Fev 22
2017

Descobertas sete “Terras” num sistema solar distante

A maioria destes novos mundos serão rochosos e pelos menos três deverão ter oceanos de água líquida e, quem sabe, talvez vida

A descoberta é anunciada como sensacional: são sete “Terras” duma vez, em torno de uma única estrela, todas com as dimensões aproximadas do original – o nosso próprio mundo -, e tudo indica que a maioria desses exoplanetas é de natureza rochosa (como o original), e três pelo menos terão oceanos de água líquida na superfície. Ou seja, têm as condições certas para a possibilidade de lá existir vida.

Neste momento é impossível dizer se haverá vida nalgum destes novos mundos, que estão na órbita de uma estrela chamada Trappist-1 (o nome é o do telescópio do ESO, instalado no Chile, que permitiu fazer a descoberta), a cerca de 40 anos-luz de distância daqui. Mas para os cientistas, a descoberta deste verdadeiro jackpot planetário vem também confirmar uma coisa essencial: os planetas idênticos à Terra serão a regra, e não a excepção, na órbita das estrelas da Via Láctea. E a vida, provavelmente, também.

A descoberta, que a NASA está hoje a anunciar em conferência de imprensa, e que é publicada amanhã na revista Nature, foi feita por uma equipa internacional de cientistas, coordenada por Michaël Gillon, do Instituto de Astrofísica e de Geofísica da Universidade de Liège, na Bélgica. O grupo, que inclui também a investigadora portuguesa Catarina Fernandes, utilizou as observações de uma série de telescópios para identificar esta nova mão-cheia de “Terras” e as estudar com o maior detalhe possível.

Integrada no grupo de Michaël Gillon, na Universidade de Liège, Catarina Fernandes, participou nas observações para determinar o período orbital de um destes sete novos exoplanetas. Para a cientista portuguesa, trata-se de uma descoberta importante. “Esta é a primeira vez que se detecta um sistema solar com tão grande número de planetas semelhantes às Terra, tanto em tamanho e na temperatura, e pelo menos três deles podem ter água na sua superfície”, afirmou ao DN, em entrevista telefónica.

Além do Trappist, e do Very Large Telescope (VLT) do Observatório Europeu do Sul ( ESO), a equipa utilizou mais um outro telescópio terrestre, o Liverpool Telescope, e ainda o telescópio espacial Spitzer, da NASA.Daí, a conferência de imprensa da agência espacial americana. Ao seu habitual jeito, a NASA acaba por ter aqui também uma oportunidade de marcar pontos a seu próprio favor, e das ciências do espaço, nesta nova era Trump, em que os cientistas dos Estados Unidos se mostram preocupados com o futuro.

A estrela Trappist 1 (foi a primeira descoberta com aquele telescópio) não é uma estrela como Sol. É mais fria e tem uma luminosidade cerca de mil vezes mais fraca e a temperatura no seu núcleo é apenas a suficiente para que funcione como uma estrela, convertendo no seu processo de fusão o hidrogénio em hélio. As estrelas como esta são as chamadas anãs-vermelhas e são de longe as mais numerosas na Via Láctea: são cerca de 80% de todas as estrelas. E esse é outro motivo porque esta é uma descoberta sensacional: um sistema solar em torno de uma anã-vermelha, com sete planetas como a Terra, que são outros tantos mundos onde a vida é uma possibilidade real, aponta para que as Terras serão muito mais numerosas na Via Láctea e no Universo, do que alguma vez se sonhou.

Diário de Notícias
22 DE FEVEREIRO DE 2017 | 18:01
Filomena Naves

android7Nugat300 0-android_marshmallow_240

jn11022013

qr code generator



1-portugal QRCode

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter
This entry was posted in descobertas, espaço, imagens, informação, vídeos and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Comments are closed.