à pandemia e 2200 devido a temperaturas extremas.

Na mesma reunião, um outro especialista do Instituto Ricardo Jorge, João Paulo Gomes, avisou que a incidência da variante britânica do covid-19 terá tendência a “crescer exponencialmente” quando o país voltar a desconfinar.

Segundo afirmou, de 1 de Dezembro até hoje a variante britânica já terá infectado em Portugal cerca de 150 mil pessoas. Do número total actual de infectados (80 642) cerca de metade (48%) será com esta variante do Sars-Cov-2.

O médico salientou contudo que essa variante cresce actualmente muito menos do que no princípio – justificando isso com as medidas de confinamento. No princípio de Dezembro, antes do confinamento, o número de infectados com a variante britânica duplicava todas as semanas. Actualmente já só cresce a valores entre 4% e 10%.

Já o vice-almirante Gouveia e Melo, coordenador da task force da vacinação, afirmou na mesma reunião que a imunidade de grupo pode chegar no início de Agosto.

Segundo disse, “desde o dia 19 de Fevereiro, a redução no primeiro trimestre continuou a confirmar-se apesar de ser menor”. “No entanto, isso continua a fazer com que a primeira fase [de vacinação] ultrapasse o primeiro trimestre”, disse, destacando, ainda assim, que há uma “expectativa mais positiva” em relação ao segundo, terceiro e quatro trimestres do ano.

“Se estas expectativas se mantiverem e se materializarem no futuro próximo, o período em que se poderá atingir os 70% de imunidade de grupo pode eventualmente reduzir-se e passar para meados do Verão, à volta de Agosto ou inícios de Agosto”, afirmou.

O vice-almirante salientou porém que “isto são expectativas que ainda têm de se confirmar”.

Afirmou, por outro lado, que o aumento da vacinação previsível no segundo trimestre exige “modelos alternativos” aos centros de saúde como locais exclusivos onde a vacina pode ser ministrada, “para que o processo decorra sem problemas na administração de vacina”.

Implicitamente, o militar volta assim a sugerir que o processo deixe de ser um exclusivo do SNS, alargando-se, nomeadamente, às farmácias – e essa opinião parece ter o apoio do Presidente da República.

Segundo afirmou, 4,5% da população já recebeu uma dose da vacina e 2,7% as duas doses. Esta semana, acrescentou, 230 mil pessoas foram vacinadas. No segundo trimestre (Abril, Maio e Junho), com as vacinas a chegarem em maior dose a Portugal, o objectivo é vacinar 100 mil pessoas por dia.

Diário de Notícias
João Pedro Henriques
22 Fevereiro 2021 — 17:58

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

618: Duas variantes do SARS-CoV-2 fundiram-se num híbrido mutante

 

SAÚDE/COVID-19/VARIANTES

yusamoilov / Flickr

As variantes britânica e californiana do SARS-CoV-2, o vírus causador da covid-19, aparentam ter-se fundido num híbrido altamente mutante.

A combinação dos dois genomas foi encontrada na Califórnia, nos Estados Unidos, por Bette Korber, do Laboratório Nacional de Los Alamos.

Segundo a New Scientist, o híbrido é resultado da variante B.1.1.7, descoberta no Reino Unido, e da variante B.1.429, descoberta precisamente na Califórnia. A confirmar-se, esta será a primeira fusão de duas variantes a ser detectada nesta pandemia. Os investigadores não se mostram surpreendidos, já que isto é comum nos coronavírus.

A recombinação pode ser de grande importância evolutiva, de acordo com François Balloux, da University College London. É considerada por muitos como a origem do SARS-CoV-2. No pior dos casos, pode levar ao surgimento de novas e ainda mais perigosas variantes.

Korber apenas encontrou um caso desta recombinação e não sabe se o vírus está a ser transmitido de humano para humano. “Este tipo de evento pode permitir que o coronavírus tenha acoplado um vírus mais infeccioso a um vírus mais resistente”, disse a cientista.

O recente surgimento de múltiplas variantes do novo coronavírus pode ter criado a matéria-prima para a recombinação, porque as pessoas podem ser infectadas com duas variantes diferentes ao mesmo tempo.

“Podemos estar a chegar ao ponto em que isto está a acontecer a um ritmo considerável”, diz Sergei Pond, da Temple University, na Pensilvânia, em declarações à New Scientist. “Todos os coronavírus se recombinam, por isso é uma questão de quando, não se”.

Por Daniel Costa
22 Fevereiro, 2021

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]